Arquivos
 04/06/2017 a 10/06/2017
 14/05/2017 a 20/05/2017
 01/01/2017 a 07/01/2017
 09/10/2016 a 15/10/2016
 07/08/2016 a 13/08/2016
 29/05/2016 a 04/06/2016
 23/08/2015 a 29/08/2015
 14/06/2015 a 20/06/2015
 10/05/2015 a 16/05/2015
 05/04/2015 a 11/04/2015
 08/03/2015 a 14/03/2015
 01/02/2015 a 07/02/2015
 14/12/2014 a 20/12/2014
 21/09/2014 a 27/09/2014
 14/09/2014 a 20/09/2014
 07/09/2014 a 13/09/2014
 17/08/2014 a 23/08/2014
 10/08/2014 a 16/08/2014
 13/07/2014 a 19/07/2014
 27/04/2014 a 03/05/2014
 16/02/2014 a 22/02/2014
 09/02/2014 a 15/02/2014
 05/01/2014 a 11/01/2014
 29/12/2013 a 04/01/2014
 15/12/2013 a 21/12/2013
 08/12/2013 a 14/12/2013
 18/08/2013 a 24/08/2013
 11/08/2013 a 17/08/2013
 04/08/2013 a 10/08/2013
 28/07/2013 a 03/08/2013
 21/07/2013 a 27/07/2013
 14/07/2013 a 20/07/2013
 30/06/2013 a 06/07/2013
 23/06/2013 a 29/06/2013
 16/06/2013 a 22/06/2013
 09/06/2013 a 15/06/2013
 26/05/2013 a 01/06/2013
 19/05/2013 a 25/05/2013
 07/04/2013 a 13/04/2013
 24/03/2013 a 30/03/2013
 17/03/2013 a 23/03/2013
 10/03/2013 a 16/03/2013
 03/03/2013 a 09/03/2013
 17/02/2013 a 23/02/2013
 03/02/2013 a 09/02/2013
 13/01/2013 a 19/01/2013
 06/01/2013 a 12/01/2013
 30/12/2012 a 05/01/2013
 16/12/2012 a 22/12/2012
 09/12/2012 a 15/12/2012
 02/12/2012 a 08/12/2012
 25/11/2012 a 01/12/2012
 18/11/2012 a 24/11/2012
 11/11/2012 a 17/11/2012
 04/11/2012 a 10/11/2012
 28/10/2012 a 03/11/2012
 14/10/2012 a 20/10/2012
 30/09/2012 a 06/10/2012
 16/09/2012 a 22/09/2012
 26/08/2012 a 01/09/2012
 12/08/2012 a 18/08/2012
 05/08/2012 a 11/08/2012
 22/07/2012 a 28/07/2012
 15/07/2012 a 21/07/2012
 08/07/2012 a 14/07/2012
 01/07/2012 a 07/07/2012
 24/06/2012 a 30/06/2012
 10/06/2012 a 16/06/2012
 03/06/2012 a 09/06/2012
 27/05/2012 a 02/06/2012
 20/05/2012 a 26/05/2012
 06/05/2012 a 12/05/2012
 15/04/2012 a 21/04/2012
 08/04/2012 a 14/04/2012
 01/04/2012 a 07/04/2012
 25/03/2012 a 31/03/2012
 18/03/2012 a 24/03/2012
 04/03/2012 a 10/03/2012
 26/02/2012 a 03/03/2012
 19/02/2012 a 25/02/2012
 12/02/2012 a 18/02/2012
 05/02/2012 a 11/02/2012
 15/01/2012 a 21/01/2012
 08/01/2012 a 14/01/2012
 01/01/2012 a 07/01/2012
 18/12/2011 a 24/12/2011
 27/11/2011 a 03/12/2011
 13/11/2011 a 19/11/2011
 30/10/2011 a 05/11/2011
 23/10/2011 a 29/10/2011
 16/10/2011 a 22/10/2011
 18/09/2011 a 24/09/2011
 31/07/2011 a 06/08/2011
 17/07/2011 a 23/07/2011
 26/06/2011 a 02/07/2011
 19/06/2011 a 25/06/2011
 05/06/2011 a 11/06/2011
 22/05/2011 a 28/05/2011
 15/05/2011 a 21/05/2011
 08/05/2011 a 14/05/2011
 24/04/2011 a 30/04/2011
 17/04/2011 a 23/04/2011
 10/04/2011 a 16/04/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 20/03/2011 a 26/03/2011
 20/02/2011 a 26/02/2011
 06/02/2011 a 12/02/2011
 16/01/2011 a 22/01/2011
 09/01/2011 a 15/01/2011
 02/01/2011 a 08/01/2011
 26/12/2010 a 01/01/2011
 12/12/2010 a 18/12/2010
 05/12/2010 a 11/12/2010
 28/11/2010 a 04/12/2010
 21/11/2010 a 27/11/2010
 14/11/2010 a 20/11/2010
 07/11/2010 a 13/11/2010
 31/10/2010 a 06/11/2010
 24/10/2010 a 30/10/2010
 17/10/2010 a 23/10/2010
 10/10/2010 a 16/10/2010
 03/10/2010 a 09/10/2010
 26/09/2010 a 02/10/2010
 12/09/2010 a 18/09/2010
 22/08/2010 a 28/08/2010
 15/08/2010 a 21/08/2010
 08/08/2010 a 14/08/2010
 01/08/2010 a 07/08/2010
 25/07/2010 a 31/07/2010
 18/07/2010 a 24/07/2010
 11/07/2010 a 17/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 13/06/2010 a 19/06/2010
 06/06/2010 a 12/06/2010
 30/05/2010 a 05/06/2010
 23/05/2010 a 29/05/2010
 16/05/2010 a 22/05/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 02/05/2010 a 08/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 04/04/2010 a 10/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 14/03/2010 a 20/03/2010
 07/03/2010 a 13/03/2010
 28/02/2010 a 06/03/2010
 21/02/2010 a 27/02/2010
 14/02/2010 a 20/02/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 24/01/2010 a 30/01/2010
 20/12/2009 a 26/12/2009
 13/12/2009 a 19/12/2009
 06/12/2009 a 12/12/2009
 29/11/2009 a 05/12/2009
 22/11/2009 a 28/11/2009
 15/11/2009 a 21/11/2009
 08/11/2009 a 14/11/2009
 01/11/2009 a 07/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 18/10/2009 a 24/10/2009
 11/10/2009 a 17/10/2009
 04/10/2009 a 10/10/2009
 27/09/2009 a 03/10/2009
 20/09/2009 a 26/09/2009
 13/09/2009 a 19/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 05/07/2009 a 11/07/2009
 14/06/2009 a 20/06/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 17/05/2009 a 23/05/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 26/04/2009 a 02/05/2009
 19/04/2009 a 25/04/2009
 12/04/2009 a 18/04/2009
 05/04/2009 a 11/04/2009
 29/03/2009 a 04/04/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 08/02/2009 a 14/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 25/01/2009 a 31/01/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog de nicomedesoliveira
 


Lançamento Livro do Tião - Casa das Rosas, 24/03 - 20hs

Casa das Rosas e Projeto Dulcinéia Catadora

Convidam para o lançamento de

clique na imagem para ampliá-la
Cátia, Simone e Outras Marvadas
reúne poemas que versam sobre situações vividas pelo autor, como a vinda para São Paulo, a condição de albergado, a fome , a dura situação da população de rua, seu inconformismo com a injustiça social , suas fantasias e sonhos.

Sebastião Nicomedes
Integrante do Movimento Nacional da População de Rua, assina a coluna Direto da Rua, publicada no jornal O Trecheiro; é autor da peça Diário dum Carroceiro.

Projeto Dulcinéia Catadora
Livros de contos e poesias com capas feitas de papelão comprado de catadores. Capas pintadas à mão por filhos de catadores. Uma idéia simples, na contramão do mercado editorial, mostra que é possível divulgar autores novos com a venda de livros a R$ 5,00. Projeto artístico auto-sustentável que reúne artistas , escritores, catadores



Escrito por nicomedesoliveira às 20h17
[] [envie esta mensagem
]






Seminário Cidade Ocupada

1º e 2 de junho de 2006 das 14h às 21h30
Sesc – unidade Avenida Paulista

Seminário realizado pelo Serviço Social do Comércio (Sesc), em parceria com Coloco e Universidade Nômade – rede de intelectuais, artistas e militantes de movimentos sociais que tem por objetivo aproximar o pensamento acadêmico das questões levantadas pelos movimentos.

Reúne lideranças de movimentos e pensadores das áreas de planejamento urbano e ciências políticas e sociais, com o fim de refletir sobre os problemas relativos à democratização da moradia e esperando contribuir para a pesquisa de soluções para uma questão que diz respeito não apenas aos sem-teto, mas à sociedade como um todo.

Ao final de cada dia, há a exibição de documentários que discutem a exclusão social nos grandes centros urbanos - seguida de debate com diretores e participação do público.

Programação

1º de junho de 2006 – quinta-feira
14h – Abertura com representantes do SESC São Paulo, Universidade Nômade e Coloco.

14h30 às 16h30 – Mesa Redonda 1 - Diferentes realidades de ocupação I
Debatedores: Ivanete de Araújo, Maria de Lurdes do Carmo Santos, Rodrigo Araújo
Mediação: Tatiana Roque

17h às 19h – Mesa Redonda 2 – Exclusão da cidade, exclusão do espaço público
Debatedores: Rosana Denaldi, João Sette Whitaker Ferreira, Giuseppe Cocco
Mediação: Alexandre do Nascimento

19h30 às 21h30 – Exibição do filme “Dia de Festa” seguida de debate com o diretor Toni Venturi e a crítica de cinema Ivana Bentes.

2 de junho de 2006 – sexta-feira
14h30 às 16h30 – Mesa Redonda 3 - Diferentes realidades de ocupação II
Debatedores: Gerardo Silva, Sebastião Nicomedes de Oliveira, Pe. Julio Lancellotti
Mediação: Rodrigo Guerón

17h às 19h – Mesa Redonda 4 – Propostas para os sem-teto do Centro de São Paulo
Debatedores: Manoel del Rio, Maria Cecília Loschiavo, Paulo Teixeira
Mediação: André Barros

19h30 às 21h30 – Exibição do filme “À Margem do Concreto” seguida de debate com o diretor Evaldo Mocarzel e o arquiteto e ensaísta Guilherme Wisnik.

 

 



Escrito por nicomedesoliveira às 20h03
[] [envie esta mensagem
]





TEATRO: Das ruas para o palco

por jperuanoÚltima modificação 13/10/2006 14:09

Ex-morador de rua e militante de movimentos por moradia, Sebastião Nicomedes estréia sua primeira peça em São Paulo


Dafne Melo
da Redação


“Demais, né? Contando isso lá trás, nos albergues e na rua por onde passei, falariam: ih, rapaz, pára de sonhar. Mas está acontecendo”. A fala de Sebastião Nicomedes abarca dois pontos extremos por quais passou nos últimos anos. Da perda das perspectivas que o levou a morar por dois meses na rua, Tião - como é conhecido - agora espera, ansioso, alguns poucos dias para que sua primeira peça estréie em circuito comercial, em São Paulo.
Ao falar de si mesmo, sua voz, já mansa, fica mais baixa, a timidez aumenta. Nascido em Assis, interior de São Paulo, Tião perdeu os pais ainda criança, “com nove, dez anos”. Foi então, morar em Sabará (MG) com uma irmã, freira - hoje missionária em Moçambique. “Com 18 anos, vim pra São Paulo, fi z muitas coisas até começar a trabalhar como letreiro.” Em 2003, ainda no ramo, Tião decidiu abrir com alguns colegas, um pequeno negócio. Arrumando o novo local de trabalho, Tião sofreu um acidente ao cair de um toldo e fraturou gravemente o braço. “Quando voltei do hospital, já não havia mais nada no lugar, meus colegas tinham sumido. Me vi sem nada. Tentei a princípio uma pensão. Depois, fui para a rua”, relembra.

HISTÓRIAS
Nos dois meses que morou na rua - no Parque D. Pedro II, centro de São Paulo -, Tião conheceu personagens, histórias de vida, de perda de esperanças e de luta. Ainda com o braço machucado, foi procurar ajuda médica em hospitais públicos. “Fui tirar o gesso. Aí, um médico, Dr. Samuel, do Hospital do Pari, uma pessoa muito importante na minha retomada de vontade de lutar, me explicou a gravidade, me aconselhou bem e fez o possível para que eu conseguisse uma vaga para operar, o que acabou acontecendo.” Foi então que Tião resolveu ir para um albergue.
Do período em que ficou na rua, Tião se lembra de um senhor que pediu para que ele escrevesse uma carta para a família dele. “Ele disse: você é letrado, podia escrever uma carta para o prefeito, o presidente, para ver se eles fazem alguma coisa pra gente. Aí, vi que tinha a vantagem de poder levar a voz dessas pessoas para fora”, conta. É nessa perspectiva que se insere a peça Diário de um carroceiro, um monólogo que retrata a história do carroceiro Quim.
Agora, que o assunto é teatro, Tião aumenta o tom de voz, fala sorrindo, gesticula, os olhos brilham: “Juntei a história de muitos e passei para uma pessoa só, o Quim. A peça se passa durante o período de Natal e Ano Novo, e mostra os problemas do dia - dia, suas desilusões. Conta a dificuldade de se virar em São Paulo nessa época do ano, os serviços todos fechados, ele não consegue achar banheiro, passa mal e não consegue ser socorrido. No Ano Novo, na avenida Paulista, ele se dá conta que toda aquela gente não o enxerga”, conta o autor.
Tião conta que sua inspiração veio de um carroceiro que conheceu na rua, chamado Joaquim, sempre com um livro a tiracolo. “Achava que era uma Bíblia, que ele era crente. Mas um dia, me aproximei pra conversar e vi que era um diário. Ele não me deixou ler, disse que era coisa dele”, conta.

DRAMATURGIA
A primeira peça escrita por Tião foi ainda em 2003, no albergue, o Arsenal da Esperança, no bairro do Brás. Quando um Festival de Caça- Talentos foi promovido no local, Tião pensou em cantar. “Vi que cantar não ia dar muito certo”, brinca.
Determinado a participar mesmo assim, Tião teve a idéia de escrever uma peça, na qual outros moradores que não quisessem cantar pudessem participar também. “Sentei debaixo de uma árvore e comecei a escrever. Tinha um cara lá que tinha muito do personagem que eu montei e acabei estreando o Bonifácil Preguiça. Ao todo, eram doze personagens, todos moradores de rua. O personagem do título, explica Tião, era “um verdadeiro zé mané, muito folgado, muito preguiçoso, um malandrão”.
Se em seu primeiro trabalho o tom era de comédia, em Diário de um carroceiro, Tião segue para outro lado. “Tem momentos engraçados, mas é uma graça para aliviar o peso da verdade que tem atrás daquilo”, explica.
Nesse mesmo ano, começou a freqüentar os espaços do Centro de Artes Alternativas e Cidadania (Caac), ONG sem fins lucrativos, fundada em 2000, e presidida por Max Mu, produtor de Diário de um carroceiro.
“Mostrei o texto do Bonifácil, gostaram e disse que tinha a intenção de escrever alguma coisa sobre os carroceiros e catadores. Fui trabalhando a idéia, escrevi a história, e repassei pro Max”. Tião conta que levou apenas cinco dias para escrever a peça. “A idéia estava bem constituída na cabeça.”

MILITÂNCIA
Não é somente por meio do teatro que Tião procura fazer a voz da população de rua ser ouvida. Desde 2003, também tem atuado ativamente nos movimentos de luta por moradia da capital. Atual membro do Conselho Municipal de Assistência Social e participante do Fórum da População de Rua, Tião conta que descobriu a militância quando foi a um acampamento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em Guararema. Lá, conheceu os sem-teto da ocupação Plínio Ramos, do Movimento de Moradia da Região Centro (MMRC), e se admirou com a luta e a força de vontade dos militantes. “Vi que não tinha muita diferença entre sem-teto e morador de rua. Percebi que se eles não se organizassem para ocupar os prédios, estariam morando na rua. Então, isso pra mim chamou muita atenção. Levar essa forma de organização para o pessoal da rua. Eu sobrevivi e agora posso fazer alguma coisa pra eles”, conclui.

Trechos da peça
“Amanhã cedinho vão me desligar do albergue. Bem feito pra mim, vou morar na rua outra vez. Dessa vez será pra sempre”
“É Natal, é Natal e eu tô na rua!”
“Natal era bom quando eu era pequeno. Natal era Natal quando a família se reunia em volta da mesa...”
“Uma cidadezona grandona como essa num tem a porcaria de um banheiro público!” “Quem inventou o dinheiro? Quem inventou o inventario? Quem inventou esse negócio de ser dono?”
“Falam tanto em Constituição. Nome bonito! Mas pra que serve essa coisa?” “Bendito canudo de faculdade! Por causa dele a ‘bóizada’ se sente”
“Querem proibir as carroças de trafegar pela cidade, querem nos tirar o sustento” “Enquanto os poderosos cruzam os céus de helicóptero, eu cruzo as avenidas com a minha carroça”
“Eu queria sê rico pra invés de gastá com viagem espacial, comprava uma máquina pra transformar plástico em cadeiras, brinquedos, bacias”




Escrito por nicomedesoliveira às 20h01
[] [envie esta mensagem
]





Seminário Políticas Públicas para o Centro de São Paulo

06/06/2005 - Trabalho

Com o intuito de discutir ações de desenvolvimento, geração de emprego e renda, resgate da cidadania, melhoria na qualidade de vida dos moradores e freqüentadores da região central da cidade de São Paulo será realizado o Seminário Políticas Públicas para o Centro de São Paulo. O evento, que contará com a presença do secretário municipal do Trabalho, Gilmar Viana será no próximo dia 06 de junho de 2005, segunda-feira, das 09h00 às 18h00 no Auditório do Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo, localizado na rua Genebra, nº 25, Centro .
 
O Seminário é dirigido a todos que vivem e trabalham na Metrópole e tem por objetivo contribuir para um amplo debate sobre os projetos e ações da Prefeitura na Região Central, envolvendo representantes do governo, universidade, empresários, movimentos sociais, entidades de classe, entidades não governamentais e moradores.
 
O Secretário Municipal do Trabalho, Gilmar Viana, que terá como os demais participantes 15 minutos em sua explanação, tratará de duas propostas que ainda estão em estudos e negociações da pasta, para construção de uma Escola de Restauradores na Vila Maria Zélia mediante acordo com a União Européia e um projeto de estímulo à instalação e ocupação dos prédios públicos mais antigos na região da Cracolândia, por empresas de alta tecnologia, similar ao existente em Recife/PE chamado Porto Digital.

Alguns dos assuntos que serão abordados em quatro mesas temáticas serão:
 
Reabilitação do Centro de São Paulo com coordenação do jornalista Mario Cesar Carvalho e os palestrantes Andréa Matarazzo (Subprefeito da Sé), Raquel Rolnik (Secretária Nacional de Programas Urbanos do Ministério das Cidades), Cândido Malta Campos Filho (arquiteto e urbanista, professor pesquisador da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP) e os debatedores, Nadia Somekh (diretora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie), Regina Maria Prosperi Meyer (professora e pesquisadora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP) e Paulo Bastos (arquiteto e urbanista).

Na segunda mesa o tema será Habitação com coordenação do vereador Paulo Teixeira. Os palestrantes serão Orlando Almeida Filho  (Secretario Municipal de Habitação), Benedito Roberto Barbosa (representante da União de Movimentos de Moradia - UMM/SP), Maria Ruth Amaral Sampaio (professora e pesquisadora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP), e os debatedores Marcos Barreto (Ex-secretário Municipal de Habitação), Manoel Del Rio (Assessor da Frente de Luta por Moradia).

Na terceira mesa, o coordenador Chico Macena vai intermediar o tema "Cracolândia e Inclusão Social), e os palestrantes serão Antonio Floriano Pereira Pesaro (Secretário Municipal da Assistência Social), Andrea Domanico (Ministério da Saúde), Padre Julio Lanceloti (Pastoral do Menor), e os debatedores Sarah Feldman (professora e pesquisadora da Faculdade de Arquitetura da USP/São Carlos) e Sebastião Nicomedes (representante do Fórum Centro Vivo e Fórum dos Moradores de Rua).

E para encerrar, na quarta mesa,  o tema Trabalho e Desenvolvimento, com coordenação do presidente do Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo, Murilo Celso de Campos Pinheiro, e os palestrantes Gilmar Viana Conceição (Secretário Municipal do Trabalho), Marco Antonio Ramos de Almeida (Presidente da Associação Viva o Centro), Henrique Carlos Parra Parra (Caixa Econômica Federal, Superintendente de Negócios Sé/São Paulo). E para fechar o evento, um debate com a participação de  Sueli Ramos Schiffer (professora e pesquisadora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP), Carlos Antônio dos Reis (representante da Recifran e Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis) e Nilson Santos Lima (representante do Sindicato dos Trabalhadores na Economia Informal - CUT/SP).
 
Participe!
 
Seminário de Políticas Públicas
Data: 06 de junho de 2006
Horário: das 09h às 18h00
Local: Auditório do Sindicato dos Engenheiros no Estado de S. Paulo
Endereço: Rua Genebra, nº 25, Centro



MANCHETES
ISS em São Paulo
Quem contrata serviços poderá ajudar a desenvolver a cidade

Calçadas acessíveis
Você investiria em sua calçada para torná-la acessível às pessoas com deficiência, respeitando os padrões estabelecidos pelo Decreto 45.904/05 da Prefeitura de São Paulo?
Sim
Não
Não sei
Vote

Resultados
Arquivo


Escrito por nicomedesoliveira às 19h53
[] [envie esta mensagem
]





Do Feito e do Não Dito: Cultura e Outros Fazeres
Marcelo Manzatti, São Paulo (SP) · 3/12/2006 12:26
1
overponto
Laboratório de Desenvolvimento Cultural
Diálogos Culturais
09 de Dezembro de 2006
Objetivos:
1-) Contribuir para a aproximação entre os fóruns e grupos culturais da cidade de São Paulo
2-) Estabelecer diálogos sobre o momento cultural da cidade e os seus fazeres culturais
3-) Definir princípios de Responsabilidade da Ação Cultural
Programação
14h00- Recepção
14h15- Abertura: Boas-Vindas
14h30 Contação de Causos- Elizabeth dos Santos
15h00 Painel : Outros caminhos para o saber-fazer cultural
Diálogos com:
Eufraudísio Modesto - Fórum de Cultura do Jaçanã/Tremembé
Itamarati Lima- Instituto Pólis
Marcelo Manzatti- Fórum Permanente para as Culturas Populares
Hamilton Faria- Fórum Intermunicipal de Cultura- FIC
16h30 Intervalo-Café
16h45 Grupos de Trabalho - Propostas de fazeres culturais
17h45 Teatro de bonecos- Sebastião Nicomedes, ator e dramaturgo.
18h00 às19h00- Plenária/Encerramento
19h00- Café Poético de encerramento
Realização:
Laboratório de Desenvolvimento Cultural do Fórum Intermunicipal de Cultura (FIC)
Apoio: Instituto Pólis

tags: cultura-e-sociedade



Escrito por nicomedesoliveira às 19h48
[] [envie esta mensagem
]





06/2 - 11:34

Olhinhos ávidos de cidadania

Fabrício, tem um mês de vida. Sua mãe, Sara e seu pai, Paulo, ainda não atingiram os 18 anos. Os três são personagens formam o retrato da realidade brasileira destes tempos de gravidez na adolescência. Moradores de Aparecida de Goiás (GO), são catadores de materiais recicláveis e têm sonhos, muitos sonhos. Estes três cidadãos adentraram na tarde do último dia 25 de outubro, os salões encarpetados do Palácio do Planalto, sede do governo brasileiro, em Brasília.

Eles integravam uma legião de colegas da mesma profissão, os catadores de materiais recicláveis, que participaram da solenidade de assinatura de decreto que institui a coleta seletiva nos órgãos federais, realizada naquela quarta-feira, no Salão Leste do Palácio.

De tão pequenino, Fabrício se destacou entre outros cidadãos de pouquíssima idade, que, como ele, tiveram a oportunidade de participar daquilo quem nem sequer sabiam do que se tratava, mas que arregalavam os pequenos olhos a cada salva de palmas, que se seguia aos discursos proferidos.

A cerimônia também era para o Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva anunciar uma linha de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES), destinada a beneficiar mais de 300 mil catadores de materiais recicláveis existentes no país, e que agora vêem no fim do túnel uma luz social que aponta para a possibilidade de sua profissão vir a ser reconhecida - legal e socialmente.

No ato solene, o ainda não visto por entre as paredes frias do mitológico Palácio presidencial: uma pessoa discursando, enquanto uma criança se divertia no meio do salão com um brinquedo reciclável: uma garrafa plástica (de refrigerante). Os olhares incômodos, claro, eram sempre dirigidos às mães destas crianças brincantes. Principalmente na hora do discurso do Presidente da República.

Antes dele, o morador de rua, Sebastião Nicomedes de Oliveira, foi um dos oradores, daquela solenidade. Representando o Movimento da População em Situação de Rua, Nicomedes não conteve a emoção, ao falar de sua dor de sofrer por ser o que é: um incompreendido morador de rua. Sua fala, vinda do mais profundo de sua alma, emocionou as mais de 400 pessoas presentes, muitas delas que, pela primeira vez em suas vidas, punham o pé no Palácio. Eram senhoras e senhores de meia idade, homens de rostos queimados pelo sol, adolescentes que nem bem se formaram e que já estão na labuta; desta feita, na coleta de materiais recicláveis, país a fora.

Atento a todo o cenário, ao fazer seu discurso, o presidente Lula aguçou a reflexão de todos: “Em que momento da história um catador de papel pôde usar a tribuna num palácio governamental? Em que momento da história um morador de rua pôde utilizar a palavra no Palácio presidencial em qualquer país do mundo? Foi aplaudido e argumentou: “O que nós estamos presenciando aqui hoje, mais que um ato de assinatura de decreto, é um ato de cidadania.”.

A bem da verdade, por um momento, se sentiu que a cidadania não teve idade, classe social, ideologia, orientação sexual, seita ou crença religiosa. Teve, sim, vida, simplesmente. E, cônscio deste momento, Lula encerrou sua fala: “Eu quero dizer para vocês da minha alegria, do meu prazer, da satisfação de poder ter vivido o dia, como Presidente da República, em que neste Palácio adentrou mais uma parcela da sociedade brasileira marginalizada para afirmar, a quem quer que seja, que este País não tem dono e não terá mais dono. O dono dele são os 190 milhões de brasileiros.”. Mais palmas. E Fabrício só arregalou os olhinhos ávidos.

Edneide Arruda



Escrito por nicomedesoliveira às 19h45
[] [envie esta mensagem
]





Nacional

Imprimir


Enviar

04/09/2005
Moradores de rua querem verbas para atividades de apoio

Mulher sem-teto vive nas ruas de Brasília e é vizinha das maiores autoridades do País

Juliana Cézar Nunes
Michèlle Canes
Agência Brasil
Brasília - As diretrizes da Política Nacional de Assistência à População de Rua, que o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) pretende lançar em 2006, foram debatidas nesta semana no 1º Encontro Nacional sobre População de Rua, por representantes do governo, organizações não-governamentais e os próprios moradores de rua.
Ao final do encontro, os participantes elaboraram documento em que apontam a necessidade de criação de mecanismos de financiamento contínuo das atividades de apoio às pessoas que vivem nas ruas.
Poucas cidades no País possuem uma lei específica que garanta os direitos dessa população e os estados arcam com os custos, por se tratar de assistência social considerada complexa.
Mas os recursos repassados são considerados insuficientes para manter os abrigos, pagar as bolsas de auxílio e promover oficinas de capacitação profissional.
“Saímos desse encontro certos de que é necessário propor uma política que não se restrinja à assistência, mas que envolva setores como saúde, educação, segurança e justiça”, avaliou a diretora da Secretaria Nacional de Assistência Social (SNAS), Rita de Cássia Marchiori.
“Queremos adotar uma metodologia que garanta o financiamento continuado das atividades e não permita que os programas funcionem de forma isolada”, acrescentou.
###
Parcerias para combater exclusão social
As organizações não-governamentais indicaram durante o 1º Encontro Nacional sobre População de Rua, a inclusão da assistência à população de rua na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Outra alternativa seria criar mecanismos de parceria entre governo federal, estados e municípios. A busca de recursos na iniciativa privada, para a criação de cooperativas profissionais formadas por moradores de rua, também vem sendo estudada.
As contribuições para a Política Nacional de Assistência a População de Rua têm partido de várias regiões do País. A assistente social da Escola Profissional e Social do Menor de Londrina (PR), Márcia Paiva, sugeriu, por exemplo, que a bolsa-auxílio de R$ 100 paga hoje em seu Estado aos moradores de rua seja complementada com verbas municipais e federais para alcançar o valor do salário mínimo. “Outra boa saída seria incluir essa população no programa Bolsa Família. Para isso, é necessário retirar a exigência do endereço fixo”, recomendou.
O combate ao preconceito, a promoção de um censo específico e a qualificação de servidores públicos para melhorar o atendimento aos moradores de ruas em hospitais também são ações que devem constar na política nacional em elaboração pelo MDS.
Os especialistas esperam ainda que o texto exija mais coerência e integração dos gestores públicos no respeito às diferentes características dos grupos que vivem na rua.
A irmã Maria Cristina Bove, da Pastoral da Rua de Belo Horizonte, lembrou que a marginalização desses grupos ainda é significativa. “Em muitas cidades, o mesmo governo que ajuda, dando sopa, bate e violenta promovendo expulsões dessas pessoas dos espaços públicos, destruindo e confiscando os poucos bens que elas possuem”, contou. a irmã.
Albergues
Muitos moradores de rua buscam nos albergues de suas cidades um lugar para recomeçar a vida, mas muitas vezes o que encontram são locais precários e lotados.
A reconstrução e revisão da estrutura desses albergues é uma das reivindicações feitas durante o encontro. Paulo Ivan Moreira, representante do Fórum da População em Situação de Rua de São Paulo e usuário do serviço de albergues, conta que os espaços estão superlotados e sem estrutura.
“Sempre tem muito usuário, pouco espaço para alimentação, filas. O que o pessoal acha inadequado é ter mais de 100 pessoas, às vezes 250 e até 1.200, em alguns deles”, disse.
###
Revista ajuda na reinserção de sem-teto
Elaborada com a participação de moradores e pessoas em situação de rua e vendida por essa população, a revista Ocas, lançada em julho de 2002, tem se mostrado como um meio de promoção de reinserção social das pessoas em situação de rua.
Nessa publicação, essa população participa da produção de matérias e também sugere temas para serem abordados. Embora a questão da situação de rua esteja sempre presente, a revista trata também de assuntos como cultura e política.
Mas o ponto de destaque da participação dos moradores de rua acontece na venda da revista. Eles são cadastrados e recebem dez exemplares para venda.
Assim, acumulam capital, compram novos exemplares ao preço de R$ 1 e vendem por R$ 3. “A partir desse mecanismo a gente passa a estreitar os laços com essa população e construir relações de confiança para poder dar encaminhamento a outras demandas que cada indivíduo tem”, afirma o vice-presidente da Ocas, Luciano Rocco.
Relacionamento
Luciano Rocco afirma que o trabalho de venda vai além  revista é vendida no Rio de Janeiro e em São
Na rua, sem emprego e com vícios
Sebastião Nicomedes, que hoje participa do programa Moradia Provisória, em São Paulo, já foi usuário de albergue. E revela que quando termina o tempo de permanência nos abrigos – de um a seis meses – faltam opções.
“Ou se volta para a rua ou se procura outro albergue. Quando chega lá, a gente constrói sonhos, compra roupa, sapato, se inscreve em frentes de trabalho e espera conseguir alguma coisa. Se nada disso acontece, perde-se a auto-estima também”, conta. E lembra que as vagas fixas são muito difíceis, os moradores de rua geralmente não chegam a procurar um albergue por terem ouvido que “não adianta”, de quem já passou por um deles.
No programa Moradia Provisória, Nicomedes mora em uma casa que funciona como “república” e paga R$ 25 como colaboração para material de limpeza e gás. “A gente gerencia a casa. É diferente do albergue porque se passa a ter a chave, sem controle de horário, mas com controle da sua vida”.
Nesse sistema, é possível passar até um ano na casa. Se o usuário não conseguir emprego ou outro lugar para ficar, tem que voltar para o albergue.
Segundo Nicomedes, o mais difícil é reconstruir a vida: “Você tem 30, 40 ou 18 anos de história de vida, mas apenas seis meses para refazê-la”. 



Escrito por nicomedesoliveira às 19h43
[] [envie esta mensagem
]





Sábado, 31 de Março de 2007

"Sem-teto escrevendo incomoda", diz ex-morador de rua que lança livro de poesia

Sebastião Nicomedes, que saiu das ruas há cinco meses e acaba de lançar o livro de poemas "Cátia, Simone e outras marvadas", fala sobre sua arte, sua militância em movimentos de moradia e a maneira que é tratado pela imprensa: "Eu apareço como uma exceção, como se só eu fosse capaz de ser ao mesmo tempo sem-teto e talentoso escritor. Se vissem a quantidade de artistas, músicos e poetas que vivem na rua!", afirma. Leia mais



Escrito por nicomedesoliveira às 19h39
[] [envie esta mensagem
]





Aumentar Letra :: Diminuir Letra
Materiais recicláveis da administração pública irão para associações e cooperativas de catadores

language=javascript type=text/javascript> var win=null; function NewWindow(mypage,myname,w,h,scroll,pos){ if(pos=="random"){LeftPosition=(screen.width)?Math.floor(Math.random()*(screen.width-w)):100;TopPosition=(screen.height)?Math.floor(Math.random()*((screen.height-h)-75)):100;} if(pos=="center"){LeftPosition=(screen.width)?(screen.width-w)/2:100;TopPosition=(screen.height)?(screen.height-h)/2:100;} else if((pos!="center" && pos!="random") || pos==null){LeftPosition=0;TopPosition=20} settings='width='+w+',height='+h+',top='+TopPosition+',left='+LeftPosition+',scrollbars='+scroll+',location=no,directories=no,status=yes,menubar=no,toolbar=no,resizable=yes'; win=window.open(mypage,myname,settings);}
Recicláveis

A iniciativa tem o objetivo de promover a inclusão social de catadores de resíduos sólidos, levando-os a uma inserção mais...

» Fundação fortalece coleta seletiva e organização social de catadores de Blumenau (SC)
» Central para comercialização de recicláveis é lançada em Limeira (SP)
» II Encontro de Catadores da Baixada Fluminense
» Juntando os cacos
» O verdadeiro espírito da cooperação

Crédito da foto: Bruno Spada/MDS



Legenda da foto: Catadores de materiais recicláveis durante a assinatura do decreto que institui a coleta seletiva em orgãos federais.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou, quarta-feira (25/10), em Brasília, decreto que institui a separação de resíduos recicláveis em órgãos e entidades da administração pública e sua destinação para associações e cooperativas de catadores. De acordo com dados do Sistema de Patrimônio da União (SPU), os 3,9 mil prédios públicos federais, em todo o País, produzem anualmente 22 mil toneladas de resíduos propícios à reciclagem.

A proposta é conscientizar os funcionários para que em cada repartição pública ocorra uma separação prévia dos vários tipos de papel (jornal, envelopes, revistas). Serão distribuídas mais de 17 mil caixas para armazenar estes resíduos e 100 mil panfletos explicativos sobre a coleta. A mobilização também será feita com apresentações de grupos teatrais e musicais. Os prédios federais estão espalhados em 757 municípios e existem 454 cooperativas e associações de catadores em 292 cidades que têm órgãos do governo. Na cerimônia, também foi assinado decreto que cria grupo de trabalho entre os ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Saúde, Educação, Trabalho e Emprego e Cultura. O objetivo é definir propostas, nos próximos 60 dias, para inclusão social da população de rua. O evento no Palácio do Planalto reuniu dezenas de catadores de materiais recicláveis e moradores de rua. O presidente Lula destacou que a solenidade foi mais um passo no avanço da democracia no Brasil. "O Brasil está sedimentando sua práticas e exemplos democráticos", ressaltou. Ele também utilizou um termo utilizado pelos catadores para condenar a discriminação contra eles. "O preconceito não pode ser reciclado, tem que ser exterminado." O ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, classificou a cerimônia e os decretos assinados como um momento histórico, que contribui para resgatar a dignidade e a cidadania aos moradores em situação de rua e catadores de materiais recicláveis. Ele lembrou ainda que esta ação integra a melhoria das condições sociais às ambientais. "Vejo que hoje temos dois grandes desafios: erradicar a pobreza e assegurar o meio ambiente à geração futuro."

Patrus Ananias afirmou que as políticas sociais estão integrando diversas iniciativas e possibilitando que as famílias se tornem auto-suficientes. "Estamos unindo políticas emergenciais a estruturantes, consolidando uma grande rede de proteção social, com critérios, prestação de contas e controle social", enfatizou.

A assinatura do decreto que institui a coleta seletiva nos órgãos públicos supre duas demandas crescentes da sociedade brasileira: a inclusão social por meio do trabalho e renda e o equilíbrio na exploração do meio ambiente. Para definir essas ações, o governo contou com a participação do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCMR).

Criado em 2001, o Movimento já conta com 35 mil catadores cadastrados e reunidos em 330 grupos de cooperativas. A estimativa total do número de catadores no País varia entre 300 mil e 1 milhão de pessoas. O Brasil está entre os dez países com maior taxa de reciclagem de papel no mundo, com taxa superior a 45% ao ano, o que significa mais de 3,3 milhões de toneladas recuperadas.

Ao discursar na solenidade, o presidente da Associação dos Catadores de Papel, Papelão e Material Reciclável (Asmare), Luiz Henrique da Silva, considerou que essas ações formam "um marco de reconhecimento da nossa categoria e uma conquista de várias organizações" que atuam na área. Sebastião Nicomedes de Oliveira, do Movimento Nacional de Luta em Defesa dos Direitos da População de Rua, foi além e disse que a assistência social hoje não é mais caridade, mas uma política de direitos.

Durante a solenidade em Brasília ainda foi assinada a publicação de edital do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para apoio financeiro a projetos de catadores de materiais recicláveis. Os recursos virão do Fundo Social que o banco forma com parte de seu lucro, por isso não há um valor exato de crédito neste primeiro momento, mas a expectativa é que os projetos que sejam selecionados contribuam para a meta do governo federal de geração de mais de 39 mil postos de trabalho para catadores.

Além do ministro Patrus Ananias, também participaram da solenidade no Palácio do Planalto os ministros Luiz Marinho (Trabalho e Emprego) e Marina Silva (Meio Ambiente) e o presidente do BNDES Demian Fiocca.


Fonte: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Data: 30/10/2006


Escrito por nicomedesoliveira às 19h36
[] [envie esta mensagem
]






II Jornada do CIPS - Centro de Intervenção Psicossocial

Dia 19/05 - Mesa Redonda: Realidade Brasileira
Mediação: Ana Claudia Marigliani (10º semestre)
Debatedores: Nalu Faria (Membro da Coordenação Nacional da Marcha Mundial das Mulheres e SOF - Sempreviva Organização Feminina), Chico Gomes (Professor da rede pública, militante da APEOESP, Representante de Escola do município de São Paulo) e Salvador Sandoval (Professor PUC-SP e Unicamp, Coordenador do Núcleo de Psicologia Política da PUC-SP).
Horário: 19h30
Local: Auditório do Colégio Maria Imaculada "Dr. Piero Roversi" - Av. Nazaré, 711

Dia 20/05 - Mesa Redonda: Participação Social
Mediação: Juliana Peppi (9º semestre)
Debatedores: Mario Felipe de Lima Carvalho (Militante do Movimento Estudantil e Membro do DCE da USP e do Fórum Paulista GLBTT), Patrícia Vilas Boas (Psicóloga e Militante da Luta Antimanicomial) e Sebastião Nicomedes De Oliveira (Participante e Representante do Fórum da População de Rua)
Horário: 09h
Local: Sala 05 - Unidade João XXIII

Mesa Redonda: Compromisso Social
Mediação: Tatiana Otoboni (9º semeste)
Debatedores: Claudia Aparecida Jorge (Psicóloga e Coordenadora de Projetos da Fundação Brasil Campeão), Marilene Proença Rebello de Souza (Coordenadora da Comissão Regional de Direitos Humanos e Conselheira do CRP-SP) e Beatriz Costa Bernardes (Diretora de Extensão da Universidade São Marcos)
Horário: 19h30
Local: Auditório do Colégio Maria Imaculada "Dr. Piero Roversi"

 



Escrito por nicomedesoliveira às 19h35
[] [envie esta mensagem
]





Moradores de rua encenam a Paixão de Cristo no centro da capital

SPTV

SÃO PAULO - Cerca de 100 moradores de rua fizeram uma procissão e encenaram a Paixão de Cristo no centro de São Paulo, nesta sexta-feira. Eles saíram por volta das 10h fazendo orações e cantando, na esperança de melhores condições de vida. Percorreram o trajeto da Praça do Patriarca até a Sé, e fizeram a leitura de trechos bíblicos, inclusive em frente ao Palácio da Justiça.

Os participantes lembraram sete moradores de rua assassinados na capital há quase três anos. Na Via Sacra, a cruz não foi levada no ombro de apenas uma pessoa, mas de várias, em uma demonstração de que o sofrimento de hoje é coletivo, e só a união pode diminuir esse peso. A procissão terminou ao meio dia.

Na concentração, na Praça do Patriarca, o canto dos atores anunciou a angústia e a tristeza de quem enfrenta a solidão das ruas e calçadas. E quando a força parece ter acabado, surge a esperança e o amor ao próximo. Foi assim que Sebastião Nicomedes de Oliveira saiu das ruas, depois de quatro anos. Hoje ele só representa o que um dia foi realidade.

- Está ficando tão banal, né? As pessoas pulam pelas pessoas dormindo na rua, e nem notam que tem um ser humano ali - diz o pintor e escritor.

Comunidades católicas também participaram do evento.

- A Páscoa de Jesus também está no coração desse povo. É acreditar no pequeno, no fraco, no excluído - diz o padre Júlio Lancelotti, da Pastoral do Povo de Rua.

Às 15h, um ato litúrgico da Paixão de Cristo será realizado na Catedral da Sé por Dom João Mamede Filho. Depois, a procissão do senhor morto percorrerá ruas da região central. À noite, um outro cenário para o drama da paixão está sendo montado no autódromo de Interlagos, na zona sul da capital. No ano passado, 50 mil pessoas assistiriam à encenação, e a expectativa é de superar essa marca em 2007.



Escrito por nicomedesoliveira às 19h32
[] [envie esta mensagem
]






Quinta-feira, Abril 05, 2007

ENTREVISTA COM O GRUPO "HERANÇA NEGRA"
Por Alessandro Buzo.
Fotos: Alessandro Buzo.




Buzo: Desde quando existe o grupo HERANÇA NEGRA ?
Marcel: É o seguinte, a história do Herança Negra começou assim, teve um Projeto dos Racionais Mc´s com a PMSP (Prefeitura do Município de São Paulo), na gestão da Prefeita Luiza Erundina chamado ¿Repensando a educação¿, na ocasião a Sueli Chan era coordenadora do Projeto, a escola aqui do Kemel II, conhecida com CORDEIRO foi umas das escolas escolhidas, eu, o Léo e o DJ ALX estudávamos lá, o Léo cantava com outro pessoal, eu e o ALX éramos sós.
Como o tempo era curto para palestras, debates e shows, inclusive do próprio Racionais, a Sueli Shan sugeriu que cantássemos juntos, então em uma reunião com a coordenação da escola, a Sueli Shan... e os Racionais, na pessoa do Brown e Edy Rock sugeriu a união e foi o que aconteceu. A data precisa foi 21 de Outubro de 1991.

Buzo: De onde vcs são ?
AC: Somos dos 4 cantos da Cidade Kemel (no Itaim Paulista), onde eu moro pertence ao município de Poá, onde o Léo mora pertence a Ferraz de Vasconcelos, onde o Marcel mora pertence a Itaquaquecetuba e onde o ALX mora é Itaim Pta (São Paulo), no mesmo lugar representamos 4 cidades diferentes.

Buzo: Qual a formação atual e desde quando estão juntos ?
Léo: A formação atual é a original desde 1991, que é MARCEL, AC, LÉO e DJ ALX.

Buzo: Como se manter tantos anos juntos com a mesma formação ?
Marcel: Em primeiro lugar a questão do trabalho, pelo amor que temos ao RAP, é o senso incomum entre os quatro.
A segunda questão é que viramos irmãos, o rap trouxe essa irmandade, freqüentamos a casa de todos, temos essa liberdade com os filhos e a família em geral.

Buzo: Falem do CD demo de vcs e perspectivas de lançar esse ano ?
Léo - É o nosso melhor projeto, o mais consistente e maduro.
E estamos procurando uma gravadora para poder lançar nosso trampo, que vem com 14 faixas, produção nossa, participações de Rinea BV, Laurren (Visão de Rua), o ator e apresentador Edson Montenegro, também da Gisele Caetano que é uma garota de 15 anos que está despontando na musica black, Regina Mascarenhas que vem do Rock, MPB, e o Léo que é do Grupo Sociedade dos Poetas Loucos. O CD é bem eclético, um rap família.

Buzo: Porque no demo vcs colocaram o álbum cheio ?
AC: Pelo seguinte, ele tem uma linha, uma música querendo ou não completa a outra, não que tenha uma continuação, mas ouvindo do inicio ao fim você vai entender o que o grupo pensa.
Uma coisa bacana é o seguinte, nós também temos nossos gostos, uns gostam de musica mais leve, outros mais gangstar, como nosso CD é eclético tem musicas para todos os gostos.

Buzo: Falem das duas coletâneas que participaram e com que musicas foi ?
Léo: A primeira foi um convite do DJ HUM, que estava com o projeto chamado RIMA FORTE, que foi distrinbuido pela TRAMA, produção dele e fizemos a faixa 11 chamada ¿cabeça feita¿, com part. Do Silveira. A segunda foi a Trilha Sonora do Programa Turma do Gueto da Rede Record, fizemos de novo a faixa 11 com a musica ¿ Periferia¿.

Buzo: Qual a visão de vcs referente projetos sociais ?
Marcel: Em primeiro lugar todos devem plantar uma árvore, que vai dar frutos, então eu estou plantando a minha que através de doações de livros, montar uma Biblioteca Comunitária na Favela do Jardim Mirai, conhecida como FAVELA TUBULAÇÃO. A Biblioteca vai chamar ¿Um Bom Lugar¿.

AC: Eu estou fazendo o espetáculo ¿Diário dum carroceiro¿, que é o 1º texto escrito e encenado no circuito teatral profissional e foi escrito por um ex-morador de rua chamado Sebastião Nicomedes, a prod. da peça é feita pela ONG CAAC e estava em cartaz no teatro Fabricas em SP até 17/02/2006 e no dia 23/12 foi feita apresentação para o Presidente LULA na Rede CATA-SAMPA, que é uma cooperativa formada por catadores onde eles conquistaram maquinários, onde eles coletam e prensam os matérias recicláveis, deve acontecer lá oficinas de teatro e hip hop, onde o Marcel deve se envolver, o pres. Dessa ONG é o Roberto Goufinho que já foi rapper e é responsável também pela ONG CRUMA.

Buzo: AC, você faz teatro, nos fale da suas experiências anteriores como ator ?
AC: Eu comecei fazendo teatro com 19 anos, hoje tenho 29. Fiz parte de um grupo teatral chamado ¿LUX ET MOVIMENTUM¿, fiz parte desse grupo por 5 anos, ele era do SESI e patrocinado pelo SESI e com eles viajei pelo interior de SP apresentando diversos espetáculos, no final de 2002 fui chamado para um teste, para fazer parte do elenco do Programa TURMA DO GUETO na Rede Record de Televisão, onde fui selecionado e fiz o PERNOCA.
Eu me identifiquei com o personagem porque apesar de ser um criminoso ele tinha o sonho de sair do crime e se tornar um grande rapper. Depois fiz um curta metragem para TV japonesa chamado ¿Republica Dominicana¿, fiz o Programa infantil na REDE TV ! ¿VILA MALUCA¿ onde eu fazia o papel de um rapper maluco que tinha um programa de rádio, entre outras coisas.
Detalhe, no teatro e na TV não me conhecem por AC e sim ANTONIO CARLOS DE NIGGRO.

Buzo: Como foi para vocês do grupo o sucesso do AC na TV como ator ?
Marcel: Pra mim foi orgulho, comemorei com ele, liguei na mesma hora e também tivemos participações porque cantamos num capitulo e participamos da trilha sonora.
Léo: Pra mim foi muito bom, é um amigo que batalhou, continua batalhando e conquistando seus objetivos, independente de ser ou não do grupo.
AC fala: Eu vejo a arte como um conjunto, por exemplo, o teatro precisa da musica, da dança e falando em musica, automaticamente lembro e tento envolver meu grupo.

CONSIDERAÇÕES FINAIS ?
AC: Eu espero que as portas se abram mais para gente, afinal de contas estamos numa longa caminhada, maturidade não falta e todos sonhamos lançar esse CD que foi um sonho que começou na adolescência e persiste até hoje. Estamos abertos a parcerias que nos ajude a lançar.
Léo: Primeiramente agradeço a você pelo espaço cedido e dizer ao pessoal para sempre lutar, não fique só no sonho, nem esperando pelo governo, lutar pelos seus direitos.
Marcel: Agradeço a você e ao site Enraizados, a todos membros da nossa família, pais, esposas, filhos, ao nosso DJ que toda produção foi dele e todos parceiros que acreditam no trabalho, se for citar nomes são muitos e aos inimigos que graças a eles permanecemos de pé.

CONTATO PARA SHOWS
(11) 4732-1853
(11) 7216-7211 com Marcel.


 

Escrito por nicomedesoliveira às 19h29
[] [envie esta mensagem
]





governo lula

Encontro com Lula dá pontapé inicial para o projeto dos catadores



Presidente e Movimento Nacional dos Catadores começam a definir diretrizes para o início do projeto, que vai gerar 40 mil postos de trabalho e beneficiar mais de 170 mil pessoas.

Na quarta-feira (22/3), às 16h30, o Movimento Nacional dos Catadores (MNCR) esteve no Palácio do Planalto em um encontro com o Presidente Lula. Participaram também da reunião o Ministro das Cidades, Márcio Fortes, o Ministro da Justiça, Marcio Thomaz Bastos, o Ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, o Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, o Ministro Luiz Dulci, chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República e o presidente da Fundação Banco do Brasil, Jacques Pena.

Entre os assuntos discutidos, destaque para o crédito solidário para habitação, o Bolsa Família, a federalização dos crimes contra a população de rua, a intervenção do Ministério da Justiça nesses crimes hediondos, a continuidade da parceria com o MDS para a capacitação de lideranças e o grande projeto dos catadores: a geração de 40 mil postos de trabalho e o benefício direto para mais de 170 mil pessoas.

Em quase duas horas de conversa, pesou o embasamento e o estudo de viabilidade dos projetos dos catadores. Para o crédito solidário para a habitação, será formada uma comissão de trabalho entre Ministério das Cidades e o Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis. Será discutido um novo tipo de projeto, já que o crédito solidário é considerado burocrático e muitas vezes inviabiliza o processo para a compra da casa própria.

O Ministério da Justiça irá estudar a possibilidade de federalizar os crimes contra a população de rua. O Ministro Márcio Thomaz Bastos também tentará intervir nas investigações da morte da catadora Ceilma Souza Santos, assassinada brutalmente no dia 14 de fevereiro, no lixão da Estrutural, na cidade de Brasília. Os suspeitos do crime são atravessadores da região, que supostamente mantém ligações com a empresa responsável pela compra do material reciclável retirado do lixão.

Lula garantiu também a continuidade da parceria entre o MNCR e o MDS, no valor de R$ 3 milhões, que servirá para capacitar lideranças de catadores – no primeiro convênio, 1.350 catadores foram capacitados em todo o Brasil.

Em relação ao grande projeto de geração de postos de trabalho e renda para milhares de catadores, o Presidente indicou o Ministério do Trabalho e Emprego como o interlocutor principal no processo. Com a indicação do Movimento dos Catadores, a Fundação Banco do Brasil deverá ser parceira no projeto.

Nesta quinta-feira, dia 23, a partir das 9h, já começam as reuniões para a discussão dos montantes e as unidades de financiamento do projeto no Ministério do Trabalho e Emprego. O encontro será entre o Ministro Luiz Marinho e a equipe de articulação do Movimento Nacional de Catadores.

Participantes da Encontro com o Presidente por parte do Movimento Nacional dos Catadores e População de Rua


16 pessoas participaram do Encontro, dentre eles: Roberto Laureano Rocha – Liderança do Movimento dos Catadores em São Paulo; Luis Henrique da Silva - Liderança do Movimento dos Catadores em Minas Gerais; Severino Júnior – Representante do Movimento dos Catadores no Rio Grande do Norte; Sebastião Nicomedes de Oliveira – representante do Movimento Nacional da População de Rua e Antonio Bunchaft – economista e assessor técnico do Movimento dos Catadores.

Fonte: LZ Comunicação



Escrito por nicomedesoliveira às 19h28
[] [envie esta mensagem
]






Reportagem de Veja provoca manifestações virtuais, de rua, de ONGs e dos movimentos sociais

por CRISTINA CHARÃO

Nesta quinta-feira, a escadaria da Catedral da Sé foi o palco da primeira manifestação de rua em que o boicote à revista Veja foi pregado. O ato, convocado inicialmente para lembrar o 17º mês sem solução para o caso do massacre de nove moradores de rua na capital paulista, transformou-se em uma sucessão de menções à ação parcial da revista.

Pela Internet, circulam dezenas de “mensagens de repúdio” à publicação de um texto sobre os projetos de recuperação do centro da cidade de São Paulo, cujo box insultava o Padre Júlio Lancelotti, da Pastoral de Rua, e um dos mais reconhecidos lutadores pela causa de crianças e moradores de rua.

Os protestos incluem uma campanha organizada pelo Instituto Polis e outras organizações ligadas à Associação Brasileira de ONGs (Abong) – para incentivar a manifestação dos leitores contra a revista. ( Veja a íntegra do texto do instituto )

Não é a primeira vez que Veja é alvo de campanhas semelhantes. Em 2003, o MST, a CUT, a UNE e a Rede Social Justiça e Direito Humanos chegaram a lançar o mote “Veja que mentira!” para tentar diminuir o número de assinantes da revista. À época, a avaliação foi de que a revista é um símbolo da manipulação da imagem dos movimentos sociais pela mídia.

A matéria que desencadeou a nova onda de protestos – “A solução é derrubar” (8/1/2006) – defende claramente o projeto de “revitalização do centro de São Paulo” posto em prática pela atual gestão do prefeito José Serra. Ações como a construção de rampas sob viadutos, para evitar que sejam usadas por moradores de rua, e a demolição de 850 imóveis na região conhecida como Cracolândia, vários deles ocupados por sem-tetos, vem sendo veementemente questionadas pelos movimentos sociais e organizações de direitos humanos.

O próprio Ministério Público de São Paulo formalizou, em dezembro, um pedido de esclarecimentos sobre a construção das rampas.

O conteúdo do manifesto reforça a avaliação dos movimentos da campanha “Veja que mentira” que protestam contra as desqualificações feitas ao padre Júlio Lancelotti.

Segundo a revista, por motivos políticos, “o padre quer transformar uma situação precária – a dos sem-teto e que tais – em permanente (sic)”.

Para padre Júlio, a matéria “é uma reação orquestrada, organizada, encomendada por aqueles que estão fazendo esta operação de limpeza e higienismo e que, para reagir contra aqueles que tem feito esta denúncia, desqualifica o interlocutor”. “Esta estratégia é usada sempre: desqualificar o interlocutor para dizer que o que aquela pessoa está falando não é bom. É a estratégia que Prefeitura está usando. É a estratégia da direita, do autoritarismo”, afirmou o sacerdote à reportagem da Agência Repórter Social.

A assessoria do subprefeito da Sé, Andréa Matarazzo, responsável pelos projetos da prefeitura no centro e também única fonte a ser citada com aspas na matéria da revista Veja, foi procurada pela reportagem. Matarazzo não respondeu se gostaria de comentar as afirmações do líder da pastoral.

Outro fato, no entanto, dá força à idéia de “reação orquestrada” defendida por padre Júlio. Uma semana antes da publicação da matéria da revista, o jornal O Estado de S. Paulo publicou editorial de conteúdo semelhante. Sob o título “Parasistas da mendicância”, o jornal usa do mesmo argumento da revista – afirmando que, sendo o problema dos moradores de rua o argumento para obter dinheiro público e privado, as ONG’s que se opõem ao projeto “por conveniência própria, pretender perpetuar” o problema social. O jornal também foi lembrado algumas vezes durante o ato na Praça da Sé.

Veja é fascistóide, diz Benevides

Na Sé, a socióloga Maria Vitória Benevides foi uma das personalidades a bater mais forte na revista. “O caso da Veja é mais do que anti-democrático. É fascistóide mesmo”, disse Benevides. “É uma posição de quem confunde pobreza e miséria e quem está do lado dele com subversão. Isso é absolutamente insuportável agora, em pleno século XXI.”

As manifestações dos moradores de rua que participaram do ato também mostram o tamanho da repulsa criada pela matéria. “Diz lá que o padre explora a gente. Ele não explora, nos apóia”, repetiu várias vezes Leia Oliveira, catadora da Coopere-Central Sé. Aldo Bispo dos Santos, agente de saúde da rua (projeto do Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto, apoiado pela Pastoral de Rua), tocou na questão real da matéria, a disputa pelos rumos do centro de São Paulo. “Não somos contra o progresso e a urbanização da cidade, mas isso não pode acontecer simplesmente sem ver as pessoas da rua”, discursou. “Somos contra a segregação social.”

Ex-morador de rua, o catador Sebastião Nicomedes de Oliveira, atacou primeiro as políticas do governo municipal. “Colocar rampa, muro, soltar polícia pra tomar os pertences dos moradores de rua, tomar os espaços para construir prédio de luxo... não se acaba com a miséria matando a miséria. Se acaba com a miséria gerando emprego, gerando renda”, afirmou Oliveira, que é membro do Conselho Municipal de Assistência Social, representando os usuários de albergues. Já sobre a imprensa, Oliveira preferiu falar em “violência moral”. “Querem acabar com a violência? Acabem com a violência moral”, disse, emocionado. “Quem publica matérias como essas, colocando a sociedade contra nós, nos humilhando, está gerando violência.”

Depois de discursar, Oliveira desceu as escadas da Sé e voltou para o lado do seu carrinho, onde carrega o papel que coleta nas ruas. Dentro do carrinho, um cartaz feito com recortes das páginas da matéria publicada pela revista invertia o sentido do título. Lia-se: “Derrubar Veja é a solução”. “Pra mim, a solução é derrubar estes discursos”, explicou o catador.

 



Escrito por nicomedesoliveira às 19h26
[] [envie esta mensagem
]






SOB(RE) VIGILÂNCIA

Segurança tem sido a preocupação maior em São Paulo. Os governos estão de olho nos dólares

dos turistas e o melhor meio de garantir a entrada nos cofres da cidade, é vigiando tudo.
Vigiar como? Se a polícia não é onipresente, onisciente e o governo omisso?
Usando da tecnologia, filmar tudo porque não?
Com ajuda das câmeras se prende os trombadinhas, esses batedores de carteira!


  Previne sequestros, intimida os delinquentes.
  Previne invasões, os bendito sem teto terão os cabeças identificados.
  Previne vadiagem, desocupados terão de circular.
  Previne infrações de trânsito contra os carroceiros, carroças são é um perigo.


Nova Iorque, Madri, Londres, as grandes cidades do primeiro mundo são filmadas o tempo todo,

garantindo segurança e tranquilidade. Com a implantação do "Tolerância Zero" (próximo molde

a ser copiado) torna a convivência uma maravilha, graças às câmeras inocentes não morrem

confundidos com terroristas, aliás esses fazem questão de imagens, inclusive reivindicam atentados.
 

Daí a vantagem das câmeras vigiando tudo 24 horas, os moradores de rua poderão dormir em paz.
Isso permitiria melhor fiscalização sobre os ambulantes, diminuindo a pirataria de cds, dvds, côcos,

abacaxis e melancia em fatias, bem como detectarão a fumaça dos carrinhos de churrascos e

frituras de pastéis etc e tal.


  As pessoas de bem como diz o rabino, precisam de proteção e paz.

As imagens também podem ser de extrema importância para a construção de políticas públicas,

uma vez que será visível o número de desabrigados, desempregados, quantas crianças abandonadas.

Coisas que não se enxergam a olho nu. O governo não vê, a sociedade não enxerga, os políticos de

modo geral não percebem que essas pessoas estão precisando urgente de cidadania, até mesmo a

igreja não se deu conta ainda de tamanha desigualdade.


Com as câmeras filmando tudo, a ONU, a União Européia, o BID, poderão acompanhar de perto

o emprego das verbas concedidas a nós o povo, principalmente as construções populares de

habitação previstas na reforma do centro. Imagens tornarão transparente a revitalização da nossa

querida São Paulo.


O importante mesmo é saber que a GCM está por trás de tudo, monitorando com extrema

responsabilidade e competência.


AS IMAGENS NÃO MENTEM JAMAIS.

 

 

 

por Sebastião Nicomedes



Escrito por integração sem posse às 17h29



Escrito por nicomedesoliveira às 19h18
[] [envie esta mensagem
]





Direitos Humanos| 20/12/2006 | Copyleft

MORADORES DE RUA

Manifestação cobra punição de responsáveis pelo massacre de 2004

Dois meses e quatro anos depois do assassinato de vários moradores de rua em São Paulo, entidades protestam contra a decisão do Tribunal de Justiça, que só aceitou a denúncia do Ministério Público contra dois dos 13 policiais e seguranças acusados pelas mortes.

SÃO PAULO – No dia 19 de agosto de 2004, a cidade de São Paulo foi surpreendida por um dos massacres mais brutais de sua história. Moradores de rua tinham sido vítimas de assassinatos cometidos de forma muito parecida, em locais próximos do centro da capital. Os crimes nunca foram totalmente esclarecidos, mas investigações da polícia e do Ministério Público Estadual permitiram que o MP oferecesse denúncia contra 13 policiais militares e seguranças suspeitos da morte de sete moradores de rua. No final do ano passado, o juiz Richard Chequini, do 1º Tribunal de Júri de São Paulo, rejeitou as denúncias, alegando que não havia informações suficientes para abrir um processo contra os acusados. Os promotores recorreram e, no último dia 7 de dezembro, o Tribunal de Justiça (TJ), órgão de segunda instância, acatou o recurso somente em relação à acusação contra o PM Renato Alves Artilheiro e o vigia Francisco Luiz dos Santos, suspeitos da morte de Maria Baixinha. Seu assassinato foi testemunhado por duas pessoas. Uma delas está presa e sob proteção; a outra também foi assassinada por dois policiais militares que serão julgados no início de 2007.

Indignados com a decisão do TJ, cerca de cem moradores de rua, organizados em torno da Pastoral de Rua, do Fórum e do Movimento do Povo da Rua, realizaram, nesta terça-feira (19), uma manifestação nas escadarias da Catedral da Sé. “Estamos espantados com o fato de os juízes terem reformado a denúncia e, dos 7 assassinatos, terem reconhecido a autoria só de um. É uma sentença sórdida”, afirmou Padre Júlio Lancellotti, da Pastoral do Povo da Rua. “E os outros seis? E a conexão entre os casos? O caso do massacre é emblemático; não podemos deixá-lo cair no esquecimento. Essa impunidade gera violência, é uma vergonha na história de São Paulo”, acredita Lancellotti.

Na opinião do ex-morador de rua Sebastião Nicomedes de Oliveira, um dos representantes do movimento, houve descaso da Secretaria de Segurança Pública do governo de São Paulo para investigar os crimes. “Na época, o Saulo [de Castro Abreu, secretário de Segurança Pública] disse que era um caso simples, com envolvimento de drogas. Disse que em 30 dias eles já teriam uma resposta. Se tivesse havido uma seriedade maior, talvez isso não estivesse acontecendo agora”, disse Oliveira, que hoje trabalha como servente em uma obra. “Nossa expectativa é que este caso seja solucionado para que sirva de exemplo para o país. As violações de direitos humanos contra os moradores de rua estão acontecendo no Brasil inteiro”, alertou.

Oliveira se refere a uma série de denúncias que vêm sendo feitas pela imprensa nos últimos meses, através de notícias que relatam agressões contra sem-tetos. Durante audiência com o Procurador Geral de Justiça de São Paulo, Rodrigo Pinho, realizada após a manifestação na Sé, os moradores lembraram dos casos de Paranaguá, no Paraná (em que moradores de rua eram abandonados à noite em outras cidades ou em entradas fora do município), dos três moradores queimados recentemente por jovens no Rio de Janeiro e outro queimado esta semana no Mato Grosso, do caso de um sem-teto que levou um tiro de uma mulher posteriormente condecorada pela Câmara de Vereadores da capital fluminense, e, por fim, da suspeita de que o município de Aparecida do Norte, no interior de São Paulo, esteja “limpando” a cidade ao retirar moradores de rua, no bojo dos preparativos para a visita do papa ao Brasil em maio do ano que vem.

Em São Paulo, os moradores de rua acusam a prefeitura e a Guarda Civil Metropolitana de retirarem suas cobertas, deterem seus documentos, jogarem água para expulsá-los debaixo dos viadutos enquanto dormem e, no caso dos catadores, de apreenderem suas carroças. Nesta sexta-feira (22), às 10 horas, eles realizam um novo protesto na Praça João Mendes, que terminará em frente à prefeitura do município.

“O que existe é uma política de violência constante. O massacre do povo da rua continua e a Prefeitura de São Paulo é higienista, está jogando povo no lixo. A impunidade estimula isso. O que mais desejamos é cidadania para o povo de rua”, completa o Padre Júlio Lancellotti.

O grupo especial de inclusão social do Ministério Público de São Paulo deve instaurar um inquérito civil para apurar os procedimentos adotados nas atividades fiscalizatórias da Guarda Civil Metropolitana, e já agendou uma reunião com os moradores de rua para o início de janeiro. Em relação ao caso do massacre, o procurador geral assumiu o compromisso de analisar a decisão do TJ para verificar se cabe recursos ao Superior Tribunal de Justiça.

“Estamos preocupados com a melhor forma de realizar o julgamento e levar à punição dos culpados. Vamos fazer o possível para que o caso seja levado à Brasília com êxito, para que satisfaça o senso de justiça”, disse Rodrigo Pinho.



Escrito por nicomedesoliveira às 19h17
[] [envie esta mensagem
]





Mais são paulo
03/08/2005
Menina da sanfona inspira ex-morador de rua a criar slogan de campanha

Sentada no meio-fio do Viaduto Santa Ifigênia, uma menina de uns 6 anos tocava sanfona e, assim que conseguia arrecadar alguns trocados, entregava o dinheiro para um adulto, sentado bem mais atrás. Ela voltava ao meio-fio e continuava tocando e entregando o arrecadado ao adulto.

Foi dessa cena que Sebastião Nicomedes de Oliveira, ex-morador de rua, tirou inspiração para criar o slogan “Dê mais que esmola. Dê futuro” para a campanha de erradicação do trabalho infantil nas ruas da capital. Sugestão prontamente aceita pelo secretário Floriano Pesaro, da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), em detrimento ao slogan anterior “Escola sim, esmola não”.

“Quando vi a cena, pensei o que seria daquela menininha na minha idade. Se ela continuasse à base de esmolas e sendo explorada por um adulto, chegaria na minha idade ainda na rua. Não seria nada”, contou Sebastião, de 37 anos, um dos líderes do Movimento de Luta da População de Rua.

A campanha, que será deflagrada no segundo semestre, objetiva combater o trabalho de crianças e adolescentes nas ruas da capital e sensibilizar a população para trocar esmolas por doações ao Fundo Municipal da Criança e do Adolescente (Fumcad) ou a entidades não-governamentais que trabalham com esse público em São Paulo e na região metropolitana.

Campanha “Dê mais que esmola. Dê futuro” para erradicar o trabalho infantil

Slogans de campanhas semelhantes em outras regiões do Brasil

AS informações são da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social.

  ___________________________________________________________________________
















 

 



Escrito por nicomedesoliveira às 19h15
[] [envie esta mensagem
]





Fazer o bem é bom

Eles descobriram seu próprio jeito de construir um novo Brasil, mais solidário e menos desigual. Por isso, são mais felizes. E você?

 

  Cada brasileiro que sente a necessidade de romper com uma vida que olha apenas para o próprio umbigo está em busca de uma nova identidade para si mesmo, mas também para o país. Os clichês, indicativos da má qualidade de um texto, têm virtudes para a compreensão de um povo. Se os britânicos são pontuais e os alemães rigorosos, os brasileiros são - ainda - aqueles que gostam de levar vantagem em tudo, que têm sempre um jeitinho a dar para sair ganhando.

O cenário político e muitos dos personagens que disputam o voto dos eleitores neste 1o de outubro atestam a

O que está em jogo, ao romper-se com um modo de vida que não contempla a dor do outro, é o projeto de um novo país, a construção de uma identidade que nos orgulhe, que nos inspire, que funcione como nossa causa. O canadense David Bornstein, autor de O Preço de um Sonho e Como Mudar o Mundo, diz que empreendedores sociais são “gente com novas idéias para enfrentar velhos problemas”. “Todos têm o poder de criar uma solução”, afirma. “É possível ter milhões de pessoas solucionando problemas. E, ao usar seus talentos para contribuir com a sociedade, elas serão mais felizes.” Ele afirma que os grandes investidores devem apostar seu dinheiro onde essas pessoas atuam porque são elas que moldarão a face do Ocidente nos próximos 20 anos. “Pesquisas mostram que investimentos de sucesso são aqueles em que a pessoa sente que ajudou outras e ganhou novos relacionamentos”, diz Bornstein. “Mesmo que seja por razões meramente racionais, investir em projetos sociais é melhor que trocar o carro ou redecorar a casa.”

Lara Dee foi chacrete e mulata do Sargentelli, mas hoje ensina mulheres pobres a encontrar a beleza dentro e fora de si mesmas e as transforma em profissionais prontas para estrear num emprego ou abrir o próprio negócio. Flávio Canto, campeão mundial de judô, poderia ser mais um desses pit bulls movidos a uísque com energizante. Mas preferiu doar seu tempo para arrancar adolescentes do tráfico. Começou na Favela da Rocinha, hoje são 700 meninos e meninas espalhados em quatro centros no Rio de Janeiro.

Geronino Barbosa de Souza, “o” Gerô ou “a” Gerô, para ele ou ela tanto faz, é uma drag queen que escapou de tiros disparados por bandidos homofóbicos, derrotou o preconceito e tornou-se um(a) líder de Heliópolis, a maior favela de São Paulo. Bianca Carvalho, menina pobre da Baixada Fluminense, tinha apenas 16 anos quando decidiu que podia levar teatro a crianças sem lazer e ensiná-las a exigir mais do futuro. Hoje, sua ONG alfabetiza até velhinhas septuagenárias. E, se você acha que não tem nada a dar, mire-se no exemplo de Sebastião Nicomedes, um sem-teto que inventou um teatro de bonecos feitos de lixo para despertar nos moradores de rua o desejo de se agarrar ao fio da vida.

Eles formam apenas o primeiro time do bem apresentado por ÉPOCA. Mas o Projeto Generosidade só terá valido a pena se um dia você conquistar um lugar nestas páginas. Do seu jeito, com a diferença que só você pode fazer.

Participe do Projeto Generosidade
Entre no site www.editoraglobo.com.br/generosidade e conte sua história do bem. Você pode relatar sua própria ação transformadora ou a experiência de alguém - ou de um grupo - que pratique atos generosos.

1 - Gilmar Russa
2 - Cristina da Costa
3 - Gerô Barbosa
4 - Lara Dee
5 - Sebastião Nicomedes
6 - Xuxa Meneghel
7 - Bianca Carvalho
8 - Flávio Canto
9 - Valdir Cimino
10 - Maria Alice Setúbal

LEIA MAIS

 



Escrito por nicomedesoliveira às 19h05
[] [envie esta mensagem
]





Lançamento Livro do Tião - Casa das Rosas, 24/03 - 20hs

Casa das Rosas e Projeto Dulcinéia Catadora

Convidam para o lançamento de

clique na imagem para ampliá-la
Cátia, Simone e Outras Marvadas
reúne poemas que versam sobre situações vividas pelo autor, como a vinda para São Paulo, a condição de albergado, a fome , a dura situação da população de rua, seu inconformismo com a injustiça social , suas fantasias e sonhos.

Sebastião Nicomedes
Integrante do Movimento Nacional da População de Rua, assina a coluna Direto da Rua, publicada no jornal O Trecheiro; é autor da peça Diário dum Carroceiro.

Projeto Dulcinéia Catadora
Livros de contos e poesias com capas feitas de papelão comprado de catadores. Capas pintadas à mão por filhos de catadores. Uma idéia simples, na contramão do mercado editorial, mostra que é possível divulgar autores novos com a venda de livros a R$ 5,00. Projeto artístico auto-sustentável que reúne artistas , escritores, catadores


Escrito por nicomedesoliveira às 18h50
[] [envie esta mensagem
]





PIME-Net

 

BRASIL: 20/03/2006
Moradores de rua
Moradores de rua falam de seus problemas

 entrevistas feitas com dois membros do Movimento de Defesa da População da Rua: Antônio Carlos de Araújo e Sebastião Nicomedes de Oliveira. Eles nos receberam Moradores de rua falam de seus problemas

entrevistas feitas com dois membros do Movimento de Defesa da População da Rua: Antônio Carlos de Araújo e Sebastião Nicomedes de Oliveira. Eles nos receberam no Centro comunitário “S. Martinho de Lima”, embaixo do viaduto Guadalajara.

Entrevista com Antônio Carlos de Araújo

. Revista “MUNDO e MISSÃO” - O que é povo de rua?

AntCarlos - Somos um povo que procura uma vivência, uma realidade. Eu já fui catador de papel, entre nós há os que têm problemas de droga, problemas de álcool, os que se encontram desempregados. Há vários tipos de pessoas entre nós: os intelectuais, como o Sr. Sebastião que está aqui comigo e que está lançando um trabalho teatral (“O diabo e o carneiro”), um livro (“O pardal”, que seria o povo de rua), há pessoas que estão atrás de um objetivo na vida, há pessoas que têm problemas mentais.


Sebastião Nicomedes de Oliveira e Antônio Carlos de Araujo, coordenadores do movimento de defesa da população da rua

Artezanato no centro Comunitário “S. Martinho de Lima”

 

Entrevista com Sebastião Nicomedes de Oliveira.

Revista “MUNDO e MISSÃO” - O que funciona neste centro?


Artezanato no centro Comunitário “S. Martinho de Lima”

Sebast. - É um centro de convivência. Pessoas que moram na rua ou nos cortiços o utilizam para almoço, para tomar um banho, para lavar suas roupas. Independentemente do fato de dormirem na rua ou no albergue, as pessoas podem almoçar aqui. O centro não é albergue, não é lugar para dormir a noite. Supre também a necessidade que tem a cidade de S. Paulo de um banheiro público e gratuito. É constrangedor para as pessoas que moram na rua ter que utilizar a própria calçada porque não existem banheiros.

 

Revista “MUNDO e MISSÃO” - O que é que o povo da rua mais gostaria de ter?

Sebast. - Um trabalho, mas não consegue. Um trabalho facilitaria a pessoa para sair da rede de albergue e da rua.O morador de rua sai da rua para dormir no albergue mas continua morador de rua. O albergue não é a casa dele. É um favor. Ele vai ficar ali por um tempo de 3 a 6 meses, podendo ser ampliado, mas a situação é inconstante o tempo todo. Estes 6 meses são concedidos poeticamente pensando que neste tempo ele poderia achar um trabalho. Mas a estrutura para fazer com que isso aconteça não existe.

Revista “MUNDO e MISSÃO” - Qual a dificuldade maior para achar um trabalho?

Sebast. - Documentos. No albergue não tem ajuda para conseguir documentos, para pô-los em ordem, para tirar fotografias, nem encaminhamento para um lugar onde os documentos possam ser


Refeitório do centro comunitário

conseguidos. O morador de rua tem que descobrir tudo sozinho. Achar um trabalho é difícil. Se você der o endereço do albergue, será discriminado.Não querem saber de pessoas de albergue, albergue para a sociedade é lugar de bandidos, de drogados, de bêbados. Existe também o problema da comunicação. O recado não chega. Ou não passam um recado de uma agência de emprego para eu me apresentar, ou passam com atraso.

E existe a questão da roupa. Se você não se apresentar no albergue com roupa de mendigo, sujo, rasgado, eles acham que não está apto para o albergue, está sendo visado como se estivesse usurpando a casa. Se arranjar um celular, pior ainda. Agora, na firma, se não conseguir uma roupa decente não consegue emprego. Eles cuidam muito da aparência. Você sai às 6 horas do albergue e recebeu um recado para aparecer às 10 horas ou à 1 hora da tarde para ver o emprego. Do jeito que você sai de lá, desse jeito vai comparecer no lugar onde poderia arranjar serviço. Não consegue nem trocar de roupa, nem tomar banho. Tudo isso dificulta você a achar um emprego.

.

,


Evento cultural no centro Comunitário “S. Martinho de Lima”

.

Revista “MUNDO e MISSÃO” - A sua luta é ampla.Não somente sair da rua, mas abrir caminho para que outros possam sair também.

Sebast. - Muita gente estava na rua, conseguiu emprego, saiu e esqueceu de tudo. Eu sou mais coletivo, não quero sair sozinho. Alguns que moram na rua não sabem mais quem são, não sabem mais que são gente, têm vergonha até de levantar os olhos.

Escrevi uma história: “Diário de um carroceiro”. Nós moradores de rua somos os carroceiros e a peça é um monólogo. Um grupo profissional de teatro pegou esta peça e vão levá-la para o Brasil e para o mundo. É uma forma de fazer a sociedade enxergar essa verdade.



Escrito por nicomedesoliveira às 12h21
[] [envie esta mensagem
]





Casa das Rosas e Projeto Dulcinéia Catadora

 

Convidam para o lançamento de

 

 

 

Cátia, Simone e Outras Marvadas

 

de

Sebastião Nicomedes

 

 

Dia 24 de abril – a partir das 20 horas

Casa das Rosas

Av. Paulista, 37

 

Às 20:30 horas haverá um bate-papo sobre o livro com a coordenadora do projeto

Dulcinéia Catadora e convidados

 



Escrito por nicomedesoliveira às 09h40
[] [envie esta mensagem
]





 

 

 

 

                                         O Dia de Luta do Povo da Rua

                                                                                                      17ª Edição

 

Discute o Tema : Políticas Públicas  nas diversas áreas Sociais ...e  mais...

 

ü Atendimento Digno à Saúde.

ü Alternativas Definitivas de Moradia.

ü Capacitação Produtiva.

ü Programas de Geração de Trabalho e Renda.

ü Oportunidade de Cultura e Lazer.

 

Dia 25 de Maio de 2007 às 13:00 hrs.

 

Concentração em frente à Câmara Municipal da Cidade de São Paulo.

 

Realização:

Comissão São Paulo da População

Escrito por nicomedesoliveira às 17h14
[] [envie esta mensagem
]





Falarua debate portas de saída para população de rua

28/03/2007 - Assistência e Desenvolvimento Social

O secretário municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) participa nesta sexta (dia 30), às 8h, do Falarua, uma plenária pública para debater o tema “Portas de Saída” para moradores em situação de rua. Estimativa da SMADS aponta a existência de 12 mil moradores de rua na cidade.

Promovida pelo Movimento Nacional de Luta e Defesa dos Direitos da População em Situação de Rua, a plenária será realizada no Centro Franciscano de Reinserção Social (Chá do Padre), na rua Riachuelo, 268, no Largo São Francisco. Entre outros, compõem a mesa palestrante Marcelo Monello (presidente do COMAS) e Marcelo Estraviz (do Projeto Nós do Centro).

Lançamento de livro
No mesmo evento, o ex-morador de rua Sebastião Nicomedes lançará seu livro “Cátia, Simone e outras Marvadas”, sobre suas histórias e experiências na rua. “Este é meu primeiro livro”, conta Nicomedes, que atualmente trabalha na confecção de bonecos com papel reciclado e ajuda a montar roteiros de filmes e documentários. Ele já escreveu duas peças de teatro: “Bonifácil Preguiça” (encenada 14 vezes em albergues em 2003) e o monólogo “Diário D´um Carroceiro”, esta encenada pelo Centro de Artes Alternativas e Cidadania (CAAC) no ano passado em São Paulo.
“Cátia, Simone e outras Marvadas” tem capa feita de papelão encontrado na rua e ilustrada por filhos de catadores de papel.
Durante o lançamento do livro, a banda Filhos do Vento fará um show, apresentando pela primeira vez a música “Movimento”, de autoria de Sebastião Nicomedes.




Escrito por nicomedesoliveira às 13h00
[] [envie esta mensagem
]





Sem-teto colabora no Observatório

Postado por Mauro Malin em 23/3/2007 às 5:09:38 PM
 
 

A Época desta semana (edição datada de 19 de março) destaca no Primeiro Plano reportagem escrita por Sebastião Nicomedes, sem-teto que virou escritor, sobre a morte do morador de rua Ricardo de Oliveira. Reproduz o relatório da Santa Casa de Santo Amaro, em São Paulo, assinado pelo médico plantonista Osny Batista. "Paciente em péssimo estado de higiene, mau cheiro (....). Não se trata de uma patologia que necessita auxílio de hospital: trata-se de problema social. Não quer ir para o albergue", é o trecho reproduzido na revista.

A repórter Eliane Brum sugeriu a Sebastião que fizesse um relato do caso, quando ele lhe telefonou para dizer como estava indignado. E ele o fez em formato jornalístico. De alta qualidade. Quem quiser conferir pode entrar no site da Época. Esta parte é aberta, diferentemente da maior parte do conteúdo da revista, cheia de cadeados.

Também está disponível o texto sobre Sebastião escrito por Eliane Brum. Logo abaixo do título: "Tião e os sonhos". 

Sebastião Nicomedes escreveu hoje para o Observatório o texto abaixo, em resposta ao seguinte pedido: "Eu gostaria que o senhor me escrevesse a respeito da maneira como a mídia - jornais, sites, rádio, televisão - trabalhou a partir da reportagem que o senhor fez. Por sinal, muito boa reportagem. Gostaria que me dissesse como lê jornal, quais são suas maneiras de se informar, e falasse um pouco também do trabalho no O Trecheiro (jornal da Associação Rede Rua)".

O pedido foi feito e atendido por correio eletrônico. A primeira referência é relativa à possibilidade de falar com Sebastião em lugar sem ruído, para gravar uma entrevista radiofônica:

Uma pontinha de esperança

"É dificil eu me encontrar em lugar silencioso durante o dia, que vivo praticamente na rua ou em função dela. Meus amigos e meu mundo gira em torno da rua e dos sem teto. Atualmente tenho conseguido um pouco mais de tempo pra mim e pra  organizar a vida, tentando achar um norte e seguir em frente.

Tenho as madrugadas para pensar e escrever,nessas horas eu divago que do quartinho onde estou morando vejo as estrelas e procuro aproveitar sempre que aparece a lua. Estou morando na laje superior de uma pensão, o que corresponde a um terraço.

Quando estou ali na laje e agora é quase todas as noites que ando tomado por uma inquietação e o sono se vai e vou falar com o universo, tentar entender esse mundo, as coisas. E tiro alguma pontinha de esperança de que um dia tudo vai mudar, que ser bom, vai ser melhor, vai valer a pena, aí eu continuo sonhando, e é o que me faz viver apesar de tudo, com todas as dificuldades, mais feliz.

Eu sinto alegria por ter alguma voz na segunda cidade que existe dentro de São Paulo, uma Cidade Sem Voz e sem Vez - trago essa frase no cartaz e no release do Diário dum carroceiro, monólogo que escreví e entrou pro circuito profissional de teatro. A mídia foi importante nesse processo mas sentimos que falta muita coisa ainda.

Descaso com sem-teto e moradores de rua

O descaso com os sem-teto e moradores de rua é constante, o seu Ricardo não é um caso isolado, porém a forma como ele morreu e as palavras escritas pelo médico dr.Osny instigaram uma indignação muito maior, uma ira, um desejo de gritar mais alto.

Ontem (23/3) estivemos na Secretaria Municipal da Saúde com uma pequena comissão. A reação de todos que tiveram acesso ao relatório do Osny foi de repúdio total. O chefe de gabinete vai mediar com a secretaria estadual um pedido de abertura de sindicância. Já os conselheiros de saúde, sociedade civil, vão pedir avaliação dos serviços prestados pela Santa Casa de Santo Amaro.

Ampliar espaço na mídia

Os jornais deram algumas notas, rádios e tv. No caso a tv foi mais a fundo na questão. Mas a imprensa tá dando refresco pras autoridades a quem compete investigar o caso. O Ministério Público precisa ser bastante rigoroso, os médicos envolvidos no caso e principalmente o Dr. Osny precisa ser indiciado.

As secretarias de Saúde precisam abrir sindicância, a Secretaria Municipal tem interesse nisso e a pedido inclusive de conselheiros de Saúde será feita uma avaliação no tipo de atendimento, a qualidade desse atendimento à população carente, e o descaso com os moradores de rua contará no repasse de verbas.

Mas a mídia precisa dar mais espaço e abraçar a causa, um homem morreu, quantas vidas mais serão necessárias e quantas vidas já não foram ceifadas sem que isso chegasse a conhecimento público?

Eu leio jornais nas bancas, aquelas que expõem ao publico. Pelos destaques procuro ou não biblioteca para conferir a matéria.

O Trecheiro é uma atividade voluntaria que faço, não sou remunerado, acho que ninguém lá ganha pra fazer o jornal. Eu acredito que não. Bom, eu conheci o jornal quando morava num albergue lá no Brás. Me interessei, me identifiquei com as pautas e quando tive oportunidade, entrei para a equipe. Foi a convite do coordenador do jornal, o amigo Alderon.

Estreei escrevendo poemas, passei pra crônicas e atualmente escrevo de acordo com as circunstâncias, com os acontecimentos de última hora. Vira e mexe escrevo alguma mensagem mais light, pra aliviar a barra entre um assunto pesado e outro. Por exemplo escrevo mensagens festivas de época tipo natal, dia das mães, etc. No mais escrevo sobre o que acontece de fato, qualquer que seja o ocorrido. Propondo sempre discussão de politicas publicas e sociais."

[O título original deste tópico era "A Época e o escritor sem-teto".] 



Escrito por nicomedesoliveira às 12h59
[] [envie esta mensagem
]





Observatório no Rádio
Início > Blogs > Em Cima da Mídia > Observatório no rádio
Programa 486
>>Franklin nem começou
>>Não à TV Voz do Brasil
Postado por Mauro Malin 26/3/2007 às 8:15:06 AM
 

Brasileiros proscritos

O escritor sem-teto Sebastião Nicomedes denunciou há duas semanas, por intermédio da Época e do site da revista, a morte do morador de rua Ricardo de Oliveira, que não foi atendido na Santa Casa de Santo Amaro. Ele opina sobre o trabalho da imprensa.

Sebastião:

– Eu acho que a mídia até fez a parte dela, mas deveria ter um pouco mais de empenho em termos de cobrança. Por exemplo, a mídia no caso da morte daquele garoto no Rio, que é uma situação muito triste, e constrangedora, mas é de uma família de melhor poder aquisitivo. Então, deu uma cobertura e cobrou-se um pouco mais, até provocou discussão sobre a redução da maioridade penal. Num caso como o do Sr. Ricardo, que morava na rua, não se foi tão longe e não se exigiu tanta mudança assim.

Mauro:

– Sebastião Nicomedes aponta um assunto que, em sua verdadeira dimensão, é ignorado pela mídia.

Sebastião:

– Foi em Apucarana, esse caso recente. A Prefeitura, a Polícia, todo mundo verificando quem é de fora da cidade e devolvendo para suas cidades de origem, seus locais de origem. Mas a questão é que quem saiu de sua terra, por alguma dificuldade, da sua cidade, não tem cidade de origem. Ele já está perdendo a nacionalidade, ele não tem direito de ficar no Brasil onde ele quer. Isso está acontecendo muito no Sul, em Santos, no Rio, em Caraguatatuba. E aí as pessoas são transferidas de um lugar para o outro, ou muitos são devolvidos para São Paulo.

Leia também O golpe do "filho bom" e Sem-teto colabora no Observatório.



Escrito por nicomedesoliveira às 12h57
[] [envie esta mensagem
]





01/04/2007

 

                       PRÓXIMO LANÇAMENTO-24 DE ABRIL-CASA DAS ROSAS-20:00HS-AV PAULISTA 37

Dia 30 de março, no SEFRAS, lançamento do segundo livro editado pela Dulcinéia Catadora, um projeto auto-sustentável que reúne artistas e filhos de catadores. Depois do SARAU, da COOPERIFA, este contempla os poemas de Sebastião Nicomedes, integrante do movimento nacional dos moradores de rua.

Nas fotos de Fabiano Viana (esquerda para direita): Andréia Emboava (projeto Dulcinéia), Sebastião Nicomedes (escritor)  e Lúcia Rosa(projeto Dulcinéia).

 

artigos: http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI1518074-EI6595,00.html

Leia também no Terra:
» Poema 'Cumplicidade', de Sebastião Nicomedes
» 'Se eu escrevesse sempre, iria incomodar'

Para ter o livro: dulcineia.catadora@gmail.com

 





Escrito por nicomedesoliveira às 12h38
[] [envie esta mensagem
]





Casa das Rosas e Projeto Dulcinéia Catadora

 

Convidam para o lançamento de

 

 

 

Cátia, Simone e Outras Marvadas

 

de

Sebastião Nicomedes

 

 

Dia 24 de abril – 20 horas

Casa das Rosas

Av. Paulista, 37





Escrito por nicomedesoliveira às 12h36
[] [envie esta mensagem
]





Tião e os sonhos

Como o sem-teto Sebastião Nicomedes consegue levar arte e riso àqueles que já esqueceram que são gente
Eliane Brum (Texto),Frederic Jean e Claudio Rossi (Fotos)
> document.getElementById('edicao').innerHTML = "
Edição 437 - 02/10/2006
";

ESPERANÇA
Sebastião Nicomedes, depois de uma apresentação para o povo de rua do Centro Comunitário São Martinho de Lima, zona leste de São Paulo

Sebastião Nicomedes.Ele diz: "Quero mudar o mundo". E muda. Quando desponta nos parques, nos viadutos, nos centros que servem comida aos moradores de rua de São Paulo, Sebastião apresenta seu teatro de bonecos. A platéia é feita de retalhos humanos, gente de quem a vida tirou em excesso, de alguns até pedaços do corpo. A diferença entre eles e aqueles bonecos feitos de restos é que respiram. Quando Sebastião parte para outras esquinas, há mais uma diferença: a platéia está rindo, batendo palmas. São humanos de novo. É assim que Sebastião Nicomedes muda o mundo. Ele usa bonecos de sobras para soprar sonhos em sobras de homens.

- Compreendi que a chave entre quem sai da rua e quem nunca vai sair é a perda da capacidade de sonhar. Meus bonecos mostram que podem sair dessa vida. Tento despertar o sonho que ainda resta dentro deles. E, para quem não consegue mais sonhar, pelo menos consigo dar um pouco de riso, um momento feliz - diz Sebastião



Escrito por nicomedesoliveira às 11h57
[] [envie esta mensagem
]





Ex-morador de rua lança livro de poemas
Sábado, 31 de março de 2007, 08h13 
Marana Borges, especial para Terra Magazine
 
> function abre(url,janela,larg,alt,scroll){ if (!scroll) { scroll='auto' } window.open(url,janela,"toolbar=no,location=no,directories=no,status=no,menubar=no,scrollbars="+scroll+",resizable=no,copyhistory=no,width="+larg+",height="+alt); }
Marana Borges/Terra Magazine

"Cátia, Simone e outras Marvadas", o primeiro livro do ex-morador de rua Sebastião Nicomedes
>anuncioCentroDireitaPequeno.mostra();
As angústias e contradições da vida na rua, pelo olhar de quem foi sem-teto, agora podem ser lidas em versos. Depois de estrear no teatro com as peças "Bonifácil Preguiça" e "Diário dum carroceiro", esta última encenada no Teatro Fábrica São Paulo, Sebastião Nicomedes, 39 anos, lança seu primeiro livro de poemas.

"Cátia, Simone e outras Marvadas" é publicado pelo coletivo "Dulcinéia Catadora", que divulga a um baixo custo (R$ 5) a produção de pessoas em situação de rua. A capa é feita de papelão recolhido por catadores e pintado à mão pelos filhos de catadores.

Leia também:
» Poema 'Cumplicidade', de Sebastião Nicomedes
» 'Se eu escrevesse sempre, iria incomodar'

Nicomedes mostra os descaminhos de quem tem o asfalto ou o albegue como morada. Seus textos pisam no registro referencial e poético, apontam para o lugar de construção do próprio narrador. Um lugar em que sua identidade pode ser edificada e reconhecida, pela palavra.

Para os desavisados: nem tudo é autobiografia. "Sou um escritor. Não é porque escrevi algo que isso de fato aconteceu comigo". Igualar sua obra a tão-somente retratação do real é o caminho mais fácil. Mas embreada na escrita - que é experiência e imaginação - o narrador expõe o difícil percurso de um rosto, de um nome:



Escrito por nicomedesoliveira às 11h54
[] [envie esta mensagem
]





'Se eu escrevesse sempre, iria incomodar'
Sábado, 31 de março de 2007, 08h12 
Marana Borges, especial para Terra Magazine
 
> function abre(url,janela,larg,alt,scroll){ if (!scroll) { scroll='auto' } window.open(url,janela,"toolbar=no,location=no,directories=no,status=no,menubar=no,scrollbars="+scroll+",resizable=no,copyhistory=no,width="+larg+",height="+alt); }
Raoni Maddalena/Terra Magazine

O escritor e ex-sem-teto Sebastião Nicomedes (de boné) com o elenco da peça "Diários dum Carroceiro", escrita por ele
>anuncioCentroDireitaPequeno.mostra();
Sebastião Nicomedes, de 39 anos, é ex-sem-teto há 5 meses, desde que alugou um quarto em uma pensão no centro da cidade de São Paulo. Autor de "Cátia, Simone e outras marvadas", lançado na sexta-feira, mal recebeu seu primeiro livro nas mãos e já revela com euforia que trabalha em um novo projeto: um romance. Aos poucos sai do anonimato. Ele reivindica espaço e voz. Escreveu duas peças de teatro. Uma delas, "Diários dum Carroceiro", recebeu elogios da crítica e foi encenada no concorrido circuito comercial.

Leia também:
» Ex-morador de rua lança livro de poemas
» Leia o poema 'Cumplicidade'

 




Escrito por nicomedesoliveira às 11h51
[] [envie esta mensagem
]





  
>From: Marana Borges
>Subject: Re: [gentil-sp] Peça no Prestes na Folha
>Date: Mon, 9 Apr 2007 18:42:53 -0300 (ART)
>
>É isso aí, Andréia. O acordo Bolsa Aluguel é isso. E isso que dá essa classe letrada não vivenciar a experiência: quando simpatiza com o Prestes, fica reproduzindo nos jornais um discurso romântico, ingênuo e, por isso mesmo, míope, perigoso e despolitizado. Falta de experiência, de pisar no barro com o coração aberto para aprender - e se frustrar. Não sei o que é pior: um discurso "simpatizante" desses ou o outro extremo, como o texto da laura capriglione da Folha sobre a ocupação em itapecerica:
>
>   "Era uma vez um condomínio de luxo equipado com campo de golfe de 18 buracos. Tinha o clima friozinho da serra, como convém ao esporte nascido na Escócia por volta de 1.400. Quando compraram de um frigorífico falido o terreno de 1,3 milhão de metros quadrados em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo, o grupo de empresários vislumbrava o cenário de um gramado bem cuidado, percorrido em carrinhos elétricos por homens em trajes brancos. Virou um favelão." (31/03/07)
>
>   Abraços,
>   Marana
>
>Andréia Moassab  escreveu:
>     Muito bacana o texto do Wisnik. Estive na apresentação do Tablado lá no Prestes. Foi muito contundente ver esta peça apresentada no olho do furacão. Lembrando que no proximo final de semana (14 e 15/04) tem outras peças por lá.
>
>
>   Só não sei se concordo com o final do texto, onde a população da favela é diferenciada da ocupação: "Já os moradores da favela são vítimas dos movimentos alienantes do mercado imobiliário, que desloca enormes contingentes de pessoas através de negociadas "parcerias público-privadas", dando indenizações pífias que as empurram para lugares cada vez mais precários e distantes"
>
>
>Ora, não seria isso o acordo dos 6 meses de bolsa aluguel????
>
>
>abs, andreia.
>
>
>
>
>
>
>Yili Maria escreveu:   GUILHERME WISNIK
>
>Desmobilização e resistência Peça rememora a remoção do Jardim Edith, um dos episódios mais violentos da luta urbana em São Paulo
>
>DESPEJADA DO barraco em que vivia com a família, Mariana é uma Medéia da favela: diante do beco sem saída em que se encontra, abandona o emprego, mata os filhos e cancela sua identidade, tornando-se uma pária social.
>De outro lado, Goodman, jovem herdeiro de uma grande empresa, desiste do idealismo de se tornar artista e assume a posição que lhe é de direito, tornando-se o protagonista do processo de remoção daquela mesma favela. Enquanto Mariana enfrenta uma romaria kafkiana em busca de diálogo com a prefeitura, esbarrando em infinitos obstáculos burocráticos, Goodman percebe que o poder é o melhor veículo para a livre expressão de um espírito criativo, pondo em marcha a construção de seu projeto visionário: uma torre vazia, triunfantemente gratuita.
>Esse, em linhas gerais, é o enredo da peça "A Rua É um Rio", montada pelo grupo de teatro de rua Tablado de Arruar e apresentada recentemente (30 de março) no porão da Ocupação Prestes Maia, no bairro da Luz. Tendo como tema de pesquisa as relações de disputa no espaço urbano, o grupo se inspirou no livro "Parceiros da Exclusão" (Boitempo, 2001), da arquiteta Mariana Fix, que narra o processo de remoção da Favela Jardim Edith durante a obra de construção da avenida Água Espraiada (hoje avenida jornalista Roberto Marinho), no governo Maluf.
>Apesar de significar um episódio dos mais violentos da luta urbana em São Paulo, a remoção do Jardim Edith apresenta um confronto velado, mediado, cujas ações pouco a pouco desmobilizam a coesão dos moradores, com advogados comprados, melhores ofertas de indenização para líderes mais "problemáticos" e uma enchente suspeita (possivelmente provocada), que arrasa os últimos focos de resistência local. Significativamente, o sinal mais explícito de violência não vem de uma ação policial direta, mas da coerção internalizada: um morador, acuado pelo desespero do despejo, se enforca com uma mangueira.
>Apesar dos riscos de esquematismo e ingenuidade, a peça está longe de fazer um "agit prop" a partir do livro. Em cena, os confrontos são subjetivados, alegorizados, transformados em paródia ou tragédia, evitando o confronto exemplar. Eis aqui a riqueza da situação criada pela apresentação, pois a Ocupação Prestes Maia representa o outro lado dessa história: um movimento forte, organizado (permanece no imóvel desde novembro de 2002) e considerado a maior ocupação vertical do Brasil (conta com aproximadamente 468 famílias residentes).
>No centro, os movimentos de sem-teto são organizações politizadas que explicitam um interdito: a existência de um enorme estoque de imóveis vazios, que não cumprem a função social da propriedade. Como "ocupantes", estão na vanguarda da ação, que implica também a ameaça iminente de choque com a polícia. Já os moradores da favela são vítimas dos movimentos alienantes do mercado imobiliário, que desloca enormes contingentes de pessoas através de negociadas "parcerias público-privadas", dando indenizações pífias que as empurram para lugares cada vez mais precários e distantes.
>   >

Escrito por nicomedesoliveira às 11h36
[] [envie esta mensagem
]






>From: Yili Maria <yilimaria2@yahoo.com.br>
>Date: Wed, 28 Mar 2007 09:31:38 -0300 (ART)
>
>      Texto Anterior | Próximo Texto | Índice
>
>GILBERTO DIMENSTEIN
>
>    Cátia, Simone e outras Marvadas   Tião escreve prosas e poesias  que misturam fragmentos  autobiográficos e histórias  inspiradas no que vê na rua.  Escreve à noite, num bloco  de  papel, sentado na laje
>    Só não afundou de vez  porque tinha um prazer  de se  comunicar pela arte,  escrevendo poesias e  peças.  Sabia que um dia  seria  escritor
>     UM PEDAÇO DA HISTÓRIA de vida de Sebastião Nicodemes  está na capa do livro que ele  vai lançar na próxima sexta-feira. A  capa é feita de papelão encontrado  na rua, ilustrada por filhos de catadores de papel. "É meu primeiro livro", orgulha-se o ex-catador de  papel.  Os textos foram escritos em cima  de uma laje, onde Tião alugou um  pequeno quarto. "Fico olhando o  céu, e a inspiração vai aparecendo. É  como se eu ainda morasse na rua."  Ex-morador de rua, ele já consegue  pagar o aluguel daquele quarto porque faz bicos artísticos.
>  Tião produz bonecos com papel reciclado, com os quais conta histórias para crianças, ajuda em roteiros de filmes e documentários, e já escreveu o texto de uma peça, intitulada "Diário de um Carroceiro", apresentada no ano passado no Teatro Fábrica. Está conseguindo, agora, lançar "Cátia, Simone e outras Marvadas", por causa de uma experiência produzida na última Bienal.
>
>
>    Um grupo de artistas resolveu  apoiar a edição de livros produzidos  por filhos de catadores de papel e  seus filhos - assim surgiu a Edições  Dulcinéia Catadora. São sempre  cem exemplares, todos artesanais e  com desenhos diferentes. "O que  queremos é estimular o prazer de  criar", diz Lúcia Rosa, uma das artistas envolvidas no projeto.
>   Tião escreve prosas e poesias que  misturam fragmentos autobiográficos e histórias inspiradas no que vê  na rua. Escreve à noite, num bloco  de papel, sentado na laje acoplada ao  cubículo, no Brás. "Eu me sinto  maior sentindo o Universo". A sensação de grandeza também tem um  motivo concreto: há três meses está  conseguindo pagar o aluguel daquele quarto. Até dormia em abrigos públicos, depois de sair da rua. "Não  gostava de viver de favor."  Tal sensação de grandeza ajudou-o a recordar e colocar no papel suas  decepções, inclusive amorosas.
>
>    Migrante, Tião tinha emprego em  São Paulo. Mas adoeceu e, quando  voltou do hospital, nem sequer tinha  lugar onde morar. A frustração chamou a bebida e, assim, instalou-se  um círculo vicioso. Para sobreviver,  viveu nas ruas que cercavam o Mercado Municipal. A dor que manteve  guardada foi não ter recebido, no  hospital, a visita de amigos. Nem da  mulher - uma das "marvadas" -  com quem estava noivo e com quem  pensava que iria casar. "Parece que  tudo desabou em segundos."  Tião só não afundou de vez porque tinha um prazer de se comunicar pela arte, escrevendo poesias e  peças. Sabia que -mas não sabia  quando- um dia seria um escritor.  "Só o que não imaginei é que, todas  as noites, teria o prazer de adormecer ao ar livre."
>


Escrito por nicomedesoliveira às 11h15
[] [envie esta mensagem
]





A arte imita a vida
O drama de quem luta para sobreviver nas ruas vira tema de peça.
O drama de quem luta para sobreviver nas ruas vira tema de peça. O autor de Diário de um carroceiro levou sua experiência para o palco.

No palco uma carroça, um personagem e sentimentos em voz alta.

“Não tenho mais ninguém, não tenho mais família, nem mesmo a sorte. Ihhh, essa daí já me abandonou há muito tempo.”

Quim, é o personagem de um drama cotidiano. A falta de dinheiro, de emprego e de moradia. Do limite entre a miséria e a loucura.

“Não somos bichos de zoológico pra fazer da gente o que bem entendem!”

Diário de um Carroceiro foi escrito por um ex-morador de rua. Tião Nicomede já teve casa e família. Depois de um acidente perdeu tudo. Para sobreviver foi catador de papel. Escrever foi um resgate para ele.

“Algumas pessoas não voltam mais, vão pra loucura total, pro desespero, pro álcool. Se refugiam desse mundo totalmente. Isso tudo que a gente perde e foi o que eu lutei e me apeguei num sonho pra chegar no dia de hoje”, explica Sebastião Nicomede.

“O que a gente mais aprendeu e mais pegou foi essa aproximação do humano, são pessoas, gente como todos nós”, diz a diretora Iara Brasil.

A inspiração para fazer o monólogo veio de uma experiência bem real, do autor e dos moradores da favela da Moinho. Lá, vivem 450 famílias que vivem de catar papel. Eles ajudaram a fazer o cenário e a compor o personagem.

“A importância é que mostra que o carroceiro é um trabalhador como qualquer um”, diz Alessandra Cunha, catadora de papel.

“Eles vivem mesmo, com honra e com dignidade com isso”, diz o autor.

O ensaio no meio da rua sem asfalto foi diversão e desabafo para quem sabe o que é o dia-a-dia de um carroceiro.

“O que eu mais gostei foi da parte que ele fez Justiça”, diz a criança.

“Chega de violência contra o povo pobre!”

Diário de um carroceiro volta a cartaz em breve. 



Escrito por nicomedesoliveira às 11h13
[] [envie esta mensagem
]






>http://www.jt.com.br/editorias/2007/04/14/ger-1.94.4.20070414.31.1.xml
>
>
>Invasores da Prestes Maia fazem malas
>
>Após quatro anos, os 925 moradores devem sair de prédio em 15 dias
>
>*GILBERTO AMENDOLA, gilberto.amendola@grupoestado.com.br*
>Invasores do edifício da Avenida Prestes Maia, na região central, já
>estão
>de malas prontas. Depois de quatro anos de ocupação, 925 moradores
>se
>preparam para sair em, no máximo, 15 dias. Segundo lideranças do
>Movimento
>dos Sem-Teto do Centro (MSTC), metade das famílias aceitou se mudar
>para
>unidades da Companhia de Desenvolvimento habitacional (CDHU) na Zona
>Leste.
>O restante irá receber o benefício do bolsa-aluguel para se
>estabelecer no
>Centro da Cidade.
>
>A desocupação deve ocorrer de forma pacífica graças à concessão de
>verbas do
>Plano de Aceleração do Crescimento (PAC). O governo liberou ontem R$
>20
>milhões para o programa de moradia que irá beneficiar os invasores
>da
>Prestes Maia .
>
>A mudança irá desmembrar a já famosa biblioteca do prédio da Prestes
>Maia.
>Os seus 16 mil títulos devem ser distribuídos entre as unidades do
>CDHU na
>Zona Leste (Itaquera e Cidade Tiradentes) e a sede do MSTC, na
>Avenida São
>João.
>
>"Já estou me despedindo das amigas. Vou sentir saudade desse prédio,
>mas
>entrei no movimento para conseguir minha casa. Agora, acho que
>consegui",
>comemorou Miriam da Silva Tavares, 37 anos.
>
>
>*Kassab pede aplauso para Lula
>*
>Diante de uma platéia eufórica, no porão do Edifício Prestes Maia,
>invadido
>por sem-teto, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) pediu uma salva de
>palmas ao
>presidente Lula e ao governador José Serra, enquanto dava a notícia
>de que a
>Justiça concedeu mais 60 dias para que todos ali tenham de deixar,
>aos
>poucos, o local.
>
>"Foram os três níveis de governo que juntos encontraram uma saída",
>disse
>Kassab. Segundo a coordenadora-geral do Movimento dos Sem-Teto,
>Ivonete de
>Araújo, as famílias estão sendo cadastradas para serem transferidas
>a outros
>prédios do centro, que estão sendo adquiridos, ou beneficiadas por
>cartas de
>crédito de até R$ 42 mil.

 

Belíssima reportagem fotográfica.
>
>O texto!
>
>Maravilhoso!!!!!!!!
>
>E agora?
>
>Merda



Escrito por nicomedesoliveira às 11h11
[] [envie esta mensagem
]





-------- Original Message --------
Subject: [gentil-sp] Kassab visita Prestes - fotos

http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2007/04/379071.shtml

--
Thiago

__._,_.___

Escrito por nicomedesoliveira às 11h04
[] [envie esta mensagem
]





From: grazi <grazi@kein.org>
>Reply-To: centrovivo@yahoogrupos.com.br
>To: Fórum Centro Vivo <centrovivo@yahoogrupos.com.br>
>Subject: [centrovivo] peça "Hygiene" acontece hoje na Ocupação Prestes Maia
>Date: Sun, 15 Apr 2007 11:39:31 -0300
>
>Peça "Hygiene" acontece hoje na Ocupação Prestes Maia
>
>O grupo XIX de teatro apresenta hoje, domingo, às 16h, o espetáculo
>"Hygiene" na Ocupação Prestes Maia. A peça conta a história de um dia
>no cotidiano dos moradores de um cortiço do Rio de Janeiro no final do
>século XIX e originalmente foi montada na antiga vila operária Maria
>Zélia.
>
>Trecho de crítica sobre a peça:
>
>"O cortiço em que os personagens moram é o próximo alvo da política
>higienizadora e modernizante que estava em prática na então capital
>brasileira. Prédios ocupados pelos habitantes mais pobres da cidade
>eram postos a baixo, com a justificativa de cuidados com a saúde
>pública e o objetivo de sanear e embelezar o centro carioca. No lugar
>dos inúmeros cortiços, nasceriam grandes avenidas e prédios modernos,
>inspirados nos mais admirados projetos arquitetônicos e urbanísticos
>europeus. No lugar da pobreza e dos focos de doenças, crescia uma nova
>concepção de país".
>
>A Ocupação Prestes Maia fica junto à estação da Luz, na Av. Prestes
>Maia, 911. A peça acontece no porão e a entrada é gratuita.
>
>
>http://www.reportersocial.com.br/noticias.asp?id=1191&ed=teto
>crítica sobre a peça
>


Escrito por nicomedesoliveira às 10h59
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]