Arquivos
 04/06/2017 a 10/06/2017
 14/05/2017 a 20/05/2017
 01/01/2017 a 07/01/2017
 09/10/2016 a 15/10/2016
 07/08/2016 a 13/08/2016
 29/05/2016 a 04/06/2016
 23/08/2015 a 29/08/2015
 14/06/2015 a 20/06/2015
 10/05/2015 a 16/05/2015
 05/04/2015 a 11/04/2015
 08/03/2015 a 14/03/2015
 01/02/2015 a 07/02/2015
 14/12/2014 a 20/12/2014
 21/09/2014 a 27/09/2014
 14/09/2014 a 20/09/2014
 07/09/2014 a 13/09/2014
 17/08/2014 a 23/08/2014
 10/08/2014 a 16/08/2014
 13/07/2014 a 19/07/2014
 27/04/2014 a 03/05/2014
 16/02/2014 a 22/02/2014
 09/02/2014 a 15/02/2014
 05/01/2014 a 11/01/2014
 29/12/2013 a 04/01/2014
 15/12/2013 a 21/12/2013
 08/12/2013 a 14/12/2013
 18/08/2013 a 24/08/2013
 11/08/2013 a 17/08/2013
 04/08/2013 a 10/08/2013
 28/07/2013 a 03/08/2013
 21/07/2013 a 27/07/2013
 14/07/2013 a 20/07/2013
 30/06/2013 a 06/07/2013
 23/06/2013 a 29/06/2013
 16/06/2013 a 22/06/2013
 09/06/2013 a 15/06/2013
 26/05/2013 a 01/06/2013
 19/05/2013 a 25/05/2013
 07/04/2013 a 13/04/2013
 24/03/2013 a 30/03/2013
 17/03/2013 a 23/03/2013
 10/03/2013 a 16/03/2013
 03/03/2013 a 09/03/2013
 17/02/2013 a 23/02/2013
 03/02/2013 a 09/02/2013
 13/01/2013 a 19/01/2013
 06/01/2013 a 12/01/2013
 30/12/2012 a 05/01/2013
 16/12/2012 a 22/12/2012
 09/12/2012 a 15/12/2012
 02/12/2012 a 08/12/2012
 25/11/2012 a 01/12/2012
 18/11/2012 a 24/11/2012
 11/11/2012 a 17/11/2012
 04/11/2012 a 10/11/2012
 28/10/2012 a 03/11/2012
 14/10/2012 a 20/10/2012
 30/09/2012 a 06/10/2012
 16/09/2012 a 22/09/2012
 26/08/2012 a 01/09/2012
 12/08/2012 a 18/08/2012
 05/08/2012 a 11/08/2012
 22/07/2012 a 28/07/2012
 15/07/2012 a 21/07/2012
 08/07/2012 a 14/07/2012
 01/07/2012 a 07/07/2012
 24/06/2012 a 30/06/2012
 10/06/2012 a 16/06/2012
 03/06/2012 a 09/06/2012
 27/05/2012 a 02/06/2012
 20/05/2012 a 26/05/2012
 06/05/2012 a 12/05/2012
 15/04/2012 a 21/04/2012
 08/04/2012 a 14/04/2012
 01/04/2012 a 07/04/2012
 25/03/2012 a 31/03/2012
 18/03/2012 a 24/03/2012
 04/03/2012 a 10/03/2012
 26/02/2012 a 03/03/2012
 19/02/2012 a 25/02/2012
 12/02/2012 a 18/02/2012
 05/02/2012 a 11/02/2012
 15/01/2012 a 21/01/2012
 08/01/2012 a 14/01/2012
 01/01/2012 a 07/01/2012
 18/12/2011 a 24/12/2011
 27/11/2011 a 03/12/2011
 13/11/2011 a 19/11/2011
 30/10/2011 a 05/11/2011
 23/10/2011 a 29/10/2011
 16/10/2011 a 22/10/2011
 18/09/2011 a 24/09/2011
 31/07/2011 a 06/08/2011
 17/07/2011 a 23/07/2011
 26/06/2011 a 02/07/2011
 19/06/2011 a 25/06/2011
 05/06/2011 a 11/06/2011
 22/05/2011 a 28/05/2011
 15/05/2011 a 21/05/2011
 08/05/2011 a 14/05/2011
 24/04/2011 a 30/04/2011
 17/04/2011 a 23/04/2011
 10/04/2011 a 16/04/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 20/03/2011 a 26/03/2011
 20/02/2011 a 26/02/2011
 06/02/2011 a 12/02/2011
 16/01/2011 a 22/01/2011
 09/01/2011 a 15/01/2011
 02/01/2011 a 08/01/2011
 26/12/2010 a 01/01/2011
 12/12/2010 a 18/12/2010
 05/12/2010 a 11/12/2010
 28/11/2010 a 04/12/2010
 21/11/2010 a 27/11/2010
 14/11/2010 a 20/11/2010
 07/11/2010 a 13/11/2010
 31/10/2010 a 06/11/2010
 24/10/2010 a 30/10/2010
 17/10/2010 a 23/10/2010
 10/10/2010 a 16/10/2010
 03/10/2010 a 09/10/2010
 26/09/2010 a 02/10/2010
 12/09/2010 a 18/09/2010
 22/08/2010 a 28/08/2010
 15/08/2010 a 21/08/2010
 08/08/2010 a 14/08/2010
 01/08/2010 a 07/08/2010
 25/07/2010 a 31/07/2010
 18/07/2010 a 24/07/2010
 11/07/2010 a 17/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 13/06/2010 a 19/06/2010
 06/06/2010 a 12/06/2010
 30/05/2010 a 05/06/2010
 23/05/2010 a 29/05/2010
 16/05/2010 a 22/05/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 02/05/2010 a 08/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 04/04/2010 a 10/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 14/03/2010 a 20/03/2010
 07/03/2010 a 13/03/2010
 28/02/2010 a 06/03/2010
 21/02/2010 a 27/02/2010
 14/02/2010 a 20/02/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 24/01/2010 a 30/01/2010
 20/12/2009 a 26/12/2009
 13/12/2009 a 19/12/2009
 06/12/2009 a 12/12/2009
 29/11/2009 a 05/12/2009
 22/11/2009 a 28/11/2009
 15/11/2009 a 21/11/2009
 08/11/2009 a 14/11/2009
 01/11/2009 a 07/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 18/10/2009 a 24/10/2009
 11/10/2009 a 17/10/2009
 04/10/2009 a 10/10/2009
 27/09/2009 a 03/10/2009
 20/09/2009 a 26/09/2009
 13/09/2009 a 19/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 05/07/2009 a 11/07/2009
 14/06/2009 a 20/06/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 17/05/2009 a 23/05/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 26/04/2009 a 02/05/2009
 19/04/2009 a 25/04/2009
 12/04/2009 a 18/04/2009
 05/04/2009 a 11/04/2009
 29/03/2009 a 04/04/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 08/02/2009 a 14/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 25/01/2009 a 31/01/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog de nicomedesoliveira
 



Alegria dá a receita para promoção da saúde entre população de rua

Uma iniciativa inusitada está levando informação e conhecimento sobre saúde à população de rua no Rio de Janeiro. Sociólogo, mestre em Saúde Pública pela Unicamp, Marcus Vinícius Campos criou o personagem do Palhaço Matraca, encarnado por ele mesmo, para levar cidadania e educação à população de rua, em um trabalho de promoção da saúde que une arte e pesquisa acadêmica. A atividade foi retratada no documentário Matraca e o povo invisível , que teve sua primeira exibição ontem, quarta-feira, encerrando o projeto Todo O Mundo da Rua no SESC Niterói. O filme faz parte do projeto de doutorado em Ensino em Biociências e Saúde desenvolvido por Marcus Vinícius no Instituto Oswaldo Cruz (IOC) e é a conclusão de um trabalho de campo iniciado há três anos.

“Eu sempre gostei de palhaço e sempre vivi a dicotomia entre arte e ciência. Consegui encontrar na educação não-formal um nicho ainda pequeno, porém em crescimento, que acaba com essa dicotomia e integra essas duas vertentes do conhecimento”, o pesquisador relata. “Quando fui para campo como palhaço, percebi o potencial absurdo de linguagens que existe entre moradores de rua, profissionais do sexo e o cidadão comum e o quão distante a academia está dessa realidade”. No documentário, a integração entre o conhecimento acadêmico e a realidade das ruas é feita pela sobreposição de diferentes discursos, expostos pelo depoimento de moradores e ex-moradores de rua, profissionais do sexo, deputados, educadores e profissionais de saúde.

As doenças sexualmente transmissíveis
são um dos temas abordados pelo sociólogo
em seu trabalho de campo

A experiência como palhaço de rua mostrou ao pesquisador como a alegria é fundamental para a promoção da saúde. “O objetivo da minha tese de doutorado é investigar o uso da arte do palhaço como estratégia para divulgar e promover saúde em população de rua, através do conceito Alegria para Saúde”, apresenta. “Por estar também à margem da sociedade, o palhaço consegue uma aproximação maior com a população de rua. Através de brincadeiras lúdicas é capaz de multiplicar informações sobre saúde e educação e promover a cidadania”, conclui.

Por Renata Fontoura e Bel Levy
30/03/2006



Escrito por nicomedesoliveira às 09h02
[] [envie esta mensagem
]






SOBRE A POPULAÇÃO DE RUA EM SITUAÇÃO DE RISCO

A população em situação de rua, constituída por pessoas que não têm moradia, vive sob as marquises, viadutos e nas avenidas, pernoita em albergues, nos logradouros da cidade, em casas abandonadas, cemitérios, carcaças de veículos, terrenos baldios ou em depósitos de papelão e sucata, em situação de absoluta exclusão social. São pessoas carentes não só de recursos materiais, mas carentes de atenção, carinho e amor. Elas não existem para o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

clique nas fotos p/ ampliar

Uma vez que não possuem casa, não participam de censos demográficos, embora estejam cada vez mais presentes nas ruas, no comércio e nos lugares públicos. Em 2003 a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), por meio de contrato com a Prefeitura de São Paulo, realizou contagem da população de rua, registrando 10.394 pessoas nessa situação. Desses, 6.186 foram localizados nas ruas e 4.208 em albergues. Em sua maioria são do sexo masculino (84%), não brancos (64%),de 41 a 55 anos de idade (35%).
Foram encontrados em todos os 96 distritos administrativos da cidade, predominando nos mais centrais e na região sudeste da cidade, onde o comércio e serviços se concentram, facilitando a obtenção de alimentos e recursos financeiros; em contrapartida, durante a noite esses locais são despovoados, transformando-se em abrigos. Apesar das diferentes causas possíveis para a rua ser adotada como lar, seus moradores partilham inúmeras características.

clique nas fotos p/ ampliar

São vítimas do desemprego, da falta de moradia, de fracassos pessoais, desamparo institucional, do aumento da miséria provocada pelo descaso e pela falta de vontade política. São pessoas para as quais algumas das instituições básicas da sociedade como propriedade privada e família deixaram de existir.
Além desses fatores, algumas pessoas também vão às ruas em decorrência de problemas mentais, abuso de drogas lícitas e ilícitas e/ou por vontade própria. E temos que respeitar o direito de gente que não quer sair da rua. Cada um tem seu nível de abandono, de violência e direito a escolhas.Há uma sistemática tentativa de esconder a população em situação de rua dando a falsa impressão de que o problema não existe.

clique nas fotos p/ ampliar

A ordem parece ser apenas retirar, impedir que pessoas fiquem na rua. Mas levá-las para onde? Há investimentos em moradias provisórias, em construção de melhores abrigos, programas de locação social e bolsa aluguel?Usuários da maioria dos albergues os comparam a cadeias, os consideram pior do que a própria rua - banho frio no inverno às 5 horas da manhã, violência e desrespeito.
Em vez de permitir que o desconforto seja escondido, a sociedade precisa, num esforço multidisciplinar, finalmente encará-lo, para, junto com a própria população de rua, apontar saídas e alternativas "A inclusão das pessoas em situação de rua depende, em grande parte, de uma transformação individual, mas também de uma mudança de atitude da sociedade, da mídia e dos governos."

A rua como palco de transformações" Marcio Seidenberg

Jornalista e colaborador da Organização Civil de Ação Social

clique nas fotos p/ ampliar



Escrito por nicomedesoliveira às 19h22


Escrito por nicomedesoliveira às 09h01
[] [envie esta mensagem
]






> dataPost = ""; if (dataPost != "") {document.write("");} else {document.write(""); }

Nesta tese:  Capítulos:  Na coleção:  pesquisa de teses


 

Dias, Andréa Theodoro Tocí. Comparando albergues públicos e filantrópicos: apresentação de uma escala de avaliação objetiva dessas instituições. [Mestrado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 1999. 70 p.

Comentários Finais

A exclusão social não é um fato novo na História, pois cada época teve suas formas de alijar determinados indivíduos do que é partilhado pela sociedade dominante, sendo a existência da população de rua uma preocupação presente em diversos períodos, com diferentes enfoques.

O fenômeno que analisamos nestes artigos refere-se primordialmente às três últimas décadas do século XX, quando a política neoliberal impõe, em escala mundial, um sistema econômico que, dentre outras medidas, gera desemprego em massa e corta de forma substancial os gastos sociais.

As opiniões acerca da população de rua variam, por exemplo, desde a posição do então presidente Reagan quando afirmou que as pessoas sem-teto são assim por escolha própria (in BASSUK, 1984), até à posição do sociólogo brasileiro Herbert de Souza (1993), o Betinho, que dizia existirem cerca de 30 milhões de indigentes em nosso país.

Como vimos, a pesquisa com a população de rua enfrenta diversos obstáculos mesmo nos países que já estudam o tema por quase três décadas. Além destes obstáculos, cada área de estudo tende a privilegiar um certo enfoque de entendimento do problema, o que gera abordagens e conclusões díspares.

No setor de saúde mental, as primeiras abordagens, por exemplo, tentavam verificar a associação entre a desinstitucionalização e o aumento da população de rua. HAMID ET AL.(1993) postulam, entretanto, que a forma como as pessoas recentemente perceberam a população de rua como resultante de uma política de saúde mental, é apenas uma das formas explicativas que ao longo do tempo vêm sendo propostas para enfrentar o problema.

Para lograr êxito no enfrentamento do problema da população de rua e encontrar soluções que remetam a inclusão destas pessoas na sociedade como um todo é preciso focalizar a atenção em três aspectos: o metodológico, o interdisciplinar e o político.

A metodologia de pesquisa na área tem que encontrar algumas bases homogêneas no que se refere a definição desta população, que considere as características brasileiras em suas diferentes regiões. Este aspecto ainda está muito longe de ser alcançado, mesmo nos países com anos de experiência.

Podemos, entretanto, iniciar com uma enumeração e comparação das definições usadas pelos setores que já vem trabalhando com esta população: pesquisadores, secretarias sociais, instituições religiosas, organizações não governamentais, até chegarmos a um consenso.

Ao apresentarmos um instrumento de pesquisa que visa caracterizar e avaliar a instituição que serve como base de atendimento a população de rua, pretendemos contribuir principalmente com a sedimentação de uma metodologia do setor, levantando dados de forma padronizada acerca de nossa realidade.

A interdisciplinaridade é uma outra grande necessidade nos estudos com a população de rua. Este não é um problema que possa ser enfrentado com sucesso por apenas um ou dois setores da sociedade.

É imperioso que as diversas disciplinas, a sociedade civil e o poder público, ou pelo menos uma parte dele, disponibilizem suas intenções e experiências com a população de rua, de modo que o problema seja trabalhado sob diversos ângulos e, sobretudo, de forma integral, sem que as pessoas desabrigadas sejam vistas sob uma ótica estreita. Este cuidado evita que as soluções mágicas sejam postas em prática e, com o avanço do debate ampliado, a sociedade pode se tornar mais consciente e menos arredia na busca de soluções, já que o modelo neoliberal quase que naturaliza a exclusão, idéia que deve ser veementemente negada.

Uma solução final, que enfeixe um conjunto de causas e as neutralize, está muito longe de ser alcançada. As respostas são parciais, mesmo nas sociedades que já avançaram muito nas pesquisas, ou mesmo com forte ênfase no Estado de Bem-Estar.

Segundo BREAKEY (1997), há uma questão fundamental a ser enfrentada: disponibilizar os recursos necessários para que o que conhecemos como ‘vida civilizada’ seja acessível para todos os membros da sociedade, independentemente de quais problemas de nível individual eles tenham. Questão que é perspassada, indubitavelmente, pela vontade política, o terceiro aspecto a ser contemplado no enfrentamento do problema da população de rua.

 
fIO cRUZFUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ


Escrito por nicomedesoliveira às 09h01
[] [envie esta mensagem
]





População de Rua: um esforço de MSF contra a exclusão social ---MÉDICOS SEM FRONTEIRAS

 

 O projeto Meio-fio surgiu no segundo semestre de 2000. Ele presta assistência social e de saúde à população de rua do centro da cidade e procura contribuir também com a reinserção social desse grupo. O trabalho não é simples. As equipes se locomovem, a pé, por uma grande área da cidade, sempre à tarde e à noite. 

Como o trabalho é cotidiano, é natural que as equipes encontrem com freqüência os mesmos usuários nas ruas. 
Deficiente, no entanto, a saúde pública tem critérios perversos de seleção dos doentes atendidos. Vítimas do preconceito e desprovidos de quaisquer recursos de pressão, a população de rua tem dificuldades particulares de se inserir no sistema público de saúde e de protestar contra a exclusão. Um dos esforços do Projeto Meio-fio é garantir o direito dessas pessoas em receber um tratamento de saúde universal, gratuito e de qualidade. Junto com a primeira avaliação do usuário, que é mais imediata, todo um trabalho social é feito em paralelo pelo Projeto Meio-fio – acompanhamento e atendimento para documentação, abrigo, educação e alimentação e reinserção sócio-familiar do usuário.

Moradores de rua são um símbolo da desigualdade social e de um sistema excludente, que parece dispensar essas pessoas da vida produtiva. Marcadas por trajetórias conturbadas, por problemas familiares, pelo preconceito e pela falta de acesso a condições mínimas de sobrevivência digna, uma grande quantidade de pessoas, a cada ano, passa a morar nas ruas.

O Meio-fio tem pouco mais de um ano e, nesse tempo, cerca de 1200 pessoas já foram ajudadas pelo projeto, que hoje conta com doze profissionais.

 Muitas vezes a reinserção de um beneficiário não evolui por diversos motivos. A dificuldade em superar um vício, a falta de vínculos familiares, o comprometimento mental gerado pela vida na rua, e, sobretudo, a falta de 
auto-estima limitam as chances de reinserção.

Marcadas pelo estigma da mendicância, essas pessoas têm grandes dificuldades em se imaginar integradas à sociedade. “De uma forma geral, as pessoas tendem a encarar os moradores em situação de rua como se fossem todos uma coisa só. Na verdade, o trabalho com esse grupo revela uma heterogeneidade de perfis impressionante. O motivo que os levou às ruas e as razões que os fazem permanecer lá alteram a forma de trabalhar sua reinserção social”, diz Washington Ramos, gerente do projeto.

De fato, os perfis dos usuários demonstram a diversidade da população de rua. Mark Anthony, por exemplo, é um senhor da Guiana Inglesa. Em inglês, ele conta que trabalhava como marinheiro até vir para o Brasil, onde perdeu seus documentos e não pôde voltar para o mar. Já Estácio diz ser um exímio percussionista da escola de samba Caprichosos de Pilares. Ele mora nas ruas e sobrevive com pequenos serviços que realiza “para se defender”, como diz. Elisângela Silva tem uma história de vida conturbada, marcada pelo abandono e pela violência. Filha de pais que viveram nas ruas, Elisângela é mãe de duas crianças, fortes candidatas a se tornarem a terceira geração de moradores de rua na família.

Assistência social complementa cuidados de saúde do Projeto Meio-Fio

Lidar com a diversidade de perfis e históricos e, ao mesmo tempo, recuperar a auto-estima dos beneficiários é uma preocupação do Projeto Meio-fio. É por isso que o trabalho nas ruas encoraja seus moradores a procurar o núcleo de atendimento durante o dia. É no núcleo que o usuário poderá ser assistido de forma pessoal e num ambiente mais apropriado. Além da assistência de saúde, atividades educativas informam sobre cuidados de higiene e saúde de acordo com as condições encontradas na rua. Os atendimentos psico-sociais, e parte das atividades educativas, trabalham também o lado emocional do usuário. “Fortalecer a capacidade de sonhar é fundamental para despertar seus desejos e ambições”, diz Andrea Monteiro, uma das educadoras do Meio-fio. Além disso, oficinas de artesanato começaram em novembro e podem colaborar como uma fonte de renda para os usuários do projeto. A idéia é que essas ações possam servir como suporte emocional e como forma de despertar nessas pessoas a vontade de seguir em frente e de superar a barreira da exclusão social.

Apesar de todo o trabalho de Médicos Sem Fronteiras, está claro que o problema das populações de rua não pode ser resolvido exclusivamente através de iniciativas como o Projeto Meio-fio. A questão é complexa porque mistura à dura realidade social do país os dramas pessoais vividos por cada indivíduo na rua. 

Por isso, são necessárias políticas públicas específicas, destinadas à resolução do problema. Isto no entanto não tira a responsabilidade de organizações comprometidas com o bem-estar de grupos sociais mais vulneráveis. Médicos Sem Fronteiras, através do Projeto Meio-fio, acredita que pode contribuir com seus trinta anos de experiência para reduzir os problemas enfrentados por essas pessoas. É por isso que MSF propõe ações diretas que aliviem o sofrimento dos moradores de rua. Mas também atua indiretamente, construindo mecanismos que possam modificar essa dura realidade social e forçar a inserção no sistema que, por lei, deve acolher a todos.

foto: Fabrízia Granatieri





Escrito por nicomedesoliveira às 09h01
[] [envie esta mensagem
]





PIME-Net

 

BRASIL: 20/03/2006
Moradores de rua
Moradores de rua falam de seus problemas

 entrevistas feitas com dois membros do Movimento de Defesa da População da Rua: Antônio Carlos de Araújo e Sebastião Nicomedes de Oliveira. Eles nos receberam Moradores de rua falam de seus problemas

entrevistas feitas com dois membros do Movimento de Defesa da População da Rua: Antônio Carlos de Araújo e Sebastião Nicomedes de Oliveira. Eles nos receberam no Centro comunitário “S. Martinho de Lima”, embaixo do viaduto Guadalajara.

Entrevista com Antônio Carlos de Araújo

. Revista “MUNDO e MISSÃO” - O que é povo de rua?

AntCarlos - Somos um povo que procura uma vivência, uma realidade. Eu já fui catador de papel, entre nós há os que têm problemas de droga, problemas de álcool, os que se encontram desempregados. Há vários tipos de pessoas entre nós: os intelectuais, como o Sr. Sebastião que está aqui comigo e que está lançando um trabalho teatral (“O diabo e o carneiro”), um livro (“O pardal”, que seria o povo de rua), há pessoas que estão atrás de um objetivo na vida, há pessoas que têm problemas mentais.


Sebastião Nicomedes de Oliveira e Antônio Carlos de Araujo, coordenadores do movimento de defesa da população da rua

Artezanato no centro Comunitário “S. Martinho de Lima”

 

Entrevista com Sebastião Nicomedes de Oliveira.

Revista “MUNDO e MISSÃO” - O que funciona neste centro?


Artezanato no centro Comunitário “S. Martinho de Lima”

Sebast. - É um centro de convivência. Pessoas que moram na rua ou nos cortiços o utilizam para almoço, para tomar um banho, para lavar suas roupas. Independentemente do fato de dormirem na rua ou no albergue, as pessoas podem almoçar aqui. O centro não é albergue, não é lugar para dormir a noite. Supre também a necessidade que tem a cidade de S. Paulo de um banheiro público e gratuito. É constrangedor para as pessoas que moram na rua ter que utilizar a própria calçada porque não existem banheiros.

 

Revista “MUNDO e MISSÃO” - O que é que o povo da rua mais gostaria de ter?

Sebast. - Um trabalho, mas não consegue. Um trabalho facilitaria a pessoa para sair da rede de albergue e da rua.O morador de rua sai da rua para dormir no albergue mas continua morador de rua. O albergue não é a casa dele. É um favor. Ele vai ficar ali por um tempo de 3 a 6 meses, podendo ser ampliado, mas a situação é inconstante o tempo todo. Estes 6 meses são concedidos poeticamente pensando que neste tempo ele poderia achar um trabalho. Mas a estrutura para fazer com que isso aconteça não existe.

Revista “MUNDO e MISSÃO” - Qual a dificuldade maior para achar um trabalho?

Sebast. - Documentos. No albergue não tem ajuda para conseguir documentos, para pô-los em ordem, para tirar fotografias, nem encaminhamento para um lugar onde os documentos possam ser


Refeitório do centro comunitário

conseguidos. O morador de rua tem que descobrir tudo sozinho. Achar um trabalho é difícil. Se você der o endereço do albergue, será discriminado.Não querem saber de pessoas de albergue, albergue para a sociedade é lugar de bandidos, de drogados, de bêbados. Existe também o problema da comunicação. O recado não chega. Ou não passam um recado de uma agência de emprego para eu me apresentar, ou passam com atraso.

E existe a questão da roupa. Se você não se apresentar no albergue com roupa de mendigo, sujo, rasgado, eles acham que não está apto para o albergue, está sendo visado como se estivesse usurpando a casa. Se arranjar um celular, pior ainda. Agora, na firma, se não conseguir uma roupa decente não consegue emprego. Eles cuidam muito da aparência. Você sai às 6 horas do albergue e recebeu um recado para aparecer às 10 horas ou à 1 hora da tarde para ver o emprego. Do jeito que você sai de lá, desse jeito vai comparecer no lugar onde poderia arranjar serviço. Não consegue nem trocar de roupa, nem tomar banho. Tudo isso dificulta você a achar um emprego.

.

,


Evento cultural no centro Comunitário “S. Martinho de Lima”

.

Revista “MUNDO e MISSÃO” - A sua luta é ampla.Não somente sair da rua, mas abrir caminho para que outros possam sair também.

Sebast. - Muita gente estava na rua, conseguiu emprego, saiu e esqueceu de tudo. Eu sou mais coletivo, não quero sair sozinho. Alguns que moram na rua não sabem mais quem são, não sabem mais que são gente, têm vergonha até de levantar os olhos.

Escrevi uma história: “Diário de um carroceiro”. Nós moradores de rua somos os carroceiros e a peça é um monólogo. Um grupo profissional de teatro pegou esta peça e vão levá-la para o Brasil e para o mundo. É uma forma de fazer a sociedade enxergar essa verdade.




Escrito por nicomedesoliveira às 08h58
[] [envie esta mensagem
]





Juliana Cézar Nunes
Michèlle Canes
Agência Brasil
Brasília - As diretrizes da Política Nacional de Assistência à População de Rua, que o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) pretende lançar em 2006, foram debatidas nesta semana no 1º Encontro Nacional sobre População de Rua, por representantes do governo, organizações não-governamentais e os próprios moradores de rua.
Ao final do encontro, os participantes elaboraram documento em que apontam a necessidade de criação de mecanismos de financiamento contínuo das atividades de apoio às pessoas que vivem nas ruas.
Poucas cidades no País possuem uma lei específica que garanta os direitos dessa população e os estados arcam com os custos, por se tratar de assistência social considerada complexa.
Mas os recursos repassados são considerados insuficientes para manter os abrigos, pagar as bolsas de auxílio e promover oficinas de capacitação profissional.
“Saímos desse encontro certos de que é necessário propor uma política que não se restrinja à assistência, mas que envolva setores como saúde, educação, segurança e justiça”, avaliou a diretora da Secretaria Nacional de Assistência Social (SNAS), Rita de Cássia Marchiori.
“Queremos adotar uma metodologia que garanta o financiamento continuado das atividades e não permita que os programas funcionem de forma isolada”, acrescentou.
###
Parcerias para combater exclusão social
As organizações não-governamentais indicaram durante o 1º Encontro Nacional sobre População de Rua, a inclusão da assistência à população de rua na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Outra alternativa seria criar mecanismos de parceria entre governo federal, estados e municípios. A busca de recursos na iniciativa privada, para a criação de cooperativas profissionais formadas por moradores de rua, também vem sendo estudada.
As contribuições para a Política Nacional de Assistência a População de Rua têm partido de várias regiões do País. A assistente social da Escola Profissional e Social do Menor de Londrina (PR), Márcia Paiva, sugeriu, por exemplo, que a bolsa-auxílio de R$ 100 paga hoje em seu Estado aos moradores de rua seja complementada com verbas municipais e federais para alcançar o valor do salário mínimo. “Outra boa saída seria incluir essa população no programa Bolsa Família. Para isso, é necessário retirar a exigência do endereço fixo”, recomendou.
O combate ao preconceito, a promoção de um censo específico e a qualificação de servidores públicos para melhorar o atendimento aos moradores de ruas em hospitais também são ações que devem constar na política nacional em elaboração pelo MDS.
Os especialistas esperam ainda que o texto exija mais coerência e integração dos gestores públicos no respeito às diferentes características dos grupos que vivem na rua.
A irmã Maria Cristina Bove, da Pastoral da Rua de Belo Horizonte, lembrou que a marginalização desses grupos ainda é significativa. “Em muitas cidades, o mesmo governo que ajuda, dando sopa, bate e violenta promovendo expulsões dessas pessoas dos espaços públicos, destruindo e confiscando os poucos bens que elas possuem”, contou. a irmã.
Albergues
Muitos moradores de rua buscam nos albergues de suas cidades um lugar para recomeçar a vida, mas muitas vezes o que encontram são locais precários e lotados.
A reconstrução e revisão da estrutura desses albergues é uma das reivindicações feitas durante o encontro. Paulo Ivan Moreira, representante do Fórum da População em Situação de Rua de São Paulo e usuário do serviço de albergues, conta que os espaços estão superlotados e sem estrutura.
“Sempre tem muito usuário, pouco espaço para alimentação, filas. O que o pessoal acha inadequado é ter mais de 100 pessoas, às vezes 250 e até 1.200, em alguns deles”, disse.
###
Revista ajuda na reinserção de sem-teto
Elaborada com a participação de moradores e pessoas em situação de rua e vendida por essa população, a revista Ocas, lançada em julho de 2002, tem se mostrado como um meio de promoção de reinserção social das pessoas em situação de rua.
Nessa publicação, essa população participa da produção de matérias e também sugere temas para serem abordados. Embora a questão da situação de rua esteja sempre presente, a revista trata também de assuntos como cultura e política.
Mas o ponto de destaque da participação dos moradores de rua acontece na venda da revista. Eles são cadastrados e recebem dez exemplares para venda.
Assim, acumulam capital, compram novos exemplares ao preço de R$ 1 e vendem por R$ 3. “A partir desse mecanismo a gente passa a estreitar os laços com essa população e construir relações de confiança para poder dar encaminhamento a outras demandas que cada indivíduo tem”, afirma o vice-presidente da Ocas, Luciano Rocco.
Relacionamento
Luciano Rocco afirma que o trabalho de venda vai além  revista é vendida no Rio de Janeiro e em São
Na rua, sem emprego e com vícios
Sebastião Nicomedes, que hoje participa do programa Moradia Provisória, em São Paulo, já foi usuário de albergue. E revela que quando termina o tempo de permanência nos abrigos – de um a seis meses – faltam opções.
“Ou se volta para a rua ou se procura outro albergue. Quando chega lá, a gente constrói sonhos, compra roupa, sapato, se inscreve em frentes de trabalho e espera conseguir alguma coisa. Se nada disso acontece, perde-se a auto-estima também”, conta. E lembra que as vagas fixas são muito difíceis, os moradores de rua geralmente não chegam a procurar um albergue por terem ouvido que “não adianta”, de quem já passou por um deles.
No programa Moradia Provisória, Nicomedes mora em uma casa que funciona como “república” e paga R$ 25 como colaboração para material de limpeza e gás. “A gente gerencia a casa. É diferente do albergue porque se passa a ter a chave, sem controle de horário, mas com controle da sua vida”.
Nesse sistema, é possível passar até um ano na casa. Se o usuário não conseguir emprego ou outro lugar para ficar, tem que voltar para o albergue.
Segundo Nicomedes, o mais difícil é reconstruir a vida: “Você tem 30, 40 ou 18 anos de história de vida, mas apenas seis meses para refazê-la”. 



Escrito por nicomedesoliveira às 20h43
[
(0) Comente] [envie esta mensagem
]



> dataPost = ""; if (dataPost != "") {document.write("");} else {document.write(""); }

Sábado, 31 de Março de 2007

"Sem-teto escrevendo incomoda", diz ex-morador de rua que lança livro de poesia

Sebastião Nicomedes, que saiu das ruas há cinco meses e acaba de lançar o livro de poemas "Cátia, Simone e outras marvadas", fala sobre sua arte, sua militância em movimentos de moradia e a maneira que é tratado pela imprensa: "Eu apareço como uma exceção, como se só eu fosse capaz de ser ao mesmo tempo sem-teto e talentoso escritor. Se vissem a quantidade de artistas, músicos e poetas que vivem na rua!", afirma. Leia mais




Escrito por nicomedesoliveira às 08h53
[] [envie esta mensagem
]





Foto: Daniel Santini/G1
Daniel Santini/G1
O morador de rua Sebastião Nicometes reclamou do Cansei durante protesto nesta manhã. (Foto: Daniel Santini/G1)
 Cansado

Além dos sacos plásticos e da cruz, os manifestantes apresentaram também bandeiras brancas, faixas e cartazes. Sebastião Nicometes, um dos representantes dos sem-teto, exibiu a mensagem "a elite cansou de matar" e reclamou do movimento Cansei. "Ficamos indignados em ver como o movimento usou a morte de pessoas. Hoje estamos reclamando de mais mortes. Cadê eles aqui?", criticou.

 

Ex-morador de rua, ele faz críticas à maneira como os sem-teto do Centro são tratados. "Há pouco tempo ouvimos falar em revitalização, mas veio morte e destruição. Eles tratam as pessoas como se fossem lixo", completa. "Deveriam tentar uma reforma humana, aproveitar e gerar renda com essa gente



Escrito por nicomedesoliveira às 17h28
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]