Arquivos
 04/06/2017 a 10/06/2017
 14/05/2017 a 20/05/2017
 01/01/2017 a 07/01/2017
 09/10/2016 a 15/10/2016
 07/08/2016 a 13/08/2016
 29/05/2016 a 04/06/2016
 23/08/2015 a 29/08/2015
 14/06/2015 a 20/06/2015
 10/05/2015 a 16/05/2015
 05/04/2015 a 11/04/2015
 08/03/2015 a 14/03/2015
 01/02/2015 a 07/02/2015
 14/12/2014 a 20/12/2014
 21/09/2014 a 27/09/2014
 14/09/2014 a 20/09/2014
 07/09/2014 a 13/09/2014
 17/08/2014 a 23/08/2014
 10/08/2014 a 16/08/2014
 13/07/2014 a 19/07/2014
 27/04/2014 a 03/05/2014
 16/02/2014 a 22/02/2014
 09/02/2014 a 15/02/2014
 05/01/2014 a 11/01/2014
 29/12/2013 a 04/01/2014
 15/12/2013 a 21/12/2013
 08/12/2013 a 14/12/2013
 18/08/2013 a 24/08/2013
 11/08/2013 a 17/08/2013
 04/08/2013 a 10/08/2013
 28/07/2013 a 03/08/2013
 21/07/2013 a 27/07/2013
 14/07/2013 a 20/07/2013
 30/06/2013 a 06/07/2013
 23/06/2013 a 29/06/2013
 16/06/2013 a 22/06/2013
 09/06/2013 a 15/06/2013
 26/05/2013 a 01/06/2013
 19/05/2013 a 25/05/2013
 07/04/2013 a 13/04/2013
 24/03/2013 a 30/03/2013
 17/03/2013 a 23/03/2013
 10/03/2013 a 16/03/2013
 03/03/2013 a 09/03/2013
 17/02/2013 a 23/02/2013
 03/02/2013 a 09/02/2013
 13/01/2013 a 19/01/2013
 06/01/2013 a 12/01/2013
 30/12/2012 a 05/01/2013
 16/12/2012 a 22/12/2012
 09/12/2012 a 15/12/2012
 02/12/2012 a 08/12/2012
 25/11/2012 a 01/12/2012
 18/11/2012 a 24/11/2012
 11/11/2012 a 17/11/2012
 04/11/2012 a 10/11/2012
 28/10/2012 a 03/11/2012
 14/10/2012 a 20/10/2012
 30/09/2012 a 06/10/2012
 16/09/2012 a 22/09/2012
 26/08/2012 a 01/09/2012
 12/08/2012 a 18/08/2012
 05/08/2012 a 11/08/2012
 22/07/2012 a 28/07/2012
 15/07/2012 a 21/07/2012
 08/07/2012 a 14/07/2012
 01/07/2012 a 07/07/2012
 24/06/2012 a 30/06/2012
 10/06/2012 a 16/06/2012
 03/06/2012 a 09/06/2012
 27/05/2012 a 02/06/2012
 20/05/2012 a 26/05/2012
 06/05/2012 a 12/05/2012
 15/04/2012 a 21/04/2012
 08/04/2012 a 14/04/2012
 01/04/2012 a 07/04/2012
 25/03/2012 a 31/03/2012
 18/03/2012 a 24/03/2012
 04/03/2012 a 10/03/2012
 26/02/2012 a 03/03/2012
 19/02/2012 a 25/02/2012
 12/02/2012 a 18/02/2012
 05/02/2012 a 11/02/2012
 15/01/2012 a 21/01/2012
 08/01/2012 a 14/01/2012
 01/01/2012 a 07/01/2012
 18/12/2011 a 24/12/2011
 27/11/2011 a 03/12/2011
 13/11/2011 a 19/11/2011
 30/10/2011 a 05/11/2011
 23/10/2011 a 29/10/2011
 16/10/2011 a 22/10/2011
 18/09/2011 a 24/09/2011
 31/07/2011 a 06/08/2011
 17/07/2011 a 23/07/2011
 26/06/2011 a 02/07/2011
 19/06/2011 a 25/06/2011
 05/06/2011 a 11/06/2011
 22/05/2011 a 28/05/2011
 15/05/2011 a 21/05/2011
 08/05/2011 a 14/05/2011
 24/04/2011 a 30/04/2011
 17/04/2011 a 23/04/2011
 10/04/2011 a 16/04/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 20/03/2011 a 26/03/2011
 20/02/2011 a 26/02/2011
 06/02/2011 a 12/02/2011
 16/01/2011 a 22/01/2011
 09/01/2011 a 15/01/2011
 02/01/2011 a 08/01/2011
 26/12/2010 a 01/01/2011
 12/12/2010 a 18/12/2010
 05/12/2010 a 11/12/2010
 28/11/2010 a 04/12/2010
 21/11/2010 a 27/11/2010
 14/11/2010 a 20/11/2010
 07/11/2010 a 13/11/2010
 31/10/2010 a 06/11/2010
 24/10/2010 a 30/10/2010
 17/10/2010 a 23/10/2010
 10/10/2010 a 16/10/2010
 03/10/2010 a 09/10/2010
 26/09/2010 a 02/10/2010
 12/09/2010 a 18/09/2010
 22/08/2010 a 28/08/2010
 15/08/2010 a 21/08/2010
 08/08/2010 a 14/08/2010
 01/08/2010 a 07/08/2010
 25/07/2010 a 31/07/2010
 18/07/2010 a 24/07/2010
 11/07/2010 a 17/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 13/06/2010 a 19/06/2010
 06/06/2010 a 12/06/2010
 30/05/2010 a 05/06/2010
 23/05/2010 a 29/05/2010
 16/05/2010 a 22/05/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 02/05/2010 a 08/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 04/04/2010 a 10/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 14/03/2010 a 20/03/2010
 07/03/2010 a 13/03/2010
 28/02/2010 a 06/03/2010
 21/02/2010 a 27/02/2010
 14/02/2010 a 20/02/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 24/01/2010 a 30/01/2010
 20/12/2009 a 26/12/2009
 13/12/2009 a 19/12/2009
 06/12/2009 a 12/12/2009
 29/11/2009 a 05/12/2009
 22/11/2009 a 28/11/2009
 15/11/2009 a 21/11/2009
 08/11/2009 a 14/11/2009
 01/11/2009 a 07/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 18/10/2009 a 24/10/2009
 11/10/2009 a 17/10/2009
 04/10/2009 a 10/10/2009
 27/09/2009 a 03/10/2009
 20/09/2009 a 26/09/2009
 13/09/2009 a 19/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 05/07/2009 a 11/07/2009
 14/06/2009 a 20/06/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 17/05/2009 a 23/05/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 26/04/2009 a 02/05/2009
 19/04/2009 a 25/04/2009
 12/04/2009 a 18/04/2009
 05/04/2009 a 11/04/2009
 29/03/2009 a 04/04/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 08/02/2009 a 14/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 25/01/2009 a 31/01/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog de nicomedesoliveira
 


 
Construindo significados para o centro de São Paulo
03/05/2007 Georgia Nicolau

O centro de uma cidade é, ou deveria ser, o lugar da democracia por excelência, local da prática da convivência com a diferença. Ocorre que vivemos em uma era na qual, cada vez mais, os indivíduos - ou aqueles que “podem”- confinam-se em bairros, condomínios e territórios onde apenas os seus semelhantes têm lugar. Qualquer tipo de diferença, marginalidade que seja, é prontamente eliminada por meio da distância "segura" promovida por seguranças particulares, câmeras de vigilância, ou até mesmo atos violentos.

De que maneira a cultura pode ser utilizada para modificar os territórios, resignificando-os? Como utilizar práticas culturais para o desenvolvimento humano e social de uma região como o centro de São Paulo? Na sexta-feira, 30, uma fria e caótica véspera de feriado, cerca de 30 pessoas estiveram no debate “Políticas de Cultura e Desenvolvimento Humano no centro de São Paulo”, promovido pelo Instituto Pólis para pensar essa e outras questões.

Participaram da conversa o urbanista do Instituto Pólis, Kazuo Nakano; Beatriz Kara José, também urbanista e autora do livro Políticas Culturais e Negócios Urbanos – A Instrumentalização da Cultura na Revitalização do Centro de São Paulo; Rodolfo Garcia Vázquez diretor teatral do Grupo Satyros; e Sebastião Nicomedes, ator, dramaturgo e integrante do Movimento Nacional da População em Situação de Rua. O mediador foi Altair Moreira , integrante do Fórum Intermunicipal de Cultura (FIC).

A discussão na calçada

O ex-morador de rua Sebastião Nicomedes, o Tião, expôs como, através do estímulo do imaginário, ele e seus colegas conseguiram criar um canal de comunicação com outros moradores de rua, para discutir questões pessoais e coletivas.“Nós fazíamos nossos seminários [fóruns de população de rua] com mais adesão porque descobrimos os capoeiristas que têm no meio da população, músicos, gente que declama poesias. Com isso, criou-se a possibilidade de discutirmos coisas sérias de uma forma mais agradável, não tão agressiva, não tão deprimente como costumava ser.” A maneira de atrair as pessoas, diz Tião, era ir “com uma carroça equipada de som aos moradores de rua. Eu levava os bonecos e conseguíamos, com aquelas pessoas, senão discutir políticas, direitos, que a maioria nem tava mais sabendo o que era isso, mas levamos alegria, contar as histórias, lembrar quem são, de onde veio, sentir saudades, reconstruir vínculos. Com os bonecos eles conversavam, com a gente não.”

Tião denunciou ainda o crescente desaparecimento de artistas de rua do centro.“A GCM [Guarda Civil Metropolitana] conseguiu roubar o espetáculo, fazer um show melhor do que os artistas”. Tião acredita que o cerne do problema está no público das políticas culturais. “Cultura é pra quem tem, pra quem sabe, pra quem pode.” Ao priorizar espaços fechados , criam-se empecilhos para a troca e o acesso às várias dimensões das práticas culturais. “É reflexo do mundo inteiro, vale quem tem dinheiro, vale quem tem renda, vale quem gera lucro. Quem vai associar uma marca a um morador de rua?”

Status da região central

Rodolfo Garcia Vasquez falou da experiência do grupo Satyros – o qual ele dirige (leia mais). Desde o “auto-exílio” na França, na vazia década de 90, até a decisão, em 2000, de criar um teatro em uma área completamente abandonada como a praça Roosevelt, até agora, quando o grupo decidiu fazer o caminho inverso: ir do centro para a periferia. No ano passado, foi inaugurado um espaço dos Satyros no bairro Jardim Pantanal, periferia da Zona Leste – o terceiro do grupo.

Segundo Vasquez, um dos principais motivos de recomeçar em um local tão distante foi a transformação da praça Franklin Roosevelt durante 2005. “Em 2003 e 2004 vivemos a fase mais rica da praça. Eram travestis sentadas com escritores com artistas plásticos, jornalistas, traficantes. E a grande imprensa ainda não a tinha ´descoberto´.” A convivência entre os diferentes fazia toda a graça e a vida do local. “Cenas incríveis aconteciam como a de uma velhinha, sentada com um casal de lésbicas de 60 anos e uma travesti de 22 com seu namorado. Caiu nas graças da mídia, e o que era uma comunhão se transformou numa especulação imobiliária.”

A região, então, já não era mais tão maldita e novos moradores começaram a chegar. Moradores que já não achavam o teatro tão interessante, muito menos o “barulho” produzido pela sua presença. “Fomos para o Jardim Pantanal sem dinheiro, sem estrutura, só com vontade de voltar a ter contato com a vida real. Não com os valores mortos da vida tranqüila que a gente leva.”, explicou Vasquez.

A criação de uma nova atmosfera cultural como fez o Satyros, ou como faz o Tião com seu teatro de bonecos é bastante apropriada para a construção de um novo e desejado contexto social. No entanto, a urbanista Beatriz Kara José demonstrou como esse mecanismo potencializado e deturpado foi utilizado pelo Estado para revitalizar o centro a partir da década de 90. A criação e a intervenção em equipamentos culturais entrou na agenda de transformação da região central, como forma de recuperar um status que não existe há muito tempo e que não é mais a realidade . Nascem assim Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), Sala São Paulo, Museu da Língua Portuguesa, Projeto Monumenta – parceria com o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) para a recuperação de patrimônio histórico, entre muitos outros.

Para Beatriz, “a política pública passa a trabalhar a favor de interesses muito específicos como a valorização imobiliária, para atrair um tipo de público que tem medo de vir pra essa região. Um público que pode inclusive resolver morar, atraindo a iniciativa privada, os empreendedores, que naturalmente vão gerar a transformação urbana do local, sem que o estado precise desembolsar”.

Como exemplo, o Projeto Monumenta, no qual uma das condições impostas pelo BID para a concessão do empréstimo é a comprovação da capacidade de valorização imobiliária da região. Só podem ser recuperados os imóveis que possam gerar renda, o que significa que a população que reside na região será obrigada a se mudar porque não terá mais condição de pagar pelo valor do aluguel.

Recriar sentidos

Ficou a cargo de Kazuo Nakano construir formulações a partir da fala de seus colegas. “Eu observei dimensões práticas da realidade sendo mostradas. E práticas criam sentidos e criam territórios.” Nakano questionou então seus companheiros, sobre quais maneiras a recriação de sentido pode resultar numa delimitação política de afirmação e resistência. "Quais possibilidades e dimensões de resistência a um processo de disputa por definir o sentido sócio-político do território do centro? Diante das forças que existem em disputa nesse território, é possível criar processos de resistências articulados com processos de criação?"

No dicionário, a palavra “resistir” possui vários significados. Entre eles está "não ceder, opor-se, recusar-se, sobreviver, durar, oferecer resistência”. Para Tião, recém-saído da rua, resistir é sobreviver, existir a despeito da experiência do desprezo e da perda total da condição humana. Já Rodolfo não gosta da palavra. Prefere outras, como impor, propor, atuar. Beatriz tem esperança de que a brecha aberta pelo fato de o capital privado não ter comprado a idéia de revalorização do centro possa ser aproveitada. Já Kazuo acredita que a resistência pode assumir um significado vivo, enquanto princípio de vida e criação de novas – e mais promissoras - formas de vida, através da viabilização de novas práticas sociais e existenciais.



Escrito por nicomedesoliveira às 08h21
[] [envie esta mensagem
]





Teatro
A rua vista de dentro

Diário Dum Carroceiro é a primeira peça escrita por um semteto levada ao circuito comercial.

                                            O ESPETÁCULO VOLTA A CARTAZ NO SEGUNDO SEMESTRE 2007--AGUARDEM

 



Escrito por nicomedesoliveira às 19h05
[] [envie esta mensagem
]





SPMárcia Abos, O Globo Online

Sebastião Nicomedes autografa seu livro/Foto: Divulgação

SÃO PAULO - Depois de quase três anos sem sequer ser chamado pelo próprio nome, Sebastião Nicomedes, de 39 anos, terá nesta terça-feira sua noite de glória. O tempo de morador de rua ficou para trás e ele lança e autografa, na Casa das Rosas, a partir das 20 horas, seu primeiro livro de poesias, "Cátia, Simone e outras marvadas".

Tião, como é chamado carinhosamente, agora se dedica a escrever um romance e um roteiro de cinema, depois de já ter em seu currículo um livro de poema e duas peças de teatro. Mas a vida já lhe deu duros golpes. Ficou órfão de pai e mãe antes de completar dez anos de idade e perdeu tudo, casa e empresa, há pouco mais de três anos.

A luta com as palavras nunca lhe foi estranha. Sebastião sempre escreveu. Desde os tempos de escola em Assis. Já em São Paulo, quando havia abandonado a literatura, dedicou-se a pintar palavras em letreiros e faixas. Resolveu um dia investir tudo o que tinha para abrir uma empresa.

Vendeu o apartamento onde morava, alugou um galpão, comprou computador, máquinas, contratou funcionários, constituiu sociedade. Mas um acidente foi o estopim da reviravolta. Tião caiu de um andaime, a oito metros de altura, quando instalava um letreiro.

Depois de passar oito dias internado, ao sair do hospital, descobriu que os sócios haviam lhe passado para trás. Perdeu tudo e acabou na rua, com uma fratura no pulso e precisando de uma cirurgia. Depois de dez dias em uma pensão, o pouco dinheiro que lhe restava acabou. Foi viver na rua, perto do mercado municipal. Ajudava um carreteiro e comia frutas.

- Ajudava a rebater o efeito dos antibióticos. Mas eu nem lembrava mais quem eu era.

Uma das poucas vezes em que voltou a ouvir seu nome foi da boca de um médico, que operou seu braço em um hospital no Pari. Graças a este médico, começou também a recuperar sua identidade. Voltou a escrever e a sonhar.

- Nunca perdi a esperança de sair da rua e sonhava. Mas eram sonhos pequenos, sabe? De cortar o cabelo, tomar um banho, comer em uma mesa. Coisas que fazem a diferença entre ser humano e nada. Foi o que me salvou - conta Tião.

A publicação do livro de poemas de Sebastião foi possível graças ao projeto Dulcinéia Catadora, liderado pela artista plástica Lúcia Rosa, que reúne oito catadores de papel de São Paulo. Participam também os filhos dos catadores, que pintaram as capas dos livros. O projeto é auto-sustentável, ou seja, não é ligado à nenhuma empresa, ONG ou esfera do poder públicoatadora.

  Adquira o seu livro. tiaonicomedes@hotmail.com



Escrito por nicomedesoliveira às 18h54
[] [envie esta mensagem
]





27/04/2007
Debate: Políticas de Cultura e Desenvolvimento Humano no centro de São Paulo


O Laboratório do Desenvolvimento Cultural do Fórum Intermunicipal de Cultura (FIC) convida para debate no dia 27 de abril, às 19h, no auditório do Instituto Pólis (Rua Araújo, 124 – República – São Paulo).

Participam da mesa Kazuo Nakano (urbanista do Instituto Pólis), Altair Moreira (integrante do FIC), Beatriz Kara José (urbanista e autora do livro "Políticas Culturais e Negócios Urbanos - A Instrumentalização da Cultura na Revitalização do Centro de São Paulo"), Rodolfo Garcia Vázquez (diretor Teatral do Grupo Sátyros) e Sebastião Nicomedes (ator,
dramaturgo e integrante do Movimento Nacional da População em Situação de Rua).

A entrada é franca. Para mais informações, o telefone é (11). 2174-6840.
 
 Recomende esta página
 Envie o seu comentário
 Imprima esta página


Escrito por nicomedesoliveira às 17h36
[] [envie esta mensagem
]





Fazer o bem é bom

 O que está em jogo, ao romper-se com um modo de vida que não contempla a dor do outro, é o projeto de um novo país, a construção de uma identidade que nos orgulhe, que nos inspire, que funcione como nossa causa. O canadense David Bornstein, autor de O Preço de um Sonho e Como Mudar o Mundo, diz que empreendedores sociais são “gente com novas idéias para enfrentar velhos problemas”. “Todos têm o poder de criar uma solução”, afirma. “É possível ter milhões de pessoas solucionando problemas. E, ao usar seus talentos para contribuir com a sociedade, elas serão mais felizes.” Ele afirma que os grandes investidores devem apostar seu dinheiro onde essas pessoas atuam porque são elas que moldarão a face do Ocidente nos próximos 20 anos. “Pesquisas mostram que investimentos de sucesso são aqueles em que a pessoa sente que ajudou outras e ganhou novos relacionamentos”, diz Bornstein. “Mesmo que seja por razões meramente racionais, investir em projetos sociais é melhor que trocar o carro ou redecorar a casa.”

 

Participe do Projeto Generosidade
Entre no site www.editoraglobo.com.br/generosidade e conte sua história do bem. Você pode relatar sua própria ação transformadora ou a experiência de alguém - ou de um grupo - que pratique atos generosos.

1 - Gilmar Russa
2 - Cristina da Costa
3 - Gerô Barbosa
4 - Lara Dee
5 - Sebastião Nicomedes
6 - Xuxa Meneghel
7 - Bianca Carvalho
8 - Flávio Canto
9 - Valdir Cimino
10 - Maria Alice Setúbal

 

Fonte: Revista Época, Edição 437 - 02/10/2006



Escrito por nicomedesoliveira às 17h30
[] [envie esta mensagem
]





 

Jornal da Pauta

30 de março de 2007 - Sexta-feira

 

 

 

 

FALARUA DEBATE PORTAS DE SAÍDA PARA POPULAÇÃO DE RUA

Data: 30 de março

Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social

(11) 3321-9747/9748/9758

 

O Falarua realiza no dia 30 de março uma plenária pública para debater o tema “Portas de Saída” para moradores em situação de rua, com a participação da Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social. Segundo estimativa da Secretaria, há 12 mil moradores de rua na cidade. A plenária será realizada no Centro Franciscano de Reinserção Social (R. Riachuelo, 268). Durante o evento, também será lançado o livro “Cátia, Simone e outras Marvadas”, do ex-morador de rua Sebastião Nicomedes, contando suas histórias e experiências na rua. A banda Filhos do Vento fará um show, apresentando pela primeira vez a música “Movimento”, de autoria de Sebastião Nicomedes.

 

AGENTES DE PROTEÇÃO SOCIAL SE PREPARAM PARA PRESERVAR O MEIO AMBIENTE

 

Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social

(11) 3321-9747/9748/9758

 

Os 156 Agentes de Proteção Social do Programa Ação Família – viver em comunidade começaram a participar do processo de formação temática ambiental para atuar na preservação do meio ambiente. As aulas são realizadas semanalmente UMAPAZ (Universidade do Meio Ambiente e Cultura da Paz), no Parque Ibirapuera. A capacitação faz parte do Projeto Ambientes Verdes e Saudáveis e está formando 5.700 agentes locais em todas as regiões da cidade. Dentre eles estão agentes da Ação Família e Agentes Comunitários de Saúde. De março a julho, eles vão aprender a reconhecer e abordar em suas atividades as questões sócio-ambientais relacionadas à saúde e ao desenvolvimento social, além de propor políticas que promovam ações integradas entre as áreas

Escrito por nicomedesoliveira às 17h25
[] [envie esta mensagem
]





 

A DIFERENÇA ENTRE QUEM SAI DAS RUAS E QUEM NUNCA VAI SAIR É A CAPACIDADE DE SONHAR!

 

                tiaonicomedes@hotmail.com

                         




Escrito por nicomedesoliveira às 17h21
[] [envie esta mensagem
]





Dulcinéia Catadora

Projeto-irmão do Eloísa CartoneraO oO O

 
  • Dia 30 de março, no SEFRAS, lançamento do segundo livro editado pela Dulcinéia Catadora, um projeto auto-sustentável que reúne artistas e filhos de catadores. Depois do SARAU, da COOPERIFA, este contempla os poemas de Sebastião Nicomedes, integrante do movimento nacional dos moradores de rua.

    Nas fotos de Fabiano Viana (esquerda para direita): Andréia Emboava (projeto Dulcinéia), Sebastião Nicomedes (escritor)  e Lúcia Rosa(projeto Dulcinéia).

     

     

     

    Leia também no Terra:
    » Poema 'Cumplicidade', de Sebastião Nicomedes
    » 'Se eu escrevesse sempre, iria incomodar'

    Para ter o livro: dulcineia.catadora@gmail.com

     



     


     

      O LIVRO TAMBÉM PODE SER ADQUIRIDO DIRETAMENTE COMIGO

  •  tiaonicomedes@hotmail.com--em sendo de são paulo entrego em mãos.



Escrito por nicomedesoliveira às 17h02
[] [envie esta mensagem
]





 

 

A DIFERENÇA ENTRE QUEM SAI DAS RUAS E QUEM NUNCA VAI SAIR É A CAPACIDADE DE SONHAR!

 

                tiaonicomedes@hotmail.com

                         



Escrito por nicomedesoliveira às 11h22
[] [envie esta mensagem
]





Dimensões da tragédia urbana

Ermínia Maricato

A evolução dos indicadores sociais, que acompanham o processo de urbanização no Brasil, apresenta um quadro contraditório. Desde os anos 40 podemos festejar a queda ininterrupta da mortalidade infantil (de 149 mortes para cada mil nascidos vivos em 1940 para 34,6 em 1999), o aumento, também ininterrupto da expectativa de vida (de 42,7 anos em 1940 para 68,4 em 1999) e a queda do número de filhos por mulher em idade fértil (4,4 filhos em 1940 para 2,2 em 2000). O nível de escolaridade, como todos sabemos, também evolui positivamente ao longo do período. Esses dados, fornecidos pelo IBGE, propiciam uma leitura bastante positiva da evolução da sociedade brasileira no século passado. Tanto o aumento da expectativa de vida quanto a diminuição da mortalidade infantil, bem como a diminuição da taxa de natalidade, constituem variações significativas e, sem dúvida, benéficas no que diz respeito à qualidade de vida.

O processo de urbanização/industrialização se consolida e se aprofunda a partir de 1930, quando os interesses urbanos industriais conquistam a hegemonia na orientação da política econômica sem, entretanto, romper com relações arcaicas de mando baseado na propriedade fundiária. É importante destacar essa característica do processo social brasileiro: industrialização sem reforma agrária, diferentemente do que ocorrera na Europa e nos Estados Unidos. Nestes, a industrialização foi acompanhada de rupturas na antiga ordem social. Entre nós, predominou um certo arranjo, uma acomodação por cima como ocorrera em outros momentos importantes na história do país: independência (1822), Constituição de 1824, Lei de Terras de 1850, "libertação" dos escravos em 1988, República 1889, característica para a qual chamam a atenção diversos estudiosos como Francisco de Oliveira, Alfredo Bosi, José de Souza Martins, Roberto Schwarz, entre muitos outros.

Entre 1940 e 1980 o Brasil cresceu, economicamente, a taxas muito altas (crescimento do PIB equivalente a 7% ao ano) e, embora a riqueza gerada por esse crescimento tenha sido muito mal distribuída, ainda assim proporcionou melhora de vida a grande parte da população, além de resultar em uma respeitável base produtiva.

Nesse período, as grandes metrópoles, especialmente São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, eram vistas como a alternativa de melhora das péssimas condições da vida rural. Um gigantesco movimento migratório foi o principal responsável por ampliar a população urbana em 125 milhões de pessoas em apenas 60 anos. Em 1940, cerca de 18,8% da população brasileira era urbana. Em 2000 essa proporção é de 82%, aproximadamente, o que permite classificar o Brasil com um dos países mais urbanizados do planeta sendo que perto de 30% dessa população vive em apenas 9 metrópoles.

Apesar da sua característica de concentração das riquezas, o processo de industrialização/urbanização foi determinante para a melhora dos indicadores sociais mencionados acima devido à expansão da rede de água tratada, ampliação do uso de antibióticos, aumento da escolaridade materna, aumento do atendimento à gestante, maior acesso à informação, expansão do emprego industrial e acesso, mesmo que restrito, aos direitos sociais no trabalho urbano (dentre outras causas).

Brasil, país urbanizado. Urbanizado, de fato?

 

 

 



Escrito por nicomedesoliveira às 11h15
[] [envie esta mensagem
]





Id: 276649
Autor: Lovisi, Giovanni Marcos.
Título: Avaliacao de distúrbios mentais em moradores de albergues públicos das cidades do Rio de Janeiro e de Niterói / Evaluation of the mental disorders in residents of public housings you give cities of Rio de Janeiro and Niteroi.
Fonte: Rio de Janeiro; s.n; 2000. 148 p. tab.
Idioma: Pt.
Tese: Apresentada a Escola Nacional de Saúde Pública para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: Avalia os distúrbios mentais e limitacoes no comportamento social em moradores de albergues públicos das cidades do Rio de Janeiro e de Niterói. Foi realizada uma amostra aleatória de 300 moradores em albergues públicos da Fundacao Leao XIII e Fazenda Modelo; 319 (96,7 por cento) foram pessoalmente entrevistados, empregando-se o Composite International Development Interview (CIDI) para avaliacao dos distúrbios mentais. Para os 330 foi preenchida a Social Behaviour Scale (SBS) para avaliar as limitacoes do comportamento social. A amostra foi selecionada aleatoriamente, constituída de 330 moradores. Basicamente, foram examinadas duas hipóteses: os moradores de albergues estao nessas instituicoes por nao terem moradia, ou porque têm graves distúrbios mentais. A grande maioria era de homens (75,8 por cento), solteiros (78,9 por cento), baixo nível educacional (94,7 por cento), desempregados (72,9 por cento) e com média de idade de 48,2 anos (desvio-padrao=14,4 anos). Cerca de 18,8 por cento preencheram os requisitos para distúrbios mentais maiores por toda a vida, nao levando-se em conta a comorbidade. Outros resultados incluem: esquizofrenia (10,3 por cento), depressao maior (8,5 por cento) défict cognitivo grave (15, por cento) e 42,6 de abuso/dependência de álcool; 23,9 por cento tinha história de internacao psiquiátrica prévia. Com relacao a limitacoes do comportamento social, estas foram muito menos freqüentes em comparacao às relatadas por pacientes internados em hospitais psiquiátricos. Os resultados encontrados foram muitos menores do que aqueles alegados por alguns políticos, a opiniao pública e mesmo por alguns profissionais da área de saúde mental, que acreditam que a grande maioria dos moradores de rua seja constituída por doentes mentais graves. Apesar de a freqüência dos distúrbios nao ser tao alta quanto se acreditava, ela é maior do que na populacao em geral, e torna-se muito alta ao levar-se em conta o consumo de álcool de drogas. Isso chama a atencao para uma parcela grande de moradores necessitando de cuidados psiquiátricos e programas de reabilitacao social.(AU).
Descritores: Albergado
Comportamento Social
Transtornos Mentais/epidemiologia
-Desinstitucionalização
Responsável


Escrito por nicomedesoliveira às 11h10
[] [envie esta mensagem
]





Autor: Alvarez, Aparecida Magali de Souza.
Título: A resiliência e o morar na rua: estudo com moradores de rua - crianca e adultos - na cidade de Säo Paulo / Resilience and homelessness: a study on homeless - adults and child - in the city of Säo Paulo.
Fonte: Säo Paulo; s.n; 1999. 198 p. ilus.
Idioma: Pt.
Tese: Apresentada a Universidade de Säo Paulo. Faculdade de Saúde Pública. Departamento de Saúde Materno-Infantil para obtenção do grau de Mestre.
Resumo: Aplica a categoria Resiliência no estudo de ex-moradores de rua da regiäo central de Säo Paulo, que buscaram um outro modo de vida, no sentido de resonhecer a contribuicäo que esse conceito pode dar ao equacionamento de acöes de saúde, em particular da saúde mental, voltadas às populacöes de rua, no contexto das metrópoles brasileiras. Foram selecionados quatro adultos e uma crianca, egressos de um grupo de moradores de rua de um bairro central da cidade de Säo Paulo, que, do ponto de vista investigativo, foram considerados como possíveis resilientes, ou seja, portadores de capacidade humana de fazer frente às adversidades da vida, superá-las e saírem delas fortalecidos ou, inclusive, transformados. Utilizando entrevistas abertas e semi-estruturadas, fotografias, registros no diário de campo e técnicas de observacäo, procedeu-se a uma descricäo etnográfica da moradia e do modo de morar atual e anterior dos sujeitos participantes do estudo, assim como de suas características psíquicas e sua interacäo com o meio em que vivem ou viveram. A partir do reconhecimento da trajetória empreendida por eles, estes foram considerados positivamente como resilientes, com base nos conceitos heurísticos "busca de sentido" e "pontos fixos" internos e provenientes do entorno identificados nos sujeitos. Reconhece a importância do conceito de resiliência em estudos desta natureza e a necessidade de difusäo do mesmo para sua efetiva aplicacäo na área de saúde pública (AU).


Escrito por nicomedesoliveira às 11h03
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]