Arquivos
 04/06/2017 a 10/06/2017
 14/05/2017 a 20/05/2017
 01/01/2017 a 07/01/2017
 09/10/2016 a 15/10/2016
 07/08/2016 a 13/08/2016
 29/05/2016 a 04/06/2016
 23/08/2015 a 29/08/2015
 14/06/2015 a 20/06/2015
 10/05/2015 a 16/05/2015
 05/04/2015 a 11/04/2015
 08/03/2015 a 14/03/2015
 01/02/2015 a 07/02/2015
 14/12/2014 a 20/12/2014
 21/09/2014 a 27/09/2014
 14/09/2014 a 20/09/2014
 07/09/2014 a 13/09/2014
 17/08/2014 a 23/08/2014
 10/08/2014 a 16/08/2014
 13/07/2014 a 19/07/2014
 27/04/2014 a 03/05/2014
 16/02/2014 a 22/02/2014
 09/02/2014 a 15/02/2014
 05/01/2014 a 11/01/2014
 29/12/2013 a 04/01/2014
 15/12/2013 a 21/12/2013
 08/12/2013 a 14/12/2013
 18/08/2013 a 24/08/2013
 11/08/2013 a 17/08/2013
 04/08/2013 a 10/08/2013
 28/07/2013 a 03/08/2013
 21/07/2013 a 27/07/2013
 14/07/2013 a 20/07/2013
 30/06/2013 a 06/07/2013
 23/06/2013 a 29/06/2013
 16/06/2013 a 22/06/2013
 09/06/2013 a 15/06/2013
 26/05/2013 a 01/06/2013
 19/05/2013 a 25/05/2013
 07/04/2013 a 13/04/2013
 24/03/2013 a 30/03/2013
 17/03/2013 a 23/03/2013
 10/03/2013 a 16/03/2013
 03/03/2013 a 09/03/2013
 17/02/2013 a 23/02/2013
 03/02/2013 a 09/02/2013
 13/01/2013 a 19/01/2013
 06/01/2013 a 12/01/2013
 30/12/2012 a 05/01/2013
 16/12/2012 a 22/12/2012
 09/12/2012 a 15/12/2012
 02/12/2012 a 08/12/2012
 25/11/2012 a 01/12/2012
 18/11/2012 a 24/11/2012
 11/11/2012 a 17/11/2012
 04/11/2012 a 10/11/2012
 28/10/2012 a 03/11/2012
 14/10/2012 a 20/10/2012
 30/09/2012 a 06/10/2012
 16/09/2012 a 22/09/2012
 26/08/2012 a 01/09/2012
 12/08/2012 a 18/08/2012
 05/08/2012 a 11/08/2012
 22/07/2012 a 28/07/2012
 15/07/2012 a 21/07/2012
 08/07/2012 a 14/07/2012
 01/07/2012 a 07/07/2012
 24/06/2012 a 30/06/2012
 10/06/2012 a 16/06/2012
 03/06/2012 a 09/06/2012
 27/05/2012 a 02/06/2012
 20/05/2012 a 26/05/2012
 06/05/2012 a 12/05/2012
 15/04/2012 a 21/04/2012
 08/04/2012 a 14/04/2012
 01/04/2012 a 07/04/2012
 25/03/2012 a 31/03/2012
 18/03/2012 a 24/03/2012
 04/03/2012 a 10/03/2012
 26/02/2012 a 03/03/2012
 19/02/2012 a 25/02/2012
 12/02/2012 a 18/02/2012
 05/02/2012 a 11/02/2012
 15/01/2012 a 21/01/2012
 08/01/2012 a 14/01/2012
 01/01/2012 a 07/01/2012
 18/12/2011 a 24/12/2011
 27/11/2011 a 03/12/2011
 13/11/2011 a 19/11/2011
 30/10/2011 a 05/11/2011
 23/10/2011 a 29/10/2011
 16/10/2011 a 22/10/2011
 18/09/2011 a 24/09/2011
 31/07/2011 a 06/08/2011
 17/07/2011 a 23/07/2011
 26/06/2011 a 02/07/2011
 19/06/2011 a 25/06/2011
 05/06/2011 a 11/06/2011
 22/05/2011 a 28/05/2011
 15/05/2011 a 21/05/2011
 08/05/2011 a 14/05/2011
 24/04/2011 a 30/04/2011
 17/04/2011 a 23/04/2011
 10/04/2011 a 16/04/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 20/03/2011 a 26/03/2011
 20/02/2011 a 26/02/2011
 06/02/2011 a 12/02/2011
 16/01/2011 a 22/01/2011
 09/01/2011 a 15/01/2011
 02/01/2011 a 08/01/2011
 26/12/2010 a 01/01/2011
 12/12/2010 a 18/12/2010
 05/12/2010 a 11/12/2010
 28/11/2010 a 04/12/2010
 21/11/2010 a 27/11/2010
 14/11/2010 a 20/11/2010
 07/11/2010 a 13/11/2010
 31/10/2010 a 06/11/2010
 24/10/2010 a 30/10/2010
 17/10/2010 a 23/10/2010
 10/10/2010 a 16/10/2010
 03/10/2010 a 09/10/2010
 26/09/2010 a 02/10/2010
 12/09/2010 a 18/09/2010
 22/08/2010 a 28/08/2010
 15/08/2010 a 21/08/2010
 08/08/2010 a 14/08/2010
 01/08/2010 a 07/08/2010
 25/07/2010 a 31/07/2010
 18/07/2010 a 24/07/2010
 11/07/2010 a 17/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 13/06/2010 a 19/06/2010
 06/06/2010 a 12/06/2010
 30/05/2010 a 05/06/2010
 23/05/2010 a 29/05/2010
 16/05/2010 a 22/05/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 02/05/2010 a 08/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 04/04/2010 a 10/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 14/03/2010 a 20/03/2010
 07/03/2010 a 13/03/2010
 28/02/2010 a 06/03/2010
 21/02/2010 a 27/02/2010
 14/02/2010 a 20/02/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 24/01/2010 a 30/01/2010
 20/12/2009 a 26/12/2009
 13/12/2009 a 19/12/2009
 06/12/2009 a 12/12/2009
 29/11/2009 a 05/12/2009
 22/11/2009 a 28/11/2009
 15/11/2009 a 21/11/2009
 08/11/2009 a 14/11/2009
 01/11/2009 a 07/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 18/10/2009 a 24/10/2009
 11/10/2009 a 17/10/2009
 04/10/2009 a 10/10/2009
 27/09/2009 a 03/10/2009
 20/09/2009 a 26/09/2009
 13/09/2009 a 19/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 05/07/2009 a 11/07/2009
 14/06/2009 a 20/06/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 17/05/2009 a 23/05/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 26/04/2009 a 02/05/2009
 19/04/2009 a 25/04/2009
 12/04/2009 a 18/04/2009
 05/04/2009 a 11/04/2009
 29/03/2009 a 04/04/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 08/02/2009 a 14/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 25/01/2009 a 31/01/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog de nicomedesoliveira
 


  WWW.DIARIOTIAO.ZIP.NET

 tiaonicomedes2hotmail.com



Escrito por nicomedesoliveira às 19h21
[] [envie esta mensagem
]





  28/04/2007 20:07 - publicado por nicomedesoliveira  [ Alterar ]   [ Excluir ]  

“O jovem não é o amanhã, ele é o agora.”
Betinho.

diairiotiao-contatos-tiaonicomedes@hotmail.com



Escrito por nicomedesoliveira às 19h17
[] [envie esta mensagem
]





Prefeitura realiza monitoramento da população de rua  
MONITORAMENTO − A Prefeitura de Teresina, através da Secretaria Municipal do Trabalho, Cidadanis e Assistência Social – Semtcas, está realizando o monitoramento da população de rua para evitar que crianças e adolescentes sejam usadas para atividades de mendicância.

O monitoramento é feito por educadores sociais de rua, num trabalho de parceria com o Conselho tutelar da Criança e do Adolescente, Ação Social Arquidiocesana e Assistência Militar da Prefeitura. Uma reunião realizada hoje(15), na sede da Semtcas, serviu para a definição de estratégias de controle da população de rua.

A secretária municipal do Trabalho, Cidadania e Assistência Social, Umbelina Jales, explicou que geralmente a população de rua chega a dobrar no período das festas de fim de ano. Mas este ano a presença de famílias carentes pedindo esmolas no centro da cidade e em alguns bairros cresceu assustadoramente.

Um levantamento preliminar realizado pelos educadores sociais identificou a presença de grande número de famílias vindas de outros estados como Maranhão e Ceará, além de pessoas que moravam no interior do Piauí e que estão alojadas de forma improvisada sob viadutos, pontes e até mesmo nas praças da cidade.

Algumas famílias argumentam que estão de passagem pelo Piauí, mas houve registro de crianças e adolescentes dessas famílias pedindo esmolas principalmente nos semáforos. Umbelina Jales explicou que as pessoas não estão proibidas de vir para Teresina. “O direito de ir e vir é universal, mas elas não podem usar crianças e adolescentes para pedir esmolas”, declarou a secretária ao informar que as famílias de outros estados serão abordadas e a Prefeitura viabilizar o recambiamento de todas elas para as cidades de origem.


Mais informações:
SEMTCAS
Secretaria Municipal do Trabalho, Cidadania e Assistência Social

Rua Firmino Pires, 121 – centro
CEP: 64.000-000 - Teresina-PI
(86) 3215–7587 / 32157485
Fax: (86) 3215-7586




Escrito por nicomedesoliveira às 19h16
[] [envie esta mensagem
]





tiaonicomedes@hotmail.com

“O jovem não é o amanhã, ele é o agora.”
Betinho

 

 

 
 
 
 
 
 
 


 
 

 

 



Escrito por nicomedesoliveira às 19h07
[] [envie esta mensagem
]





Prefeitura realiza monitoramento da população de rua  
MONITORAMENTO − A Prefeitura de Teresina, através da Secretaria Municipal do Trabalho, Cidadanis e Assistência Social – Semtcas, está realizando o monitoramento da população de rua para evitar que crianças e adolescentes sejam usadas para atividades de mendicância.

O monitoramento é feito por educadores sociais de rua, num trabalho de parceria com o Conselho tutelar da Criança e do Adolescente, Ação Social Arquidiocesana e Assistência Militar da Prefeitura. Uma reunião realizada hoje(15), na sede da Semtcas, serviu para a definição de estratégias de controle da população de rua.

A secretária municipal do Trabalho, Cidadania e Assistência Social, Umbelina Jales, explicou que geralmente a população de rua chega a dobrar no período das festas de fim de ano. Mas este ano a presença de famílias carentes pedindo esmolas no centro da cidade e em alguns bairros cresceu assustadoramente.

Um levantamento preliminar realizado pelos educadores sociais identificou a presença de grande número de famílias vindas de outros estados como Maranhão e Ceará, além de pessoas que moravam no interior do Piauí e que estão alojadas de forma improvisada sob viadutos, pontes e até mesmo nas praças da cidade.

Algumas famílias argumentam que estão de passagem pelo Piauí, mas houve registro de crianças e adolescentes dessas famílias pedindo esmolas principalmente nos semáforos. Umbelina Jales explicou que as pessoas não estão proibidas de vir para Teresina. “O direito de ir e vir é universal, mas elas não podem usar crianças e adolescentes para pedir esmolas”, declarou a secretária ao informar que as famílias de outros estados serão abordadas e a Prefeitura viabilizar o recambiamento de todas elas para as cidades de origem.


Mais informações:
SEMTCAS
Secretaria Municipal do Trabalho, Cidadania e Assistência Social

Rua Firmino Pires, 121 – centro
CEP: 64.000-000 - Teresina-PI
(86) 3215–7587 / 32157485
Fax: (86) 3215-7586




Escrito por nicomedesoliveira às 18h56
[] [envie esta mensagem
]





Homens são maioria da população de rua no Brasil, mostra estudo
A maioria da população de rua no Brasil é composta por homens (80% a 85%) e, do total de homens e mulheres, entre 70% e 80% se situam na faixa dos 18 aos 50 anos, ou seja, são considerados economicamente ativos.

Esses números são da Nova – Pesquisa e Assessoria em Educação, entidade que desde 1973 atua na área educacional - incluindo trabalhos com moradores de rua - e estão no livro Direitos Humanos no Brasil 2 – Diagnóstico e Perspectivas, lançado na semana passada em Brasília.

A publicação traz o monitoramento da questão dos direitos humanos no país entre 2003 e 2006. São diversos artigos que abordam temas como reforma agrária, desenvolvimento e meio ambiente, justiça e segurança, crianças e adolescentes.

O foco do trabalho é “a realidade concreta das populações com direitos violados ou jamais conquistados”. De acordo com a Nova, os dados estão baseados nas poucas pesquisas existentes no país, e também no contato habitual com essa população.

Segundo a entidade, os principais fatores que levam essas pessoas a morar na rua, são desemprego, conflitos familiares, dependência química, doença mental, narcotráfico e falta de moradia.

Viver ao relento, assinala a Nova, equivale a condições de higiene inadequadas, alimentação precária, exposição às intempéries, aglomeração ao dormir, sexo sem preservativo, uso e abuso de álcool e outras drogas.

“Isso tudo se concretiza na ruptura com a vida cidadã, ruptura esta aceita submissamente por esse segmento social, e por nós que passamos a considerar ‘normal’ a sua presença”, destaca o artigo.

Em seguida, o texto ressalta que a grande maioria das ações – tanto dos governos quanto da sociedade civil – visa a satisfazer necessidades imediatas como roupas, alimentação, pernoite.

Acrescente-se a isso, prossegue a Nova, a prática freqüente de negar aos moradores de rua diversos serviços do Estado, como atendimentos nas áreas de saúde, trabalho, moradia e educação.

No triênio 2003/2006, ressalta a entidade, o desafio de dar uma resposta à situação dessa população deixou de ser uma urgência apenas para as cidades grandes e médias. Passou a ser, também, das cidades menores, devido ao aumento crescente dos moradores de rua no interior (o texto não cita números).

A Nova critica as autoridades pela falta de uma solução para o problema: “Os governos carecem de propostas claras de inclusão para esse segmento social e com muita freqüência ignoram a presença, o conhecimento e experiência da sociedade civil na construção de qualquer proposta”.

São parceiros na publicação do livro: Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), Processo de Articulação e Diálogo entre as Agências Ecumênicas Européias e Parceiros Brasileiros (PAD), Plataforma Brasileira de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, e as entidades da Miseror (Igreja Católica da Alemanha) no Brasil.
Fonte: DM online


Escrito por nicomedesoliveira às 18h55
[] [envie esta mensagem
]





MORADORES DE RUA CONHECEM OP
Cidade
09/04/2007 - 17:25:00
 
Reinaldo dos Santos, coordenador do Núcleo de Integrantes do Jornal Boca de Rua, delegado do Orçamento Participativo e fundador do Movimento dos Direitos dos Moradores de Rua de Porto Alegre, convidou a ONG Cidade para participar do processo de formação sobre OP com a população de rua da cidade.

Numa militância que busca conscientizar e organizar este segmento da população, Reinaldo tem oportunizado aos moradores de rua uma série de atividades. Este Ciclo sobre OP é mais uma delas.

Num cronograma que iniciou no dia 4 de abril com os moradores que freqüentam o Abrigo Bom Jesus (região Leste) e seguirá durante o mês de abril e maio por outros abrigos, será feito pela ONG Cidade um trabalho de formação sobre OP e que terá, além disso, o objetivo de contribuir para a organização e participação destes moradores nas Assembléias do OP de maio e junho.

Na reunião do dia 4 compareceram 35 pessoas, que com muito interesse conheceram os objetivos do OP, a dinâmica de funcionamento e manifestaram sua vontade de buscar no OP aquilo que eles consideram sua maior necessidade: Moradia. Além da moradia, eles também apontaram suas dificuldades em relação ao emprego e atendimento de saúde.

A próxima atividade será no Abrigo Marlene (Região Centro).
 


Escrito por nicomedesoliveira às 18h52
[] [envie esta mensagem
]





[ Matérias Editadas em Dezembro de 2005 ]

MDS financia programas para inclusão de população de rua
01-12-2005 18:12:35
Da Redação: Fonte - MDS

O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) destinará R$ 2 milhões aos programas de inclusão produtiva de populações de rua em grandes centros urbanos. O financiamento poderá ser destinado a órgãos governamentais e não-governamentais.


O objetivo é apoiar a estruturação de programas de geração de trabalho ou renda para populações de rua, que geralmente sobrevivem da coleta de lixo ou de doações. A novidade da portaria é o reconhecimento da atuação das organizações não-governamentais, que passam também a poder requerer financiamento.


Critérios - Entre os critérios estabelecidos de habilitação para o recebimento de verbas públicas federais, estão que a prefeitura ou entidade não-governamental faça pesquisa censitária, contagem ou levantamento da população em situação de rua no município; comprove a existência de trabalho estruturado com população de rua nas capitais ou em municípios com mais de 300 mil habitantes; tenha respondido ao questionário sobre população de rua enviado pela Secretaria Nacional de Assistência Social do MDS; disponha de sistema de monitoramento, inclusive com previsão de acompanhamento de indivíduos e famílias atendidas até seis meses após o retorno ao convívio familiar ou comunitário; assegure a proteção ao trabalho de adolescentes em conformidade com o Estatuto da Criança e do Adolescente; e comprove a existência de equipe técnica multiprofissional com perfil adequado para o trabalho com população de rua. Os municípios precisam, necessariamente, estar habilitados em Gestão Plena.



Escrito por nicomedesoliveira às 18h50
[] [envie esta mensagem
]






Usuários do abrigo da PMV apresentam coral natalino

 

 

Um almoço diferente, com direito a apresentação de coral, teatro e muita descontração marcou a despedida do ano de 2006 no abrigo da Prefeitura de Vitória, ao lado do Parque Tancredão, na última quarta-feira (13). Mais de 60 usuários do abrigo participaram de um almoço com o prefeito João Coser e com a secretária de Assistência Social, Ana Maria Petronetto Serpa. A surpresa ficou por conta da apresentação de um coral formado pelos próprios usuários, coordenados pelo professor Alessandro Santoro.

"Esta é a primeira vez que um prefeito vem nos visitar. Estamos felizes e satisfeitos com a visita", disse o jovem Alberto Porfírio, que participa dos programas ofertados pela Assistência Social. A coordenadora do Abrigo para a população de Rua de Vitória, Nildete Bremer de Oliveira, apontou os avanços conquistados durante o ano de 2006. "Temos 50 vagas e estamos coordenando o trabalho com a ajuda da Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais ( Adra).

O prefeito João Coser elogiou a apresentação e destacou as ações da atual administração voltadas para ampliar o acesso à cidadania e dignidade da população de rua. "Mais que fazer obras, temos investido em pessoas que lutam pela sobrevivência. Temos que aprender a viver com pessoas diferentes de nós e compreender que todos têm os mesmos direitos à cidadania", disse. (Adriana Menezes)

Alberto Porfírio, usuário do abrigo, agradeceu a presença de todos, ao lado de Nildete Bremer, coordenadora do abrigo. O prefeito João Coser conversou com diversos usuários do abrigo
Os pastores Gilmar Zan e Pedro representam a Adra, parceira no programa junto à prefeitura. Ana Maria Petronetto, destacou os avanços conquistados pela Semas em 2006 junto à população de rua.

 

 



Escrito por nicomedesoliveira às 18h46
[] [envie esta mensagem
]





Comissões - CAS
Comissão aprova projeto que beneficia população de rua

Pessoas com deficiência poderão ter seguro-desemprego de até seis meses, segundo projeto acolhido na CAS, que aprovou também programa para ajudar morador de rua

Antônio Carlos Valadares (D) preside reunião da Comissão de Assuntos Sociais em que foram votadas diversas propostas
A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) aprovou ontem, em decisão terminativa, projeto de lei que autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Nacional de Inclusão Social da População de Rua. A proposta (PLS 299/04), de autoria do senador Paulo Paim (PT-RS), tem a finalidade de oferecer a essa parcela da população oportunidades de qualificação profissional, além de proporcionar condições para inclusão social e assistência emergencial e permanente.

O programa, explicou o autor, será implementado mediante convênios entre a União, os estados, o Distrito Federal, os municípios e entidades privadas para atender às pessoas com renda inferior à linha de pobreza e que não possuem domicílio. Paim informou ainda que os recursos serão oriundos do Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza.

– Esse é um dos problemas mais críticos em relação à pobreza no país. O projeto de lei quer garantir o direito à cidadania para esses moradores de rua, população que chega a mais de 10 mil pessoas só na capital paulista – observou Paim.

Em seu relatório – lido por Eduardo Azeredo (PSDB-MG) –, Patrícia Saboya (PSB-CE) ressaltou que o projeto possui enorme alcance social, beneficiando um segmento extremamente vulnerável.

Em virtude de ser formada principalmente por menores, alertou Flexa Ribeiro (PSDB-PA), a população de rua constitui um problema grave. Rodolpho Tourinho (PFL-BA) sugeriu que a iniciativa privada participe efetivamente dos programas implementados pelo Estado.

A senadora Iris de Araújo (PMDB-GO) lembrou que a população de rua não se compõe apenas de crianças, mas também de adultos e idosos. Para ela, é necessário cobrar do governo o combate às causas dessa situação.

40087

Senador(es) Relacionado(s):


Escrito por nicomedesoliveira às 18h38
[] [envie esta mensagem
]





:: Categoria - Serviço social
COOPERATIVA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA DA POPULAÇÃO DE RUA
   
Cooperativas de trabalho resgatam a auto-estima da população de rua


Livro estuda a formação, trajetória e gestão das Cooperativas de Materias Reaproveitáveis


A inclusão da população de rua na sociedade por meio de cooperativas de trabalho é o tema do livro Cooperativa e a construção da cidadania da população de rua, publicado pela Editora Universitária Leopoldianum, da Universidade Católica de Santos.

A pesquisa do professor Paulo Lourenço Domingues Junior, mostra, em 122 páginas, as possibilidades da conquista da cidadania pelos moradores graças as cooperativas.

Segundo o autor, tentativas de inclusão social pelo trabalho vêm sendo feitas através de geração de emprego e renda, visando a recuperação da autonomia perdida diante da vida e da estruturação de identidades positivas. “Uma das tentativas consiste na realização das cooperativas de trabalho, possibilitando a união dos moradores de rua para vender o produto de seu trabalho diretamente às grandes fábricas e aos grandes atacadistas”.

No livro, o autor analisa a formação, trajetória e gestão da Cooperativa de Catadores de Papel, Aparas e Materiais Reaproveitáveis (COOPAMARE). E enfoca a possibilidade do surgimento de novos atores políticos a partir da condição de morador da rua e do trabalho de catador de papelão.

Editora Universitária Leopoldianum
Av. Conselheiro Nébias, 300 – 11015-002 – Vila Mathias – Santos – SP
Telefone: (13) 3205-5555, ramal 1236 – E-mail: leopoldianum@unisantos.br
Coordenador: Prof. Marcelo Luciano Martins Di Renzo – MTb: 11.008


 
Título: COOPERATIVA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA DA POPULAÇÃO DE RUA
Autor: Paulo Lourenço Domingues Júnior
Número de páginas: 122 páginas
Formato: 14 X 21 cm
ISBN: 85-15-02736-4
1ª Edição: 2003
 


Escrito por nicomedesoliveira às 18h35
[] [envie esta mensagem
]





Os Direitos de Quem Mora nas Ruas

O aumento da população de rua é um fenômeno mundial, gerado por sociedades que não permitem o acesso, com igualdade e justiça, aos bens nelas produzidos .

O trabalho da Coordenadoria e o Programa Cidade Cidadã estabeleceu ações para o resgate dos direitos destas pessoas, excluídos que nunca tiveram acesso ao trabalho, à moradia, à educação e nem à saúde. O objetivo é promover uma identidade coletiva numa camada da população em situação de risco social. A proposta desta frente de trabalho é criar parcerias envolvendo o poder público, os movimentos sociais, organizações não-governamentais e a sociedade civil; buscando a soma de experiências para a elaboração e viabilização de políticas sociais que contemplem a população de rua como parcela efetiva da cidade de Belo Horizonte.


Trajetória histórica da Frente População de Rua e Construção da Identidade Coletiva

O primeiro seminário com o tema "População de Rua", organizado pela Coordenadoria de Desenvolvimento Humano e Cidadania (CDHC), foi realizado em 1997. Nesse evento, foram levantados e nomeados os equipamentos públicos de atendimento à população de rua vinculados à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (SMDS).

Na mesma ocasião, foram caracterizados o trabalho realizado pela Pastoral de Rua da Arquidiocese de BH, o projeto Coleta Seletiva da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) e a Associação dos Catadores de Papel, Papelão e Materiais Reaproveitáveis de BH (ASMARE).

Ainda no primeiro semestre de 1997 foi lançado o Programa Cidade Cidadã - Frente População de Rua e Construção da Identidade Coletiva. Houve também a realização da Festa Junina da População de Rua, que teve como parceiros a CDHC, SMDS, SLU, Cáritas Regional MG, Pastoral de Rua da Arquidiocese de MG, Comoção Pastoral de Direitos Humanos, Movimento Direito e Cidadania, Fórum Mineiro de Saúde Mental e ASMARE. Marcando o final do primeiro semestre, a CDHC atuou no Fórum de População de Rua de BH, que já existe desde 1993 e pretende elaborar políticas públicas voltadas para a população de rua.

O segundo semestre foi marcado por dois eventos. O primeiro deles teve a participação da Irmã Cristina Bove da Pastoral da Rua da Arquidiocese de BH. Nomeado de "Semana de Direitos Humanos", o projeto integrou todas as frentes de trabalho da CDHC. Para fechar o ano e comemorar o centenário de BH, foi organizada a Caminhada da Cidadania que mobilizou moradores de rua e catadores de papel.

O ano de 1998 foi marcado por diversas atuações da CDHC em programas, fóruns e Assessorias. Esse empenho foi o responsável por muitos avanços nos benefícios concedidos à população de BH. Somente no primeiro semestre foram realizadas quatro assessorias: ao processo de legalização do Projeto da Marcenaria da ASMARE, ao processo do empreendimento e à comissão de saúde da mesma empresa e ao projeto de moradia da população de rua "Moradia para Todos".

A CDHC, neste período, participou do Fórum de População de Rua e do Carnaval dos Catadores de Papel. Igualmente importante foi a realização do primeiro Censo de População de Rua de BH e a reativação do informativo da ASMARE.

No segundo semestre, a Coordenadoria participou do Fórum de População de Rua (sendo esta uma atividade permante) e integrou a equipe de organização do primeiro Seminário de População de Rua intitulado "Rumo às Políticas Públicas". A equipe da CDHC participou de reuniões com as administrações Regionais (Centro sul, Noroeste Leste e Oeste) e com as equipes técnicas da República Reviver, Centro de Referência e Albergue Noturno Municipal. Estes últimos dois encontros integraram o projeto Pólos Reprodutores de Cidadania - UFMG e intencionavam a elaboração do diagnóstico dos equipamentos públicos municipais para a população de rua.

Ainda em 1998, o professor Pierre Sanchis coordenou o grupo de estudos sobre "cultura" da População de Rua, na qual a CDHC era parte integrante, juntamente com a SMDS, SLU e Pastoral de Rua. Com esta última, foram discutidos "os direitos dos moradores de rua", na tentativa de remoção de alguns deles do viaduto Francisco Sales, sob intervenção da Administração Regional Centro Sul.

Em 1999, além de ter integrado o Fórum de População de Rua, a Coordenadoria participou do "Grupo de Governo sobre População de Rua". Foi dada continuidade ao Diagnóstico dos equipamentos públicos de atendimento à população de rua, iniciado no ano anterior, e elaborada a terceira etapa do primeiro censo deste grupo (Diagnóstico Participativo Urbano - DPU). A realização do DPU teve o objetivo de construir, em conjunto com os desabrigados, alternativas de trabalho e moradia. O empenho em viabilizar oportunidades de trabalho ficou visível em pesquisas de viabilidade de mercado, feitas pela Coordenadoria em parceria com o Unicentro Newton Paiva. O objetivo era a criação de novas categorias profissionais na ASMARE para absorver o trabalho de moradores de rua. Foi preparada a ECOAR, uma casa na qual foram expostos os trabalhos das oficinas de geração de trabalho e renda de desabrigados e jovens e adolescentes, filhos de catadores de papel. As entidades participantes foram: Comunidade Amigos de Rua, Criantes de Santa Tereza e Marcenaria da ASMARE.

Fechando o ano de 1999, foi elaborado o Projeto de Lei que viabiliza políticas públicas de atendimento à população de rua no município de Belo Horizonte.



Escrito por nicomedesoliveira às 18h32
[] [envie esta mensagem
]





População de Rua


Serviço Permanente de Recolhimento e Proteção Especial

Tem por finalidade a abordagem das pessoas que se encontram em situação de rua para informá-las dos serviços prestados pela Secretaria, e no caso de concordância, encaminhá-las e transportá-las aos equipamentos para abrigamento. Essa atividade é desempenhada pela Central de Atendimento Permanente - CAP - ,durante todo o ano.
Nos meses de junho a setembro - "Operação Inverno" -, intensifica-se o atendimento através de rondas preventivas e constantes por toda a cidade. Esse serviço deve ser acionado pelo telefone 199.


Abrigo Emergêncial

AbrigoServiço destinado às pessoas encaminhadas pela Central de Atendimento Permanente - CAP - ou por procura espontânea. Oferece pernoite, alimentação sólida, higiene e guarda de pertences. Normalmente funciona nos meses de junho a setembro (Operação Inverno). As vagas são preenchidas por ordem de chegada.
Os abrigos funcionam de segunda a segunda das 17h30 às 09h30.

Locais de Atendimento


Albergue

Jantar no AlbergueServiço destinado ao acolhimento para pernoite, alimentação, guarda de pertences, atendimento social e reintegração social. Atendimento noturno permanente durante todo o ano; as vagas são reservadas de acordo com o estudo social de cada usuário. Os albergues funcionam de segunda a segunda das 17h30 às 07h30.Locais de Atendimento

Alguns dos alberques trabalham com projetos 24 Horas, que têm como objetivo criar oportunidades para que moradores de rua possam retornar a uma vida estruturada com trabalho e moradia. Oferecem abrigo, alimentação, banho, corte de cabelo, encaminhamento a recursos de saúde, auxílio para obtenção de documentos, atividades sócioeducativas e profissionalizantes.

Locais de Atendimento


Moradia Provisória

Serviços destinados a pessoas inseridas no mercado formal ou informal de trabalho, porém sem condições de assumir financeiramente os gastos com moradias e que já sejam atendidas pela rede de serviços existente. São desenvolvidas atividades e vivências, buscando a co- responsabilidade dos moradores. Informações Locais de Atendimentonas SAS/Regionais .




Casa de Convivência

Alimentação Espaços oferecidos à população de rua com prestação de serviços no período diurno, voltados ao atendimento de necessidades básicas de abrigo, higiene, alimentação, guarda de pertences, serviço de documentação, bem como ao desenvolvimento de atividades sócioeducativas, Locais de Atendimentorecreação e lazer que estimulem a convivência e a organização grupal.


Qualificação Profissional

Cursos ProfissionalizantesConjunto de ações no âmbito da profissionalização (cursos e oficinas). Visa a requalificação e valorização da população de rua, buscando sua inserção no mercado de trabalho



Escrito por nicomedesoliveira às 18h31
[] [envie esta mensagem
]





Alegria dá a receita para promoção da saúde entre população de rua

Uma iniciativa inusitada está levando informação e conhecimento sobre saúde à população de rua no Rio de Janeiro. Sociólogo, mestre em Saúde Pública pela Unicamp, Marcus Vinícius Campos criou o personagem do Palhaço Matraca, encarnado por ele mesmo, para levar cidadania e educação à população de rua, em um trabalho de promoção da saúde que une arte e pesquisa acadêmica. A atividade foi retratada no documentário Matraca e o povo invisível , que teve sua primeira exibição ontem, quarta-feira, encerrando o projeto Todo O Mundo da Rua no SESC Niterói. O filme faz parte do projeto de doutorado em Ensino em Biociências e Saúde desenvolvido por Marcus Vinícius no Instituto Oswaldo Cruz (IOC) e é a conclusão de um trabalho de campo iniciado há três anos.

“Eu sempre gostei de palhaço e sempre vivi a dicotomia entre arte e ciência. Consegui encontrar na educação não-formal um nicho ainda pequeno, porém em crescimento, que acaba com essa dicotomia e integra essas duas vertentes do conhecimento”, o pesquisador relata. “Quando fui para campo como palhaço, percebi o potencial absurdo de linguagens que existe entre moradores de rua, profissionais do sexo e o cidadão comum e o quão distante a academia está dessa realidade”. No documentário, a integração entre o conhecimento acadêmico e a realidade das ruas é feita pela sobreposição de diferentes discursos, expostos pelo depoimento de moradores e ex-moradores de rua, profissionais do sexo, deputados, educadores e profissionais de saúde.

As doenças sexualmente transmissíveis
são um dos temas abordados pelo sociólogo
em seu trabalho de campo

A experiência como palhaço de rua mostrou ao pesquisador como a alegria é fundamental para a promoção da saúde. “O objetivo da minha tese de doutorado é investigar o uso da arte do palhaço como estratégia para divulgar e promover saúde em população de rua, através do conceito Alegria para Saúde”, apresenta. “Por estar também à margem da sociedade, o palhaço consegue uma aproximação maior com a população de rua. Através de brincadeiras lúdicas é capaz de multiplicar informações sobre saúde e educação e promover a cidadania”, conclui.

Por Renata Fontoura e Bel Levy
30/03/2006



Escrito por nicomedesoliveira às 18h25
[] [envie esta mensagem
]






Atendimento para a população de rua de Curitiba é insuficiente - 14/02/2005
Até março, a prefeitura fará um levantamento sobre os meninos de rua da cidade

Embora não existam estatísticas oficiais, é evidente o aumento do número de pessoas que moram nas ruas de Curitiba, muitas delas crianças e adolescentes. Esses indivíduos são encaminhados a uma das 74 instituições que agem em parceria com a Fundação de Ação Social (FAS), órgão municipal. A FAS reconhece o aumento da população das ruas e diz que todas as instituições que formam a rede de proteção social na cidade estão lotadas. Por solicitação do Ministério do Desenvolvimento Social, que está fazendo uma pesquisa nacional sobre os meninos em situação de rua, a Fundação vai fazer até março, um levantamento sobre a condição destes garotos em Curitiba.

Mandirituba-PR- A chácara Meninos de Quatro Pinheiros abriga 86 crianças e adolescentes entre seis e 18 anos. Na propriedade, além de abrigo, eles recebem tratamento médico, vão à escola e participam de atividades diversas. De acordo com o coordenador da instituição, Fernando Francisco de Góis, a chácara está atendendo além da sua capacidade. E, todos os dias, a entidade recebe cerca de 30 solicitações de vagas para novos garotos. De acordo com Góis, a situação dos meninos de rua está cada vez pior. “Quando eu comecei a fazer abordagens nas ruas, em 1984, não se encontravam crianças tão novas vivendo nas ruas. Hoje, têm meninos de cinco anos até menos vivendo dessa maneira, sem falar do estrondoso crescimento”, diz o coordenador.

Exemplo- A líder comunitária Eva Rosane Vieira é um exemplo de ex-moradora de rua que conseguiu dar a volta por cima. Eva foi criada em uma família que sofria com a violência, o que a levou às ruas com 12 anos. Nesta situação conheceu as drogas e a criminalidade. Mas conseguiu mudar de vida e hoje atua no Clube das Mães em um bairro da periferia de São José dos Pinhais-PR.

Fonte: (O Estado do Paraná, p.22 – Sâmar Razzak, 13/2)


Escrito por nicomedesoliveira às 18h24
[] [envie esta mensagem
]





Cidadania

População de rua cresce em BH

Censo feito pela prefeitura, em parceria com o governo federal, mostra que o número de sem-teto aumentou 27%, em oito anos. Maioria sonha com moradia e em formar família

27 de julho de 2006

Há 1.164 moradores de rua em Belo Horizonte, o que representa um crescimento de 27% nos últimos oito anos. Esse número é resultado do segundo censo da população carente da capital, feito pela prefeitura, em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), e que será divulgado em 22 de agosto, no 5º Festival de Lixo e Cidadania. São 248 pessoas a mais em relação ao primeiro levantamento, realizado em 1998, que constatou a presença de 916 mendigos vivendo sob viadutos e marquises. O aumento mostra ainda que o poder público e a sociedade têm muito o que fazer para reduzir a pobreza na cidade. Também aumentou a sensação de insegurança de parte da população, devido ao consumo de drogas e álcool em áreas residenciais por alguns sem-teto.
O crescimento do número de moradores de rua vem acompanhado de várias histórias. Todas tristes, mas muitas revelam a esperança de um final feliz, como a de Alexandre Firmino Barbosa, de 23 anos. Ele já teve família, serviu ao Exército e concluiu a 8ª série. Mas viu sua vida mudar como em um pesadelo, quando perdeu a mãe de criação, com quem morava numa casa alugada no Bairro Ipiranga, na região Nordeste. “Infelizmente, ela morreu e eu não tinha como pagar o aluguel. Há quase dois anos estou neste passeio”, diz Alexandre, que vive com outras três pessoas (duas são mulheres) sob uma marquise da Rua Pio XI, no mesmo bairro.
Os quatro dividem um velho sofá, um colchão gasto, alguns utensílios de cozinha e um fogão improvisado. L.J.S., de 17, é o único menor do grupo: “Estudei só o primeiro ano e saí de casa há sete anos. Vigio e lavo carros para conseguir dinheiro”. Daniela do Carmo Silva, de 19, uma das mulheres, acredita estar grávida do primeiro filho. Ela prepara a comida: “Morava no Santo André e resolvi sair de casa. Confesso que esta vida de dormir ao relento é difícil. A gente vê muita coisa ruim. Meu maior sonho é ter novamente um lar e uma família”. Esse é o desejo da maioria dos moradores de rua, embora muitos tenham saído de casa por desentendimento com pais, irmãos, marido ou mulher.
“Há um número reduzido de famílias (casais e filhos) vivendo na rua. A maioria das pessoas é solteira”, reforça a assistente social do MDS Lúcia Lopes, que participou do levantamento. Ela diz que 80% são homens e têm entre 35 e 55 anos, uma faixa etária que preocupa o poder público. O motivo é que têm maior dificuldade para ingressar ou voltar ao mercado de trabalho. “É uma faixa de idade produtiva. Muitos tiveram relação com o trabalho. Além disso, 30% responderam que a maior expectativa é de conseguir um emprego permanente”.
Esse é o sonho de João Carlos Silva, de 26. Ele morava em Montes Claros, no Norte de Minas. Lá, era mecânico, mas disse que ganhava pouco e decidiu tentar a sorte na capital. Desde que chegou, há cerca de seis meses, não conseguiu serviço. Conseqüentemente, entrou para a triste estatística. Barbudo, sem tomar banho há vários dias, dorme perto da rodoviária, no Centro. Tem o ensino fundamental completo. “Não sou casado. Não tenho filhos. Vim para cá, mas não está dando certo. É humilhante, mas para comer tenho que pedir”, lamenta.

ALBERGUES Para fugir das noites frias, alguns moradores de rua buscam vagas nos abrigos ou nas repúblicas mantidas pela prefeitura, algumas em parceria com instituições filantrópicas. Mas a sorte é para poucos: apenas 570 pessoas conseguem lugar para dormir. O Albergue Municipal São Cristóvão, que fica ao lado da Pedreira Prado Lopes, na região Noroeste, é só para homens e tem capacidade para 300, das 16h às 7h. Outros 180 mendigos, de ambos os sexos, correm para o Abrigo São Paulo, mantido pela prefeitura, em convênio com a Sociedade São Vicente de Paulo. Já as repúblicas Maria Maria (50 mulheres), na Lagoinha, e Reviver (40 homens), na Floresta, funcionam em tempo integral.
Foi na Maria Maria que Simone Januário, de 27, achou conforto para amenizar seu sofrimento. Ela morava em São Paulo, onde nasceu, mas deixou a família aos 19 anos. “Não dava certo com meus pais e vim para BH, em busca de algo mais na vida”. Nesses oito anos, ela teve dois filhos: “A minha menina, de 5 anos, fica comigo no albergue. O mais novo, de 4, está com uma mulher, que o cria para mim. Tenho vontade de reunir minha família em um lar”.
A gerente de coordenação das Ações para a População de Rua em BH, Sandra Silas, lamenta a estatística e reconhece que o balanço poderia ser pior não fossem alguns programas criados pelo poder público. Um deles é o Bolsa-Moradia, que beneficia cerca de 300 famílias na capital. “São R$ 200 repassados a elas. O programa tem acompanhamento social e um técnico confere, entre outras coisas, se as crianças estão estudando”, afirma. Além do poder público, algumas pessoas também ajudam, com alimentos e roupas. Outras alegam que são vítimas de pequenos furtos e se sentem incomodadas por moradores de rua, que andam embriagados ou drogados.


FONTE: www.estaminas.com.br, em 27/07/2006



Escrito por nicomedesoliveira às 18h23
[] [envie esta mensagem
]





SOBRE A POPULAÇÃO DE RUA EM SITUAÇÃO DE RISCO

A população em situação de rua, constituída por pessoas que não têm moradia, vive sob as marquises, viadutos e nas avenidas, pernoita em albergues, nos logradouros da cidade, em casas abandonadas, cemitérios, carcaças de veículos, terrenos baldios ou em depósitos de papelão e sucata, em situação de absoluta exclusão social. São pessoas carentes não só de recursos materiais, mas carentes de atenção, carinho e amor. Elas não existem para o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

clique nas fotos p/ ampliar

Uma vez que não possuem casa, não participam de censos demográficos, embora estejam cada vez mais presentes nas ruas, no comércio e nos lugares públicos. Em 2003 a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), por meio de contrato com a Prefeitura de São Paulo, realizou contagem da população de rua, registrando 10.394 pessoas nessa situação. Desses, 6.186 foram localizados nas ruas e 4.208 em albergues. Em sua maioria são do sexo masculino (84%), não brancos (64%),de 41 a 55 anos de idade (35%).
Foram encontrados em todos os 96 distritos administrativos da cidade, predominando nos mais centrais e na região sudeste da cidade, onde o comércio e serviços se concentram, facilitando a obtenção de alimentos e recursos financeiros; em contrapartida, durante a noite esses locais são despovoados, transformando-se em abrigos. Apesar das diferentes causas possíveis para a rua ser adotada como lar, seus moradores partilham inúmeras características.

clique nas fotos p/ ampliar

São vítimas do desemprego, da falta de moradia, de fracassos pessoais, desamparo institucional, do aumento da miséria provocada pelo descaso e pela falta de vontade política. São pessoas para as quais algumas das instituições básicas da sociedade como propriedade privada e família deixaram de existir.
Além desses fatores, algumas pessoas também vão às ruas em decorrência de problemas mentais, abuso de drogas lícitas e ilícitas e/ou por vontade própria. E temos que respeitar o direito de gente que não quer sair da rua. Cada um tem seu nível de abandono, de violência e direito a escolhas.Há uma sistemática tentativa de esconder a população em situação de rua dando a falsa impressão de que o problema não existe.

clique nas fotos p/ ampliar

A ordem parece ser apenas retirar, impedir que pessoas fiquem na rua. Mas levá-las para onde? Há investimentos em moradias provisórias, em construção de melhores abrigos, programas de locação social e bolsa aluguel?Usuários da maioria dos albergues os comparam a cadeias, os consideram pior do que a própria rua - banho frio no inverno às 5 horas da manhã, violência e desrespeito.
Em vez de permitir que o desconforto seja escondido, a sociedade precisa, num esforço multidisciplinar, finalmente encará-lo, para, junto com a própria população de rua, apontar saídas e alternativas "A inclusão das pessoas em situação de rua depende, em grande parte, de uma transformação individual, mas também de uma mudança de atitude da sociedade, da mídia e dos governos."

A rua como palco de transformações" Marcio Seidenberg

Jornalista e colaborador da Organização Civil de Ação Social

clique nas fotos p/ ampliar



Escrito por nicomedesoliveira às 18h22
[] [envie esta mensagem
]





Movimentos Sociais| 05/03/2007 | Copyleft

CONTRA A INVISIBILIDADE E O ABANDONO

Governo e moradores de rua discutem promoção de políticas

Grupo de Trabalho Interministerial (GTI) vai elaborar censo amplo e detalhado e coordenar ações que tenham como foco a promoção dos direitos dos moradores de rua. Para movimento, programas de assistência social são insuficientes.

BRASÍLIA - Presentes no cotidiano brasileiro, os moradores de rua sempre foram relegados a uma posição de invisibilidade e abandono por parte tanto da sociedade quanto do Estado. Para tentar mudar esta situação, o governo federal montou um Grupo de Trabalho Interministerial (GTI) que vai produzir um diagnóstico e coordenar ações governamentais que tenham como foco a promoção dos direitos desta parcela da população. Em reunião na última quinta-feira (1º), os sete ministérios que dele participam se reuniram para o início dos trabalhos.

“Já vínhamos financiando atividades e projetos como pesquisas, manutenção de redes de acolhida temporária [albergues], iniciativas de capacitação e de melhoria da qualidade de vida destas pessoas, mas agora vamos fazer uma ação mais efetiva, envolvendo os ministérios”, explica Marlene Azevedo Silva, diretora do Departamento de Proteção Social Especial do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS). Para identificar os problemas emergenciais e estruturais dos moradores de rua, uma primeira medida já definida no âmbito do GTI será a realização de um censo com vistas a produzir um diagnóstico sobre a situação deste contingente de pessoas em 60 cidades com mais de 30 mil habitantes.

Os dados existentes hoje são de um levantamento preliminar feito pelo MDS junto a 49 cidades com mais de 300 mil habitantes. O referido estudo identificou a presença de 27 mil pessoas vivendo nesta situação, com forte predominância do sexo masculino - em um índice que chegou a 80% dos entrevistados - entre este grupo social. No que toca a cor, a maior ocorrência é de pardos e negros que, juntos, somam até 65% desse segmento populacional. O planejado censo pretende dar uma visão mais fiel da realidade, uma vez que esse estudo realizado em 2004 pelo MDS foi baseado em respostas de questionários aplicados por parte das prefeituras municipais e pode ter refletido algumas inconsistências.

Outra iniciativa para trazer uma visão mais aprofundada sobre o problema se concretizou com o convite para que o Movimento Nacional da População de Rua (MNPR) faça parte do GTI. Na avaliação do MNPR, é preciso enfrentar os diversos fatores que levam uma pessoa a esta condição. Entre os principais está a dificuldade de sustentar os custos de vida, em especial aqueles relacionados à moradia. “A maioria do problema em si é dificuldade de se pagar um aluguel, que hoje está muito difícil”, explica Sebastião Oliveira, da equipe de articulação do movimento. Ele aponta como principal razão deste quadro a queda da renda da população mais pobre. “Antes era possível pagar quartinhos. Hoje não existe esta possibilidade”.

Outro motivo apresentado consiste na perda de vínculos familiares, que se dá tanto entre pessoas na linha da miséria quanto entre pessoas com algum poder aquisitivo que, por conta de separação ou expulsão do lar, acabam nas ruas. Esse tipo de situação é bastante comuns no caso dos jovens. “Há pessoas estruturadas que estão nessa situação por problemas familiares. No caso de muitos jovens, o uso de drogas serve como razão para saírem ou serem expulsos”, comenta Oliveira.

Medidas
Mesmo antes do resultado do censo governamental, o movimento cobra ações emergenciais do GTI. Algumas delas aparentemente simples, como fornecer banheiros públicos. “Para quem mora na rua não tem isso [banheiro]. Só o fato de ter que usar a rua como banheiro afasta a pessoa como ser humano”, comenta Sebastião de Oliveira.

Outras são mais estruturais e dizem respeito a dívidas histórias para com a população mais pobre do país, como uma política mais efetiva de geração de renda para as pessoas em situação de miséria e programas de moradia popular voltadas à restituição de um espaço físico para estas pessoas. Segundo o representante do MNPR, esta medida em especial é essencial frente ao pouco êxito dos albergues como solução para moradores de rua. “Está mais do que provado hoje que a assistência social não dá conta de parar a situação das pessoas morando na rua, porque albergue é temporário”, afirma.

Outro problema que voltou a freqüentar as páginas de jornais é o da segurança. Não na ótica da população de rua como autora de crimes, mas como vítimas da violência cometida por agentes do Estado. Um dos pontos da pauta do MNPR ao GTI é a realização coordenada de ações que pelo menos evitem ações como a retirada de moradores de rua de maneira forçada dos locais mais freqüentados por pessoas de maior poder aquisitivo, dentro da própria cidade, ou dela para outros municípios do interior. Isso sem falar na necessidade de coibir e punir devidamente casos mais extremos, como a execução sumária de moradores de rua, como nos caso do massacre em São Paulo (saiba mais sobre protestos contra a violência policial e manifestações que relembraram as execuções em 2004).

O MNPR reivindica ainda o acesso a programas de assistência, sobretudo os de transferência de renda. Em muitos casos, a falta de endereço e renda comprovada é colocada como um impeditivo para que uma família ou pessoa possa requerer benefícios como o Bolsa Família.



Escrito por nicomedesoliveira às 18h20
[] [envie esta mensagem
]





TRIBUNA DA BAHIA • CIDADE • 8/2/2007
774 mil vivem abaixo da linha de pobreza
O contexto social da cidade de Salvador é marcado por graves índices de desigualdade, onde cerca de 44% da população (774 mil pessoas) vive na linha abaixo da pobreza, segundo o Censo do IBGE de 2000. Vítimas da exclusão social, muitas pessoas acabam sendo obrigadas a viver nas ruas, em um mundo onde diversas vertentes os colocam em situação de perigo ou vulnerabilidade. Vão para as ruas por conta da desestruturação familiar, desemprego, pobreza, mendicância. Outros motivos estão ligados ao uso ou tráfico de drogas, prostituição, exploração sexual, violência, roubos, furtos, etc. “Todas são vítimas de uma sociedade desigual que as privam de seus direitos básicos. A maioria desconhece, até, que tem direitos”, observou o secretário Carlos Ribeiro Soares, da Secretaria Municipal do Desenvolvimento Social (Sedes).
Soares diz que a Política Municipal de Atenção à População de Rua de Salvador vem se estruturando de forma mais sistemática desde a implementação do “Projeto Resgate da Cidadania da População de Rua”, concebido em 2004, em parceria com o Governo do Estado da Bahia, através da Secretaria de Combate à Pobreza e às Desigualdades Sociais, antiga Secomp.
O convênio com o Governo do Estado terminou em março do ano passado e não foi renovado. Desde então o município vem mantendo com recursos próprios o pagamento de aluguéis para 412 famílias de ex-moradores de rua.
Cada família recebe mensalmente R$ 100,00 para pagamento de aluguel, mais R$ 50,00 para auxílio alimentação. “No total, 1.600 pessoas são beneficiadas, afora as cerca de 300 que vivem nas unidades de acolhimento temporário da prefeitura, na Baixa dos Sapateiros e Largo de Roma, recebendo 03 refeições diárias e desenvolvendo atividades sócio-educativas e cursos de alfabetização, com vistas a inclusão social”, contabilizou o secretário.
O proposta da prefeitura se baseia em eixos de atuação, que vão desde o acolhimento até a reintegração social. “Nossa equipe social utiliza a metodologia da sensibilização da população-alvo e seu acolhimento. Investe prioritariamente na efetiva integração social auto-sustentada, através de ações sócio-educativas e de atividades de capacitação e qualificação profissional, promovendo o reconhecimento da pessoa em situação de rua como cidadão de direitos”, explicou Soares
Salvador, com área de 709,5 Km e população equivalente a 2.520.504 habitantes, segundo dados apresentados pela Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio (PNAD) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, em 2002, constitui-se numa das metrópoles brasileiras com um dos mais alarmantes Índices de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM).
Segundo indicadores analisados pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI) e em pesquisa realizada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), a capital baiana apresenta IDHM equivalente a 0,805, ocupando a 471ª posição no ranking nacional.
Cerca de 774.000 pessoas vivem na linha da pobreza ou abaixo dela na capital baiana, com renda domiciliar per capta inferior à metade do salário mínimo, o que corresponde a 30,7% da população.
Como conseqüência da pobreza, é comum nas metrópoles brasileiras e notadamente em Salvador, a existência de contingente significativo de pessoas moradoras de rua, apesar de ser praticamente impossível estimar, com precisão, seu número real. “Não existem dados censitários sobre a população de rua. O IBGE não disponibiliza informações de um recenseamento a respeito dessa categoria social. Sabemos que é extremamente complicado realizar um levantamento como esse”, frisou o secretário da Sedes. “As pessoas que vivem na rua têm grande mobilidade espacial e social. A grande maioria não é morador de rua, mas permanece nas ruas por algum período, se deslocando para a residência em algum período”.



Escrito por nicomedesoliveira às 18h18
[] [envie esta mensagem
]





Visita do Papa legitima política de "criminalização da pobreza" PDF Imprimir E-mail
Escrito por Mateus Alves   
20-Abr-2007

Apesar de reconhecer também a perenidade da questão da população de rua em São Paulo, Sebastião Nicomedis, do Movimento Nacional dos Moradores de rua, explica que a higienização em São Paulo está realmente se radicalizando com o vinda de Bento XVI ao país. "A prefeitura realiza operações para recolher objetos dos moradores de rua, pressionando-os a deixar o local onde estão", diz.

 

As operações "cata-bagulho", nome dado às coletas de pertences dos moradores de rua, acontecem principalmente na região da Sé e no vale do Anhangabaú. "É só ir lá a qualquer hora do dia que é possível ver o que a prefeitura está fazendo; mas, de noite, quando não é necessária nenhuma discrição, a coisa é pior ainda: mandam caminhões-pipa lavarem o local, molhando todos os que estão dormindo", diz Nicomedis.

 

O militante relata ainda que tais operações não estão ocorrendo somente em São Paulo, mas também em Aparecida, onde Bento XVI deverá realizar uma missa. "Lá, os bispos estão mandando a população da rua para albergues, e, quando não há nenhum vago, os mandam para outras cidades, para São Paulo".

 

A chegada do papa ao Brasil será no dia 09 de maio. Até lá, o processo de remoção da população de rua em localizações no roteiro do pontífice deverá continuar, maquiando a realidade brasileira para a comissão do Vaticano e ainda para as lentes de todo o mundo que a acompanhará durante a estadia de Bento XVI no país que contém a maior população católica do mundo.

 

 

Mateus Alves é jornalista.



Escrito por nicomedesoliveira às 18h11
[] [envie esta mensagem
]





Visita do Papa legitima política de "criminalização da pobreza" PDF Imprimir E-mail
Escrito por Mateus Alves   
20-Abr-2007

 

A mídia brasileira, recentemente, vem dando atenção à política de combate à população de rua que está sendo levada a cabo pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (Democratas), no centro da cidade. Tamanha atenção está vinculada à chegada do papa Bento XVI ao Brasil e à sua visita ao centro da capital paulistana. Bento ficará hospedado no Mosteiro de São Bento e deverá se reunir com bispos paulistanos e outras autoridades na Catedral da Sé, ambos locais pertencentes à região onde está sendo promovida uma “higienização” por meio da expulsão daqueles que vivem em suas ruas - cerca de 12 mil pessoas, de acordo com dados recentes.

 

“O problema que envolve a população de rua é muito complexo, não pode ser tratado como algo circunstancial”, esclarece a irmã Regina Maria Manuel, da Organização de Auxílio Fraterno, uma das entidades atuantes no combate à penúria dos moradores de rua em São Paulo. Segundo ela, a situação é permanente e não algo esporádico, embora tenha sido agravada pelo cancelamento das políticas criadas pela prefeita petista uma vez que José Serra, do PSDB, assumiu a prefeitura de São Paulo em 2005. “O Bolsa-aluguel, a criação de moradias provisórias, o aluguel social, todos estes projetos foram suspensos”, diz.

 

Há questionamentos quanto à eficácia de tais políticas durante o governo PT na cidade, tanto no que se refere a uma efetividade limitada como à sua incapacidade de conduzir a mudanças estruturais de prazo mais longo. Porém, Regina enfatiza que, diferente dos dias atuais, havia diretrizes e a lei de atenção à população de rua era observada. “Hoje, o albergue, que era algo provisório na rota de escape das ruas, se transformou em algo quase que permanente”, diz. Atualmente, há 6.750 albergados na cidade de São Paulo, e alguns deles já se encontram na mesma situação há anos.

 

“Como resposta às manifestações e questionamentos de moradores de rua que reivindicam melhores condições, a prefeitura diz que não há orçamento para isso. Mas quem faz o orçamento não é o prefeito?”, questiona a irmã.

 

A falta de poder político da população de rua paulistana prejudica a obtenção de ganhos no combate à situação precária, assim como o apoio mínimo de outros setores da sociedade. Para o padre Oscar Beozzo, outro religioso que se empenha na defesa dos moradores de rua em São Paulo, "a única maneira de se conseguir algum avanço é por meio de protestos e procurar que a Justiça resguarde os direitos desses cidadãos, já que a mídia e mesmos outros movimentos sociais não demonstram apoio". A execração feita pela mídia foi claramente exemplificada em recentes ataques da revista Veja ao padre Júlio Lancelotti, histórico defensor da população de rua paulistana.

 

Apesar de reconhecer também a perenidade da questão da população de rua em São Paulo, Sebastião Nicomedis, do Movimento Nacional dos Moradores de rua, explica que a higienização em São Paulo está realmente se radicalizando com o vinda de Bento XVI ao país. "A prefeitura realiza operações para recolher objetos dos moradores de rua, pressionando-os a deixar o local onde estão", diz.

 

As operações "cata-bagulho", nome dado às coletas de pertences dos moradores de rua, acontecem principalmente na região da Sé e no vale do Anhangabaú. "É só ir lá a qualquer hora do dia que é possível ver o que a prefeitura está fazendo; mas, de noite, quando não é necessária nenhuma discrição, a coisa é pior ainda: mandam caminhões-pipa lavarem o local, molhando todos os que estão dormindo", diz Nicomedis.

 

O militante relata ainda que tais operações não estão ocorrendo somente em São Paulo, mas também em Aparecida, onde Bento XVI deverá realizar uma missa. "Lá, os bispos estão mandando a população da rua para albergues, e, quando não há nenhum vago, os mandam para outras cidades, para São Paulo".

 

A chegada do papa ao Brasil será no dia 09 de maio. Até lá, o processo de remoção da população de rua em localizações no roteiro do pontífice deverá continuar, maquiando a realidade brasileira para a comissão do Vaticano e ainda para as lentes de todo o mundo que a acompanhará durante a estadia de Bento XVI no país que contém a maior população católica do mundo.

 

 

Mateus Alves é jornalista.

 



Escrito por nicomedesoliveira às 18h08
[] [envie esta mensagem
]






Pesquisa avalia políticas públicas voltadas para a população de rua do Rio

Investigar as políticas públicas existentes para a população que vive nas ruas, despertar a necessidade do estudo desse tema na academia e nas universidades e levar essa realidade ao conhecimento da sociedade são os objetivos da dissertação de mestrado Construção de políticas públicas para a população em situação de rua no município do Rio de Janeiro: limites, avanços e desafios, apresentada pela aluna Monica Lucia Gomes Dantas, do Programa de Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp) da Fiocruz.

 Passeata de moradores de rua (Foto: Casa de Convivência Porto Seguro)
Passeata de moradores de rua (Foto: Casa de Convivência Porto Seguro)

O trabalho de campo de Mônica foi feito com gestores e um assessor técnico do Programa Rede Acolhedora, da Subsecretaria de Proteção Social Especial da Secretaria Municipal de Assistência Social do Rio de Janeiro, que cuida da população de rua, e também com ONGs que desenvolvem trabalhos com essa população. “Constatei que, além de essa população sofrer muitos preconceitos e ser estigmatizada, também existe um certo vazio de informações sobre o problema, contribuindo assim para sua ‘invisibilidade’. Tive grande dificuldade para obter informações e dados sobre o perfil dos moradores de rua no município do Rio. As análises e pesquisas produzidas no âmbito do projeto Meio Fio da ONG Médicos sem Fronteiras, do Departamento de Sociologia da Uerj, por meio do professor Dário de Souza, e alguns dados fornecidos pela Secretaria Municipal de Assistência Social, neste aspecto, foram cruciais para a minha dissertação”. Além disso, um estudo feito pela professora Sarah Escorel, da Ensp, que resultou no livro Vidas ao léu, também representou uma importante fonte de dados e inspiração teórico-metodológica para a pesquisadora.

Autoridades e academia têm pouco interesse pelo assunto, diz pesquisadora

De acordo com Mônica, essa população é pouco conhecida e percebida em suas especificidades e singularidades. Neste aspecto, a tarefa de mapear tais grupos e dar visão a sua trajetória é muito importante e talvez a organização de um censo possa contribuir fortemente para a elaboração de políticas públicas que sejam efetivas. Os programas existentes hoje no âmbito do município do Rio ainda são pouco adequadas às exigências complexas desta população. O importante, para Mônica, é primeiro conhecer as lacunas e fragilidades das ações realizadas hoje, para subsidiar novos aprendizados. “A grande fragmentação das políticas voltadas para a população de rua prejudica o conhecimento e a eqüidade. Com isso os programas na área acabam não conseguindo se manter por muito tempo. Existe também grande dificuldade de comunicação entre as instâncias governamentais e entre as próprias secretarias municipais. Além disso, contamos com o fator do pouco interesse das autoridades, das universidades e da academia no que se refere ao estudo do tema”. Assim a visão dessa população para a sociedade e órgão do poder público continuam sendo grupos homogêneos de pobres do ponto de vista monetário e carregam especificidades e heterogeneidades que vão desde a expulsão de suas casas pelo tráfico de drogas, como experiências de desemprego, emprego precário e rupturas familiares.

Dentro do programa Rede Acolhedora, Mônica pesquisou também o projeto E Agora Só Falta Você, que funciona como porta de saída ou possibilidade de reinserção social para a população em situação de rua. Seu objetivo é encaminhar o beneficiário a um ambiente de trabalho e promover a reinserção social, para que ele possa sair do sistema de proteção da prefeitura. “O problema é que muitas pessoas acabam ficando abrigadas indefinidamente e não conseguem de desvincular do projeto. A saída só ocorre para uma pequena parcela dos moradores de rua, principalmente os que não têm comprometimento da saúde mental e de dependência química. Foi constatado que quanto mais rupturas e perdas no que se refere à vinculação familiar e comunitária apresentadas em sua trajetória de vida, mais dificuldades essas pessoas têm de se reinserir no mercado de trabalho e em projetos de capacitação e educação”.

O interesse da pesquisadora pelo assunto começou quando ainda fazia a sua especialização, também na na Ensp, em 2004. O tema da sua monografia foi Moradores de rua no Rio de Janeiro e os dilemas do acesso universal do cuidado à saúde. No mestrado resolveu aprofundar o estudo e diversificar o olhar sobre o assunto investigando as políticas públicas existentes no município, no âmbito da Secretaria Municipal de Assistência Social, e a atuação de organizações não governamentais que trabalham com essa população, especificamente o Fórum Permanente sobre População Adulta em Situação de Rua no Município do Rio de Janeiro.

Inclusão e a reinserção no mercado de trabalho devem ser as principais medidas

Segundo a pesquisadora, as políticas são muito centradas no acolhimento e encaminhamento para abrigos. O principal foco hoje deve ser a inclusão e a reinserção das pessoas no mercado de trabalho e no seu núcleo relacional. “Eu acredito que muita coisa ainda precisa ser feita e a expectativa é que a Subsecretaria de Proteção Especial, reestruturada de acordo com a nova Política Nacional de Assistência Social, consiga alcançar suas metas propostas, em curto, médio e longo prazo”.

Segundo Mônica, as políticas públicas devem ser entendidas como um conjunto de ações que o governo faz em parceria com a sociedade civil, para que não existam medidas fragmentadas. O diálogo entre o Poder Público e as instituições da sociedade deve ser aberto. Para concluir, a pesquisadora contou que em sua defesa procurou mostrar os limites da intervenção pública, os desafios que constituem essa intervenção e os novos avanços que podem significar as mudanças nesse panorama.

Fonte: Informe Ensp



Escrito por nicomedesoliveira às 18h05
[] [envie esta mensagem
]





Pesquisa FSP sobre tuberculose e população de rua


Tuberculose: o bacilo das sombras nos porões da cidade



A tuberculose, provocada pelo bacilo de koch, aparentemente esquecida pela maioria da população tem se manifestado numa taxa altíssima nas populações socialmente mais vulneráveis. A Faculdade de Saúde Pública, desenvolveu em 2006, uma pesquisa sobre o acometimento desta doença na população de rua, sob o patrocínio da UNESCO, através do ministério da saúde. A pesquisa durou 14 meses e considerou o universo dos usuários de albergues públicos, organizações sociais e 2704 pessoas contadas em 10 circuitos de rua das regiões Sé e Pinheiros, cada um deles constituídos de uma seqüência de logradouros com alguma concentração de moradores de rua, utilizando-se o método conhecido como “captura e recaptura”.

Foram detectados 12 casos de TB através do exame de escarro, numa amostra de 300 pessoas testadas, entre 860 entrevistados. Estes resultados indicam uma incidência da doença a uma razão de 4,00% do grupo testado e a uma razão de 1,39% do grupo de pessoas entrevistadas, valores estes coerentes com a alta incidência de TB entre moradores de rua cadastrados no PSF – Programa de Saúde da Família, no âmbito municipal. A Secretaria Municipal da Saúde registrou, em 2003, uma taxa de 3,36 % de casos de TB em um total de 3.270 moradores de rua cadastrados no programa, 67 vezes maior que a ocorrência da doença na população em geral, em torno de 0,05 %, em 3.325.000 pessoas cadastradas.

Considerando que 106 pessoas do grupo de 860 entrevistados na pesquisa, reportaram o contágio e tratamento de tuberculose no passado, teríamos o histórico de 1 (uma) ocorrência de TB para cada 7,3 pessoas em situação de rua.

Para uma melhor análise qualitativa, os pesquisadores observaram as condições de vida, contágio e risco nesta população, entrevistando moradores de rua, profissionais de saúde e profissionais de organizações sociais, e observando a dinâmica da sobrevivência sob um viaduto na área central da cidade durante seis meses.

As condições de vida destas pessoas e a lacuna existente entre a população de rua e o sistema de saúde, criam condições propícias para o desenvolvimento e propagação do bacilo, apesar das facilidades de tratamento no âmbito do SUS.

Enquanto o sistema de saúde não chega onde estas pessoas estão, o tratamento começa muito tarde, reduzindo-se as chances de sucesso, enquanto o bacilo encontra novos hospedeiros, como exemplifica D, que continua com a doença que já lhe roubou um pulmão, sobrevivendo nas ruas depois de duas internações hospitalares. No local onde Adeílton faleceu, antes de saber do diagnóstico positivo, há um histórico de várias ocorrências de TB nos últimos anos, além dos dois casos atuais da doença.

A atuação dos “agentes comunitários de saúde”, significou um avanço na detecção de novos casos, mas a equipe que oscila em torno de 30 pessoas, ainda é insuficiente para penetrar num universo estimado de 12.000 pessoas em situação de rua, onde aproximadamente 5.000 não encontrariam vagas em albergues públicos.

O tratamento em meio aberto, tem obtido maior sucesso com a atuação de instituições sociais vinculadas ou não ao poder público, com estrutura física adequada ao abrigamento coletivo, observadas em poucos albergues como o caso de abrigo para famílias Lar de Nazaré e a Toca de Assis. Em outros albergues, existe superlotação, alojamentos pouco ventilados e situações estressantes que dificultam a permanência e o tratamento à distância das unidades de saúde. Além de uma quantidade insuficiente de vagas de pernoite, a tentativa de remoção de “malocas” nas vias públicas pelo poder público tem se revelado insuficiente para desvincular moradores de rua de seus precários abrigos em malocas improvisadas, mas costuma deixá-los sem colchões, cobertores e um mínimo de proteção contra o frio.

O acolhimento das pessoas, a desmitificação da doença e a motivação para o tratamento, tem requerido parcerias entre trabalhadores sociais e profissionais de saúde, nem sempre possíveis na rede de assistência social, tal como está hoje constituída, voltada principalmente para o atendimento básico de pernoite, alimentação e higiene e quase sempre impermeáveis a situações comportamentais inerentes à situação de rua, como o uso de bebidas alcoólicas.

De maneira geral, a pesquisa aponta para a refratariedade da rede de assistência social a casos cronificados em situação de rua e usuários de bebidas alcoólicas e a necessária ampliação das discussões em torno da criação de uma unidade de referência em saúde exclusivamente voltada a moradores de rua. A combinação de serviços de higiene e acolhimento terapêutico, num espaço de recepção incondicional de moradores de rua, oferecerá o suporte necessário a uma equipe de profissionais que trabalhe diretamente nas ruas, intermediando a relação entre moradores de rua e a rede SUS. O avanço do programa de agentes comunitários de saúde tem se mostrado insuficiente em quantidade e pela falta de um posto avançado que considere as particularidades de uma população que não tem domicilio, não usa agenda e nem sempre tem condições de administrar o uso dos próprios medicamentos.

Essa pesquisa foi coordenada pelo Prof. Rubens Adorno, Profa. Maria da Penha Vasconcellos, do Departamento de Saúde Materno-Infantil da FSP/USP, com a colaboração do Prof. Pericles Alves Nogueira, a Farmacêutica Regina Maura Cabral de Melo Abrahão, do laboratório de Micobactérias (Tuberculose) do Departamento de Epidemiologia da FSP/USP, profissionais do Centro de Saúde da FSP/USP e coordenadores de campo, como o doutorando Walter Varanda.

Mais informações com o Dr. Rubens pelo e-mail: radorno@usp.br ou com Walter pelo e-mail: varanda@usp.br

Escrito por  - mwjanes@usp.br
26.03.2007  10:23:46 h
Atualizado por  - mwjanes@usp.br



Escrito por nicomedesoliveira às 18h02
[] [envie esta mensagem
]







População de Rua: Quem é, Como vive, Como é vista 16X23cm 181pp
ISBN: 8527102117

Data Lançamento: 2004
Editora: HUCITEC
Autor: Cleisa M. M. Rosa & Eneida M. R. Bezerra & Maria A. C.Vieira (orgs)

Resumo:
Terceira Edição
O livro trata o retrato de uma sociedade que não garante trabalho nem teto. Suas marcas mais reais são a desproteção, o abandono e o sofrimento. Para uns há ainda coragem, esperanças e sonho de emprego, de casa, de poder viver. Mas nem todos sequer isso conseguem, e no limite ocupam a rua. É uma realidade assustadoramente cruel, uma face que a sociedade tenta esconder.


R$ 32,00




Escrito por nicomedesoliveira às 18h01
[] [envie esta mensagem
]





                                    RESSALTO MINHA PREOCUPAÇÃO -VEJO PERIGO + PRECONCEITO CONTRA MORADORES DE RUA
O Mycobacterium tuberculosis, que causa a tuberculose (também conhecido como bacilo de Koch). Incidência da doença é 60 vezes maior entre moradores de rua do que na população em geral, segundo estudo feito na USP
     
O mal das ruas


12/04/2007

Por Fábio de Castro

Agência FAPESP – A ocorrência da tuberculose é mais de 60 vezes maior entre os moradores de rua da cidade de São Paulo do que na população em geral. A constatação vem de uma pesquisa realizada na Faculdade de Saúde Pública (FSP) da Universidade de São Paulo (USP). No último levantamento feito pela Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo, com dados de 2005, foram registrados 7.906 casos da doença na capital.

Apesar de ser conhecida como “mal do século 19”, a tuberculose não é uma doença do passado. Mesmo com diagnóstico barato e simples, tratamento gratuito e vacina eficaz, ela ainda atinge 2 bilhões de pessoas, quase um terço da população mundial. O novo estudo confirma uma explicação para a contradição: a tuberculose está fortemente associada à pobreza e às más condições sociais.

Coordenada por Rubens de Camargo Ferreira Adorno, professor do Departamento de Saúde Materno-Infantil da FSP, a pesquisa, que durou 14 meses, foi apoiada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e contou com recursos do Ministério da Saúde, por meio do Departamento de Ciência e Tecnologia (Decit) da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE). O aluno de doutorado da FSP Walter Varanda é o outro autor do estudo.

“O estudo fez parte de uma linha de pesquisa da FSP que trabalha com o desenvolvimento de um modelo de atenção especial. O objetivo era não restringir a pesquisa à epidemiologia da tuberculose entre as populações vulneráveis, mas verificar os problemas do atendimento e do acesso aos serviços de saúde”, disse Adorno à Agência FAPESP.

A equipe trabalhou nas regiões das subprefeituras do Centro e de Pinheiros, que abrigam 65% da população de rua da capital paulista, segundo o censo municipal. “Dividimos essa região em dez setores, a fim de pesquisar os circuitos dessa população. Fizemos um mapeamento dos albergues e locais prováveis de concentração. Observamos também alguns indivíduos dispersos”, disse o pesquisador.

A segunda etapa consistiu da aplicação de um questionário e da coleta de escarro. Cada um dos circuitos foi visitado três vezes. Foram aplicados 823 formulários e feitas 300 coletas. “O estudo envolveu uma logística complexa de transporte. Trabalhamos com monitores que tinham sido moradores de rua ou trabalhado com eles”, contou Adorno.

Foram detectados 12 casos de tuberculose em uma amostra de 300 pessoas, indicando uma incidência de 4%. “Os valores são coerentes com a alta incidência de tuberculose entre moradores de rua cadastrados no Programa de Saúde da Família, no âmbito municipal”, disse o pesquisador da FSP. Estima-se que haja 12 mil pessoas em situação de rua na cidade.

A Secretaria Municipal da Saúde registrou, em 2003, uma taxa de 3,36% de casos de tuberculose em um total de 3.270 moradores de rua cadastrados no programa, 67 vezes maior que a ocorrência da doença na população em geral, em torno de 0,05% em mais de 3,3 milhões de cadastrados.


Unidade exclusiva de atendimento

O estudo aponta que a rede de assistência social, de maneira geral, é refratária à população de rua. Os moradores de rua, segundo os pesquisadores, sofrem preconceito quando chegam às unidades de atendimento em más condições de higiene, muitas vezes alcoolizados.

“A vida sob os viadutos, em condições de alto estresse, torna essas pessoas mais vulneráveis. Por outro lado, o atendimento não chega onde elas estão e o SUS não tem experiência para tratar populações com tais características. As limitações de horários em algumas unidades não são propícias para a realidade do morador de rua. Para eles, um atendimento agendado para dois dias depois é algo impensável”, disse Adorno.

Segundo o pesquisador, o estudo indica que há necessidade de criação de uma unidade de referência em saúde exclusivamente voltada para a população de rua, combinando serviços de higiene e acolhimento terapêutico, em espaço de recepção incondicional.

“Seria preciso ter uma equipe de profissionais que trabalhem diretamente nas ruas, intermediando a relação entre moradores de rua e a rede do SUS. Em algumas unidades, encontramos um pessoal técnico extremamente sensibilizado com o atendimento a esse segmento. Mas são pessoas dispersas em um sistema de funcionamento precário”, disse.

De acordo com Adorno, algumas instituições sociais, como o Lar de Nazaré e a Toca de Assis, têm serviço diferenciado, com maior sucesso no tratamento da população de rua, oferecendo estrutura física adequada ao abrigo coletivo. “O trabalho deles é muito bom. O problema é que são iniciativas que não estão integradas ao sistema de políticas públicas”, disse.

O pesquisador da FSP afirma que falta, no Brasil, uma gestão técnica para a saúde das populações de rua. “Cidades norte-americanas, européias e japonesas mostram preocupação técnica com essas populações em mobilidade. São Paulo não tem tal política pública. Aqui ainda há um abismo entre o sistema e a população”, disse.

O Programa de Equipamentos Multiusuários da FAPESP tem o objetivo de financiar a aquisição de equipamentos de valor bastante elevado e de uso compartilhado por pesquisadores e instituições.

Criado em 1996, como um módulo do Programa de Apoio à Infra-Estrutura de Pesquisa, foi tratado de 1998 a 2002 como um programa especial autônomo. Reativado por meio do edital 02/2004, o Programa de Equipamentos Multiusuários desembolsou mais de R$ 50 milhões em 113 projetos em 2005 e 2006.




Escrito por nicomedesoliveira às 18h00
[] [envie esta mensagem
]





Data / Título 20/1/2006 / Em defesa da população em situação de rua e do pad
Autor / Instituição Cleisa Maffei Rosa /
O Cress SP solidariza-se com a assistente social e pesquisadora Cleisa Moreno Maffei Rosa, que encaminhou à revista “Veja” carta (veja texto abaixo) de protesto contra a reportagem “O pecado da demagogia”, inserido na página 92 da edição de 11 de janeiro de 2006, ao final da matéria com o título “A solução é derrubar”, de autoria da jornalista Camila Antunes.

O ataque desfechado pela “Veja” contra a população em situação de rua e, principalmente, contra o padre Júlio Lancelotti demonstra o total desconhecimento e desinteresse que a publicação tem, historicamente, manifestado sobre as dificuldades vivenciadas por essa população, assim como sobre o trabalho sério desenvolvido pela Pastoral do Povo da Rua que, desde a década de 90, atua junto a essa que é, sem dúvida, a parcela mais excluída de nossa sociedade. Além de expressar uma visão extremamente preconceituosa, a reportagem completa revela o viés ideológico tendencioso, propõe soluções equivocadas e elitistas para a ocupação do Centro da cidade – antes abandonado e agora alvo de interesse da especulação imobiliária. “Veja” e outras publicações como O Estado de S. Paulo vêm, nos últimos tempos, expressando com desenvoltura cada vez maior suas posturas editoriais reacionárias, distorcendo fatos e cometendo equívocos de informação para defender posturas higienistas calcadas em ideários fascistas.

Assim como o padre Júlio Lancelotti, o Cress SP tem sempre lutado, e continuará lutando, pela defesa intransigente dos direitos humanos e da justiça social para a população em situação de rua. As posições do Cress SP a respeito desse tema foram expostas com maior abrangência nas seções “Cidadania” e “Gestão” da última edição (nº 51) do “Ação”, Jornal Cress SP, que contém entrevistas as com o Padre Júlio Lancelotti, com dirigentes da OAF e com Cleisa Moreno Maffei Rosa.

Texto integral da carta enviada por Cleisa Maffei Rosa a Veja:

Sr. Editor da revista Veja,

Expresso aqui meu repúdio pela publicação da matéria “O pecado da demagogia”, da repórter Camila Antunes, publicada à pág. 92, da edição de 11/01/2006.

Já ficara indignada ao ler o editorial do jornal O Estado de S. Paulo de 01/01/2006, “Parasitas da mendicância”, motivo pelo qual encerrei minha assinatura com aquele periódico. Ainda mais, cresceu minha revolta quando tomei conhecimento de “O pecado da demagogia”. Além de desqualificar a população que mora nas ruas e nos albergues, está se tornando usual, na cidade de São Paulo, imputar-lhe a condição de criminosa, como fez o editorialista do “Estadão”, ao denominar seus integrantes de traficantes e assaltantes. É um absurdo, ainda, imaginar que assaltantes e traficantes fiquem nos baixos dos viadutos da Av. Paulista! Do meu ponto de vista e sem generalizações, há uma inversão: a população de rua é que está à mercê da rede de tráfico e aguarda por “soluções efetivas e duradouras” de trabalho e moradia. O editorial acrescenta crítica injusta às ONGs que realizam trabalhos por meio de parceria com a Prefeitura. A rigor, quem deveria ter ficado indignada com o artigo é a Prefeitura, que destina recursos a organizações tão “ineficientes”, como quer acreditar o editorialista. Vê-se também, no referido artigo, a desresponsabilização do Estado pela implantação dessas políticas.

O artigo expressa conceitos extremamente preconceituosos e desmerecedores da população e reflete o desconhecimento das razões que levam pessoas a esta situação de tal abandono pessoal e social. Na realidade, ao longo de suas vidas, trabalhadores vieram perdendo moradia, trabalho, família, esperança de viver; resta-lhes apenas, como política pública nos dias de hoje, cama em albergue, comida e preconceitos de toda ordem, além da ausência absoluta de outras ações do poder público e de trabalhos que ofereçam condições de saída dessa situação.

Com relação ao artigo da Veja, é novamente um insulto à população que habita os espaços públicos e, particularmente, uma crítica feroz ao padre Júlio Renato Lancellotti – outro absurdo, outra inverdade para quem conhece a história do Padre Júlio. A jornalista está completamente desinformada e equivocada, do meu ponto de vista, porque desconhece a realidade do Povo de Rua e os estudos realizados sobre este segmento populacional. A título de esclarecimento: “Povo da Rua” (expressão criticada nos dois artigos) é uma denominação já usada desde a década de 80 para se contrapor à referência, preconceituosa e largamente utilizada por muitos, de mendigos. A Igreja Católica, que realiza um trabalho sério com a população de rua desde a década de 50, no centro da cidade, conta, a partir da década de 90, com a presença de outras igrejas e com uma liderança importante que devotou sua vida à luta por respeito, dignidade e cidadania à população de rua, que é o padre Júlio Lancellotti. Apenas por este aspecto de sua trajetória pessoal e religiosa, a história do Padre Júlio já mereceria todo o nosso respeito. Cabe lembrar que este trabalho sempre foi muito valorizado por d. Paulo Evaristo Arns, desde a década de 80 e durante toda sua presença em São Paulo, como arcebispo e como cidadão, inclusive através da imprensa escrita.

Há muitos pontos comuns entre o artigo e o editorial. Seria coincidência? Temos que aprofundar sua leitura para analisar o processo recente que está em curso: eliminação da população de rua (vide massacre de 2004); remoção dos espaços públicos sem atendimento efetivo de saída das ruas; criminalização; anulação dos protagonistas principais na definição das políticas públicas. Nunca vi uma imprensa tão enlouquecida, para não dizer tão descaradamente a serviço de interesses fascistas! Culpabilizam-se pessoas que moram nas ruas e utilizam-se dos albergues, organizações e suas lideranças, para encobrir a incompetência da Prefeitura de São Paulo no trato desta questão, principalmente na implantação e consolidação de políticas e, por que não dizer?, na ausência de diálogo com os verdadeiros interlocutores: as pessoas em situação de rua, as organizações sociais e suas respectivas lideranças.

Cleisa Moreno Maffei Rosa Assistente Social e pesquisadora sobre a população de ruaAutora do livro: Vidas de Rua, Hucitec, 2005.



Escrito por nicomedesoliveira às 17h57
[] [envie esta mensagem
]





Nesta tese:  Capítulos:  Na coleção:  pesquisa de teses


 

Dias, Andréa Theodoro Tocí. Comparando albergues públicos e filantrópicos: apresentação de uma escala de avaliação objetiva dessas instituições. [Mestrado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 1999. 70 p.

Comentários Finais

A exclusão social não é um fato novo na História, pois cada época teve suas formas de alijar determinados indivíduos do que é partilhado pela sociedade dominante, sendo a existência da população de rua uma preocupação presente em diversos períodos, com diferentes enfoques.

O fenômeno que analisamos nestes artigos refere-se primordialmente às três últimas décadas do século XX, quando a política neoliberal impõe, em escala mundial, um sistema econômico que, dentre outras medidas, gera desemprego em massa e corta de forma substancial os gastos sociais.

As opiniões acerca da população de rua variam, por exemplo, desde a posição do então presidente Reagan quando afirmou que as pessoas sem-teto são assim por escolha própria (in BASSUK, 1984), até à posição do sociólogo brasileiro Herbert de Souza (1993), o Betinho, que dizia existirem cerca de 30 milhões de indigentes em nosso país.

Como vimos, a pesquisa com a população de rua enfrenta diversos obstáculos mesmo nos países que já estudam o tema por quase três décadas. Além destes obstáculos, cada área de estudo tende a privilegiar um certo enfoque de entendimento do problema, o que gera abordagens e conclusões díspares.

No setor de saúde mental, as primeiras abordagens, por exemplo, tentavam verificar a associação entre a desinstitucionalização e o aumento da população de rua. HAMID ET AL.(1993) postulam, entretanto, que a forma como as pessoas recentemente perceberam a população de rua como resultante de uma política de saúde mental, é apenas uma das formas explicativas que ao longo do tempo vêm sendo propostas para enfrentar o problema.

Para lograr êxito no enfrentamento do problema da população de rua e encontrar soluções que remetam a inclusão destas pessoas na sociedade como um todo é preciso focalizar a atenção em três aspectos: o metodológico, o interdisciplinar e o político.

A metodologia de pesquisa na área tem que encontrar algumas bases homogêneas no que se refere a definição desta população, que considere as características brasileiras em suas diferentes regiões. Este aspecto ainda está muito longe de ser alcançado, mesmo nos países com anos de experiência.

Podemos, entretanto, iniciar com uma enumeração e comparação das definições usadas pelos setores que já vem trabalhando com esta população: pesquisadores, secretarias sociais, instituições religiosas, organizações não governamentais, até chegarmos a um consenso.

Ao apresentarmos um instrumento de pesquisa que visa caracterizar e avaliar a instituição que serve como base de atendimento a população de rua, pretendemos contribuir principalmente com a sedimentação de uma metodologia do setor, levantando dados de forma padronizada acerca de nossa realidade.

A interdisciplinaridade é uma outra grande necessidade nos estudos com a população de rua. Este não é um problema que possa ser enfrentado com sucesso por apenas um ou dois setores da sociedade.

É imperioso que as diversas disciplinas, a sociedade civil e o poder público, ou pelo menos uma parte dele, disponibilizem suas intenções e experiências com a população de rua, de modo que o problema seja trabalhado sob diversos ângulos e, sobretudo, de forma integral, sem que as pessoas desabrigadas sejam vistas sob uma ótica estreita. Este cuidado evita que as soluções mágicas sejam postas em prática e, com o avanço do debate ampliado, a sociedade pode se tornar mais consciente e menos arredia na busca de soluções, já que o modelo neoliberal quase que naturaliza a exclusão, idéia que deve ser veementemente negada.

Uma solução final, que enfeixe um conjunto de causas e as neutralize, está muito longe de ser alcançada. As respostas são parciais, mesmo nas sociedades que já avançaram muito nas pesquisas, ou mesmo com forte ênfase no Estado de Bem-Estar.

Segundo BREAKEY (1997), há uma questão fundamental a ser enfrentada: disponibilizar os recursos necessários para que o que conhecemos como ‘vida civilizada’ seja acessível para todos os membros da sociedade, independentemente de quais problemas de nível individual eles tenham. Questão que é perspassada, indubitavelmente, pela vontade política, o terceiro aspecto a ser contemplado no enfrentamento do problema da população de rua.

 
fIO cRUZFUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ
 


Escrito por nicomedesoliveira às 17h35
[] [envie esta mensagem
]





Informativo 10
  População de Rua: um esforço de MSF contra a exclusão social ---MÉDICOS SEM FRONTEIRAS

 

 O projeto Meio-fio surgiu no segundo semestre de 2000. Ele presta assistência social e de saúde à população de rua do centro da cidade e procura contribuir também com a reinserção social desse grupo. O trabalho não é simples. As equipes se locomovem, a pé, por uma grande área da cidade, sempre à tarde e à noite. 

Como o trabalho é cotidiano, é natural que as equipes encontrem com freqüência os mesmos usuários nas ruas. 
Deficiente, no entanto, a saúde pública tem critérios perversos de seleção dos doentes atendidos. Vítimas do preconceito e desprovidos de quaisquer recursos de pressão, a população de rua tem dificuldades particulares de se inserir no sistema público de saúde e de protestar contra a exclusão. Um dos esforços do Projeto Meio-fio é garantir o direito dessas pessoas em receber um tratamento de saúde universal, gratuito e de qualidade. Junto com a primeira avaliação do usuário, que é mais imediata, todo um trabalho social é feito em paralelo pelo Projeto Meio-fio – acompanhamento e atendimento para documentação, abrigo, educação e alimentação e reinserção sócio-familiar do usuário.

Moradores de rua são um símbolo da desigualdade social e de um sistema excludente, que parece dispensar essas pessoas da vida produtiva. Marcadas por trajetórias conturbadas, por problemas familiares, pelo preconceito e pela falta de acesso a condições mínimas de sobrevivência digna, uma grande quantidade de pessoas, a cada ano, passa a morar nas ruas.

O Meio-fio tem pouco mais de um ano e, nesse tempo, cerca de 1200 pessoas já foram ajudadas pelo projeto, que hoje conta com doze profissionais.

 Muitas vezes a reinserção de um beneficiário não evolui por diversos motivos. A dificuldade em superar um vício, a falta de vínculos familiares, o comprometimento mental gerado pela vida na rua, e, sobretudo, a falta de 
auto-estima limitam as chances de reinserção.

Marcadas pelo estigma da mendicância, essas pessoas têm grandes dificuldades em se imaginar integradas à sociedade. “De uma forma geral, as pessoas tendem a encarar os moradores em situação de rua como se fossem todos uma coisa só. Na verdade, o trabalho com esse grupo revela uma heterogeneidade de perfis impressionante. O motivo que os levou às ruas e as razões que os fazem permanecer lá alteram a forma de trabalhar sua reinserção social”, diz Washington Ramos, gerente do projeto.

De fato, os perfis dos usuários demonstram a diversidade da população de rua. Mark Anthony, por exemplo, é um senhor da Guiana Inglesa. Em inglês, ele conta que trabalhava como marinheiro até vir para o Brasil, onde perdeu seus documentos e não pôde voltar para o mar. Já Estácio diz ser um exímio percussionista da escola de samba Caprichosos de Pilares. Ele mora nas ruas e sobrevive com pequenos serviços que realiza “para se defender”, como diz. Elisângela Silva tem uma história de vida conturbada, marcada pelo abandono e pela violência. Filha de pais que viveram nas ruas, Elisângela é mãe de duas crianças, fortes candidatas a se tornarem a terceira geração de moradores de rua na família.

Assistência social complementa cuidados de saúde do Projeto Meio-Fio

Lidar com a diversidade de perfis e históricos e, ao mesmo tempo, recuperar a auto-estima dos beneficiários é uma preocupação do Projeto Meio-fio. É por isso que o trabalho nas ruas encoraja seus moradores a procurar o núcleo de atendimento durante o dia. É no núcleo que o usuário poderá ser assistido de forma pessoal e num ambiente mais apropriado. Além da assistência de saúde, atividades educativas informam sobre cuidados de higiene e saúde de acordo com as condições encontradas na rua. Os atendimentos psico-sociais, e parte das atividades educativas, trabalham também o lado emocional do usuário. “Fortalecer a capacidade de sonhar é fundamental para despertar seus desejos e ambições”, diz Andrea Monteiro, uma das educadoras do Meio-fio. Além disso, oficinas de artesanato começaram em novembro e podem colaborar como uma fonte de renda para os usuários do projeto. A idéia é que essas ações possam servir como suporte emocional e como forma de despertar nessas pessoas a vontade de seguir em frente e de superar a barreira da exclusão social.

Apesar de todo o trabalho de Médicos Sem Fronteiras, está claro que o problema das populações de rua não pode ser resolvido exclusivamente através de iniciativas como o Projeto Meio-fio. A questão é complexa porque mistura à dura realidade social do país os dramas pessoais vividos por cada indivíduo na rua. 

Por isso, são necessárias políticas públicas específicas, destinadas à resolução do problema. Isto no entanto não tira a responsabilidade de organizações comprometidas com o bem-estar de grupos sociais mais vulneráveis. Médicos Sem Fronteiras, através do Projeto Meio-fio, acredita que pode contribuir com seus trinta anos de experiência para reduzir os problemas enfrentados por essas pessoas. É por isso que MSF propõe ações diretas que aliviem o sofrimento dos moradores de rua. Mas também atua indiretamente, construindo mecanismos que possam modificar essa dura realidade social e forçar a inserção no sistema que, por lei, deve acolher a todos.

foto: Fabrízia Granatieri



Escrito por nicomedesoliveira às 17h33
[] [envie esta mensagem
]





 

São Paulo, 02 de abril de 2007

 

Quem cuida dos cuidadores?

 

Há muitos anos os profissionais dos serviços de atenção à população em situação de rua vivem um dilema: a necessidade ética de oferecer um atendimento de qualidade dificultada pelas condições inadequadas de trabalho, tal como impõem os convênios firmados com a Secretaria da Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS). Temos, por exemplo, o caso dos assistentes sociais que atuam muitas vezes em locais sem privacidade e com uma demanda de 100 usuários, impossibilitando um atendimento social digno. Como se não bastasse, diversos destes profissionais sofrem críticas como se fossem eles os únicos responsáveis pelas políticas públicas para a população em situação de rua. Convém perguntar: Quem cuida destes cuidadores? Não seria o momento de exigirmos melhores condições de trabalho, em vez de culpa-los pelas imposições que eles próprios discordam?

Com o objetivo de refletir sobre estas e outras questões, o Fórum de Debates sobre a População em Situação de Rua convida estes profissionais, pessoas em situação de rua e pesquisadores científicos.

 

Participe!

 

 

Data

Tema

Local/Horário

 

 

 

28

de

Abril

 

 

Condições de Trabalho dos profissionais que atuam com população em situação de rua

 

 

Câmara Municipal de São Paulo

(Viaduto Jacareí, n. 100 – Bela Vista)

Salão Tiradentes

das 14:00 às 17:00hs.

 

forum debates.

Escrito por nicomedesoliveira às 17h14
[] [envie esta mensagem
]





hotmail.com
Comentário: MAIORIDADE PENAL

Abaixo o texto enviado:

Observatório no Rádio -
Programa 486
>>Franklin nem começou
>>Não à TV Voz do Brasil

Brasileiros proscritos

O escritor sem-teto Sebastião Nicomedes denunciou há duas semanas, por intermédio da Época e do site da revista, a morte do morador de rua Ricardo de Oliveira, que não foi atendido na Santa Casa de Santo Amaro. Ele opina sobre o trabalho da imprensa.

Sebastião:

- Eu acho que a mídia até fez a parte dela, mas deveria ter um pouco mais de empenho em termos de cobrança. Por exemplo, a mídia no caso da morte daquele garoto no Rio, que é uma situação muito triste, e constrangedora, mas é de uma família de melhor poder aquisitivo. Então, deu uma cobertura e cobrou-se um pouco mais, até provocou discussão sobre a redução da maioridade penal. Num caso como o do Sr. Ricardo, que morava na rua, não se foi tão longe e não se exigiu tanta mudança assim.

Mauro:

- Sebastião Nicomedes aponta um assunto que, em sua verdadeira dimensão, é ignorado pela mídia.

Sebastião:

- Foi em Apucarana, esse caso recente. A Prefeitura, a Polícia, todo mundo verificando quem é de fora da cidade e devolvendo para suas cidades de origem, seus locais de origem. Mas a questão é que quem saiu de sua terra, por alguma dificuldade, da sua cidade, não tem cidade de origem. Ele já está perdendo a nacionalidade, ele não tem direito de ficar no Brasil onde ele quer. Isso está acontecendo muito no Sul, em Santos, no Rio, em Caraguatatuba. E aí as pessoas são transferidas de um lugar para o outro, ou muitos são devolvidos para São Paulo.



Escrito por nicomedesoliveira às 16h52
[] [envie esta mensagem
]






Dedo.
Ta valendo.
      Mais não precisa pedir desculpas não.O evento foi gratificante,super
agradável,legal á beça.Um dia impar.
  Eu agradeço a todos os amig@s que compareceram e prestigiaram.O lançamento
foi um momento especial que tivemos lá um sarau literario,caramba e tinha
uma galera de albergues,catadores,carroceiro que toca seu barco de boa
sozinho na rua.Tinha estudantes,foi uma galerinha da Unicsul que tá se
dispondo a montar com a gente uma brinquedoteca,tamso escolhendo a região
provavel seja o glicério.Bastante técnicos,assistentes sociais,coordenadores
de serviços ,educadores ,os bons amigos do gentil-sp,companheiros do MNPR-o
Junior e o Anderson,a Donata da OAF,a Del da Unimed,a Luciana do gabinete da Soninha,o Thiago do FCV,a>Marcia também do fcv .
A Pati do pólis que chegou ao finalizinho mais com uma energia contagiante
me  deu até  vontade começar tudo de novo.
Bom aquelas pessoas que acompanharam de perto o meu processo de saída das
ruas,e o meu crescimento como pessoa humana,estiveram lá celebrando esse
momento junto.
Esse livro eebora muito simples,bastante simples porém feito com o coração
traz em cada exemplar um tanto de emoção que as cada capa é exclusivamente
feita á mão por filhos de catadores,uma mocada talentosa,O Peterson um
artista e tanto participante do projeto Dulcinéia catadora estava lá fazendo
oficina confecionando algumas capas ao vivo e "em cores".Tava também uns
amigos da  LBV-tv que o Daniel diretor é um grande amigo e mandou uma equipe
do Paiva Neto cobrir o lançamento,a LBV curiosamente tem um pouco de minha
história qua ja trombamos em outros eventos promovido pelo COMAS-SP.Tava o
pessoal da rede rua-jornal o trecheiro que eu considero um time de
primeiríssima!
Bom eu não tenho de que me queixar,quem foi foi,quem não foi,ah isso não
importa o importante é que deu tudo certo foi um dia mágico e ficamos todos
muitississimo felizes.
  Minha gratidão á todos,foi uma honra,um privilégio viver esse momento .          Ontem viví o dia mais feliz da minha vida !
**********************************************************************************

>From: dedo@riseup.net
>Reply-To: gentil-sp@lists.riseup.net
>To: "sebastiao" <tiaonicomedes@hotmail.com>
>CC: integracaosemposse1@yahoogrupos.com.br, gentil-sp@lists.riseup.net
>Subject: [gentil-sp] Re: é hoje!
>Date: Wed, 25 Apr 2007 03:01:16 -0300 (BRT)
>
>Meus caros, hoje foi um dia atípico em que as cosias não saíram como
>planejado. Primeiramente, deculpas ao Tião por não poder ter ido ao
>lançamento do Livro. Se não tiver outro lançamento, proponho um outro
>lançamento já casando com a proposta de exposição sobre o Prestes que pode
>ser itinerante pelos pontos da cidade, mas dessa idéia conto mais tarde.
>
>Hoje passei no Prestes e a mudança estava a todo vapor mesmo! Coisa que
>confesso: não estava muito crente de que iria acontecer. "Se com ameaça de
>despejo com choque o pessoal não saiu, até parece que vão sair com
>guardinhas da CGM na frente", mas tava enganado! Com o tal dinheiro (ou
>algum outro motivo) o pessoal sai e sai.
>
>Queria ter encontrado com Roberta ou Severino, mas disseram para tentar
>passar amanhã.
>
>Depois fui para reunião da Democratização das Comunicações (Democom). Tava
>me sentindo deslocado pois muita conversa era para quem fosse da área de
>comunicações, e por isso me arrependi de chegar tarde ao evento do Tião
>(cheguei depois do fim).
>
>Contei para uma mulher que tava lá (na Democom) de que o pessoal do
>Prestes tava saindo e ela achou meio grave dizendo que na mídia dava
>impressão de que as famílias não precisava de pressa para sair (não soube
>responder se tinha alguma pressão para sair antes dos 60 dias) e que
>Kassab tinha prometido todas as moradias no centro. Ela agora teme que
>Kassab esteja enfraquecendo a luta dos moradores já que depois de
>receberem o $$ podem se pulverizar.
>
>dedo


Escrito por nicomedesoliveira às 06h12
[] [envie esta mensagem
]





24 de MARÇo de 2006

governo lula

Encontro com Lula dá pontapé inicial para o projeto dos catadores



Presidente e Movimento Nacional dos Catadores começam a definir diretrizes para o início do projeto, que vai gerar 40 mil postos de trabalho e beneficiar mais de 170 mil pessoas.

Na quarta-feira (22/3), às 16h30, o Movimento Nacional dos Catadores (MNCR) esteve no Palácio do Planalto em um encontro com o Presidente Lula. Participaram também da reunião o Ministro das Cidades, Márcio Fortes, o Ministro da Justiça, Marcio Thomaz Bastos, o Ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, o Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, o Ministro Luiz Dulci, chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República e o presidente da Fundação Banco do Brasil, Jacques Pena.

Entre os assuntos discutidos, destaque para o crédito solidário para habitação, o Bolsa Família, a federalização dos crimes contra a população de rua, a intervenção do Ministério da Justiça nesses crimes hediondos, a continuidade da parceria com o MDS para a capacitação de lideranças e o grande projeto dos catadores: a geração de 40 mil postos de trabalho e o benefício direto para mais de 170 mil pessoas.

Em quase duas horas de conversa, pesou o embasamento e o estudo de viabilidade dos projetos dos catadores. Para o crédito solidário para a habitação, será formada uma comissão de trabalho entre Ministério das Cidades e o Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis. Será discutido um novo tipo de projeto, já que o crédito solidário é considerado burocrático e muitas vezes inviabiliza o processo para a compra da casa própria.

O Ministério da Justiça irá estudar a possibilidade de federalizar os crimes contra a população de rua. O Ministro Márcio Thomaz Bastos também tentará intervir nas investigações da morte da catadora Ceilma Souza Santos, assassinada brutalmente no dia 14 de fevereiro, no lixão da Estrutural, na cidade de Brasília. Os suspeitos do crime são atravessadores da região, que supostamente mantém ligações com a empresa responsável pela compra do material reciclável retirado do lixão.

Lula garantiu também a continuidade da parceria entre o MNCR e o MDS, no valor de R$ 3 milhões, que servirá para capacitar lideranças de catadores – no primeiro convênio, 1.350 catadores foram capacitados em todo o Brasil.

Em relação ao grande projeto de geração de postos de trabalho e renda para milhares de catadores, o Presidente indicou o Ministério do Trabalho e Emprego como o interlocutor principal no processo. Com a indicação do Movimento dos Catadores, a Fundação Banco do Brasil deverá ser parceira no projeto.

Nesta quinta-feira, dia 23, a partir das 9h, já começam as reuniões para a discussão dos montantes e as unidades de financiamento do projeto no Ministério do Trabalho e Emprego. O encontro será entre o Ministro Luiz Marinho e a equipe de articulação do Movimento Nacional de Catadores.

Participantes da Encontro com o Presidente por parte do Movimento Nacional dos Catadores e População de Rua


16 pessoas participaram do Encontro, dentre eles: Roberto Laureano Rocha – Liderança do Movimento dos Catadores em São Paulo; Luis Henrique da Silva - Liderança do Movimento dos Catadores em Minas Gerais; Severino Júnior – Representante do Movimento dos Catadores no Rio Grande do Norte; Sebastião Nicomedes de Oliveira – representante do Movimento Nacional da População de Rua e Antonio Bunchaft – economista e assessor técnico do Movimento dos Catadores.

Fonte: LZ Comunicação

Hit Counter

language=JavaScript> function mailpage() { mail_str = "mailto:?subject= Pagina do Portal Vermelho "; mail_str += "&body= Sugiro a voce a leitura desta pagina, "; mail_str += "é só clicar no endereço abaixo: " + location.href; location.href = mail_str; } function printWindow(){ bV = parseInt(navigator.appVersion) if (bV >= 4) window.print() } var bookmarkurl="http://www.vermelho.org.br/pcdob/" var bookmarktitle="Portal do PCdoB" function addbookmark(){ if (document.all) window.external.AddFavorite(bookmarkurl,bookmarktitle) } language=javascript> function valida_campo() // criamos a função valida_campo() {



Escrito por nicomedesoliveira às 23h06
[] [envie esta mensagem
]





trecho projeto final graduação puc-sp

trecho das considerações finais

(...)
O conhecimento e a consciência das desigualdades sociais que estão infelizmente enraizadas no nosso país sempre foram, desde a infância e juventude politizada direta ou indiretamente em virtude de ter sido criado por pais com forte ligação política dentro de partidos e movimentos de esquerda, já era um fato dentro da minha trajetória, porém, o contato com Sebastião revelou-me não informações novas sobre essas questões, mas percepções diferentes, a poesia inabalável de um homem em exercício pleno dos seus sonhos e convicções. Nesse movimento, a referência e o exemplo de Tião é muito mais do que “um homem que foi pro nada e conseguiu voltar”, mas é a precisão lúcida e sensibilidade com que seu olhar repousa sobre os problemas sociais que se banalizaram na nossa sociedade, sua sinceridade quase lúdica de se tornar exemplo para os outros, mas admitir continuar na busca da reconstrução de sua auto-estima – “Tião é mais para os outros do que pra ele mesmo”. E os mecanismos para que a abordagem sobre ele não se equivoce parecem ser criados por ele mesmo: retira o chão para heroismos vazios, mitificação de sua história de vida ou excesso de valorização sobre seus feitos. Tião apareceu em revistas semanais de grande circulação, em programas de TV, jornais, entre outros. Ao passear pelas ruas em sua companhia, não foi raro o comentário “te vi na revista” ou “te vi na tv”. Ele sabe a importância que a mídia pode ter na divulgação dos seus ideais, entende que o holofote sobre Tião Nicomedes põe luz também para as questões sociais que ele tanto luta, mas sabe também do risco que todo esse circo carrega, da espetacularização, e de maneira espontânea vai afirmando a integridade de sua identidade e subjetividade.
As ruas do centro de São Paulo agora não são mais as mesmas para mim, tornaram-se mais humanas, minha percepção sensorial do centro enriqueceu-se. Os carroceiros me parecem hoje pequenos anjos sujos voando baixo pela cidade nas suas incongruências e que, talvez sem muita consciência, transformam o Brasil no país que mais recicla em todo o mundo.

(...)


Escrito por nicomedesoliveira às 10h01
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]