Arquivos
 04/06/2017 a 10/06/2017
 14/05/2017 a 20/05/2017
 01/01/2017 a 07/01/2017
 09/10/2016 a 15/10/2016
 07/08/2016 a 13/08/2016
 29/05/2016 a 04/06/2016
 23/08/2015 a 29/08/2015
 14/06/2015 a 20/06/2015
 10/05/2015 a 16/05/2015
 05/04/2015 a 11/04/2015
 08/03/2015 a 14/03/2015
 01/02/2015 a 07/02/2015
 14/12/2014 a 20/12/2014
 21/09/2014 a 27/09/2014
 14/09/2014 a 20/09/2014
 07/09/2014 a 13/09/2014
 17/08/2014 a 23/08/2014
 10/08/2014 a 16/08/2014
 13/07/2014 a 19/07/2014
 27/04/2014 a 03/05/2014
 16/02/2014 a 22/02/2014
 09/02/2014 a 15/02/2014
 05/01/2014 a 11/01/2014
 29/12/2013 a 04/01/2014
 15/12/2013 a 21/12/2013
 08/12/2013 a 14/12/2013
 18/08/2013 a 24/08/2013
 11/08/2013 a 17/08/2013
 04/08/2013 a 10/08/2013
 28/07/2013 a 03/08/2013
 21/07/2013 a 27/07/2013
 14/07/2013 a 20/07/2013
 30/06/2013 a 06/07/2013
 23/06/2013 a 29/06/2013
 16/06/2013 a 22/06/2013
 09/06/2013 a 15/06/2013
 26/05/2013 a 01/06/2013
 19/05/2013 a 25/05/2013
 07/04/2013 a 13/04/2013
 24/03/2013 a 30/03/2013
 17/03/2013 a 23/03/2013
 10/03/2013 a 16/03/2013
 03/03/2013 a 09/03/2013
 17/02/2013 a 23/02/2013
 03/02/2013 a 09/02/2013
 13/01/2013 a 19/01/2013
 06/01/2013 a 12/01/2013
 30/12/2012 a 05/01/2013
 16/12/2012 a 22/12/2012
 09/12/2012 a 15/12/2012
 02/12/2012 a 08/12/2012
 25/11/2012 a 01/12/2012
 18/11/2012 a 24/11/2012
 11/11/2012 a 17/11/2012
 04/11/2012 a 10/11/2012
 28/10/2012 a 03/11/2012
 14/10/2012 a 20/10/2012
 30/09/2012 a 06/10/2012
 16/09/2012 a 22/09/2012
 26/08/2012 a 01/09/2012
 12/08/2012 a 18/08/2012
 05/08/2012 a 11/08/2012
 22/07/2012 a 28/07/2012
 15/07/2012 a 21/07/2012
 08/07/2012 a 14/07/2012
 01/07/2012 a 07/07/2012
 24/06/2012 a 30/06/2012
 10/06/2012 a 16/06/2012
 03/06/2012 a 09/06/2012
 27/05/2012 a 02/06/2012
 20/05/2012 a 26/05/2012
 06/05/2012 a 12/05/2012
 15/04/2012 a 21/04/2012
 08/04/2012 a 14/04/2012
 01/04/2012 a 07/04/2012
 25/03/2012 a 31/03/2012
 18/03/2012 a 24/03/2012
 04/03/2012 a 10/03/2012
 26/02/2012 a 03/03/2012
 19/02/2012 a 25/02/2012
 12/02/2012 a 18/02/2012
 05/02/2012 a 11/02/2012
 15/01/2012 a 21/01/2012
 08/01/2012 a 14/01/2012
 01/01/2012 a 07/01/2012
 18/12/2011 a 24/12/2011
 27/11/2011 a 03/12/2011
 13/11/2011 a 19/11/2011
 30/10/2011 a 05/11/2011
 23/10/2011 a 29/10/2011
 16/10/2011 a 22/10/2011
 18/09/2011 a 24/09/2011
 31/07/2011 a 06/08/2011
 17/07/2011 a 23/07/2011
 26/06/2011 a 02/07/2011
 19/06/2011 a 25/06/2011
 05/06/2011 a 11/06/2011
 22/05/2011 a 28/05/2011
 15/05/2011 a 21/05/2011
 08/05/2011 a 14/05/2011
 24/04/2011 a 30/04/2011
 17/04/2011 a 23/04/2011
 10/04/2011 a 16/04/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 20/03/2011 a 26/03/2011
 20/02/2011 a 26/02/2011
 06/02/2011 a 12/02/2011
 16/01/2011 a 22/01/2011
 09/01/2011 a 15/01/2011
 02/01/2011 a 08/01/2011
 26/12/2010 a 01/01/2011
 12/12/2010 a 18/12/2010
 05/12/2010 a 11/12/2010
 28/11/2010 a 04/12/2010
 21/11/2010 a 27/11/2010
 14/11/2010 a 20/11/2010
 07/11/2010 a 13/11/2010
 31/10/2010 a 06/11/2010
 24/10/2010 a 30/10/2010
 17/10/2010 a 23/10/2010
 10/10/2010 a 16/10/2010
 03/10/2010 a 09/10/2010
 26/09/2010 a 02/10/2010
 12/09/2010 a 18/09/2010
 22/08/2010 a 28/08/2010
 15/08/2010 a 21/08/2010
 08/08/2010 a 14/08/2010
 01/08/2010 a 07/08/2010
 25/07/2010 a 31/07/2010
 18/07/2010 a 24/07/2010
 11/07/2010 a 17/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 13/06/2010 a 19/06/2010
 06/06/2010 a 12/06/2010
 30/05/2010 a 05/06/2010
 23/05/2010 a 29/05/2010
 16/05/2010 a 22/05/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 02/05/2010 a 08/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 04/04/2010 a 10/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 14/03/2010 a 20/03/2010
 07/03/2010 a 13/03/2010
 28/02/2010 a 06/03/2010
 21/02/2010 a 27/02/2010
 14/02/2010 a 20/02/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 24/01/2010 a 30/01/2010
 20/12/2009 a 26/12/2009
 13/12/2009 a 19/12/2009
 06/12/2009 a 12/12/2009
 29/11/2009 a 05/12/2009
 22/11/2009 a 28/11/2009
 15/11/2009 a 21/11/2009
 08/11/2009 a 14/11/2009
 01/11/2009 a 07/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 18/10/2009 a 24/10/2009
 11/10/2009 a 17/10/2009
 04/10/2009 a 10/10/2009
 27/09/2009 a 03/10/2009
 20/09/2009 a 26/09/2009
 13/09/2009 a 19/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 05/07/2009 a 11/07/2009
 14/06/2009 a 20/06/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 17/05/2009 a 23/05/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 26/04/2009 a 02/05/2009
 19/04/2009 a 25/04/2009
 12/04/2009 a 18/04/2009
 05/04/2009 a 11/04/2009
 29/03/2009 a 04/04/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 08/02/2009 a 14/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 25/01/2009 a 31/01/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog de nicomedesoliveira
 


Olha as caixas!


http://www1.folha.uol.com.br/folha/galeria/imagemdodia/
Mark Baker/AP  
   
  Caixas nas ruas de Sydney (Austrália) alerta sobre o problema de moradores de rua; país tem cerca de 100 mil sem-teto



Escrito por nicomedesoliveira às 12h06
[] [envie esta mensagem
]





Rose Barbosa

Hombre, entre 25 y 44 años, negro, alfabetizado, con un trabajo remunerado. La descripción realizada se distancia bastante del estereotipo social sobre la población en situación de calle brasilera, pero es el perfil encontrado por la primera Investigación Nacional sobre la Población en Situación de Calle, realizada en 71 municipios del país.

La investigación encontró 31.992 personas con 18 años o más de edad en situación de calle, lo que equivale al 0,061% de la población de las ciudades participantes del relevamiento. Los habitantes de calle son encontrados en veredas, plazas, estaciones de ómnibus, parques, viaductos, puestos de venta de gasolina, playas, barcos, túneles, depósitos, edificios abandonados, callejones, basurales y depósitos de hierro viejo o pasan la noche en instituciones (albergues, asilos, iglesias y casas de paso y apoyo).
Según la investigación, "el 70% acostumbra dormir en la calle y el 22% en albergues, el 46,5% prefieren pasar la noche en la calle, fundamentalmente a causa de la libertad, y el 44% manifestaron preferencia por la institución, por temer a la violencia. Casi la mitad (48%) de los entrevistados que participaron del relevamiento está hace más de dos años durmiendo en las calles".
De acuerdo con la investigación, de cada 100 personas en situación de calle, 71 trabajan, pero el 48% de los entrevistados nunca tuvieron un trabajo formal, con libreta firmada. El ingreso semanal medio de los entrevistados varía de R$ 20 a R$ 80.
Su principal actividad para el 28%, es la recolección de material reciclable, seguida de actividades informales en la calle, cargador, en la construcción civil y en el sector de limpieza. Sólo el 16% de los habitantes dijeron pedir dinero para sobrevivir.
En lo que respecta a la relación con las familias, 52 tienen por lo menos un pariente en la ciudad donde viven. Cerca del 35% tienen contacto frecuente con su familia, y el 39% consideran buena su relación con los parientes. El alcoholismo y las drogas son las principales causas por las cuales los entrevistados salieron de su casa, el 35,5%. En seguida, viene el desempleo, con un 30%, y los conflictos familiares, con el 29%.
De acuerdo con la investigación, el 88,5% de los habitantes de calle no son atendidos por programas gubernamentales. La Beca Familia y el Beneficio de Prestación Continuada (BPC) llegan, como máximo, a poco más del 3% de esta población.
Aunque no estudien más, el 95%, más del 70% de los entrevistados saben leer y escribir. La mayoría de los entrevistados, el 80%, dice tener por lo menos una comida diaria. En relación con la salud, el 30% dijeron tener algún problema, como hipertensión, disturbio mental y Sida, y el 19% toman medicamentos.
La investigación destacó que el porcentaje de la población que se declara negra entre los habitantes de calle, es el 30%, que está muy por encima de la media nacional, que es del 6,2%; mientras tanto, los que se consideran blancos, el 29,5%, son un número mucho menor que el conjunto de los brasileros, el 54%.
Traducción: Daniel Barrantes - barrantes.daniel@gmail.com

 



Escrito por nicomedesoliveira às 21h15
[] [envie esta mensagem
]






Inclusão social
Fabiana Santos / João Raimundo / Romildo Gomes / Mauricio Barini
Pesquisa traça perfil dos moradores de rua
Rubens dos Santos é um dos 1.734 moradores de rua de Brasília. Ele está no perfil identificado pela pesquisa realizada pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Isso porque o estudo identificou que a maioria da população em situação de rua é formada por homens, entre 22 e 44 anos, que sabem ler e escrever. 
A pesquisa apontou ainda que menos de 20% destas pessoas pedem dinheiro para sobreviver. O que desfaz a idéia de que a população de rua é formada apenas por mendigos e pedintes. A maioria trabalha como catador de material reciclável e vigia de carro.
O alcoolismo e as drogas, o desemprego e as brigas familiares, são as principais razões de morar na rua. O catador Rubens dos Santos não gostam dos abrigos. “Na rua é melhor. Ficar no abrigo é a mesma coisa da pessoa estar presa”, diz o catador.
O GDF tem um Albergue, com capacidade para 700 adultos e sobra metade das vagas. Mas essa não é a única opção. “A solução é oferecer a passagem para que as pessoas que queiram retornar para a sua cidade. E oferecer nossos serviços dentro dos programas sociais e encaminhar para as Agências do Trabalhador, para ver se eles conseguem a inserção no mercado de trabalho”, explica a diretora de Proteção Social Especial, Julia Rebelo Mandarino.
Sebastião Oliveira morou na rua por quase cinco anos. Teve oportunidade de fazer um curso profissionalizante. Hoje é pintor e ganha R$ 600, por mês. Mas ele questiona a política de assistência social.
“Existe, querendo ou não, e é triste dizer isso, uma indústria da miséria. Eu acho que uma forma de mudar é ouvir as pessoas que estão nas ruas, é selecionar quem precisa de atendimento na área de saúde, que está altamente comprometido, quem precisa de moradia, trabalho. Para eu resistir e sobreviver na rua, tive que sonhar muito e acreditar que eu ia sair dela um dia”, lembra o pintor.
O governo vai usar a pesquisa determinar as políticas públicas de inclusão social.




Escrito por nicomedesoliveira às 12h46
[] [envie esta mensagem
]





Maioria da população em situação de rua trabalha e tem familiares na cidade onde vive

2008-04-29 - 15:29

João Mendes / MDS

Maioria da população em situação de rua trabalha e tem familiares na cidade onde vive

A ministra interina Arlete Sampaio dá detalhes sobre a pesquisa que delineou a realidade dos que moram nas ruas

De cada cem pessoas em situação de rua, 71 trabalham e 52 têm pelo menos um parente na cidade onde vivem. A atividade mais freqüente é a coleta de material reciclável e uma significativa parcela deste público considera boa a relação com os seus familiares. O trabalho e o vínculo familiar são aspectos que compõem a primeira Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua, realizada pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). Os resultados foram divulgados nesta terça-feira (29/04), em Brasília.

A pesquisa, realizada em outubro de 2007, envolveu 71 municípios ( 23 capitais e 48 cidades com mais de 300 mil habitantes). O levantamento identificou 31.992 pessoas com 18 anos ou mais de idade em situação de rua, o que equivale a 0,061% da população destas localidades. Do total, 72% afirmam que exercem alguma atividade remunerada. A maior parcela (28%) é catadora de materiais recicláveis. A atuação como "flanelinha", carregador, na construção civil e no setor de limpeza são outros tipos de trabalho mais freqüentes citados por este público.

Os dados revelam que a população de rua não é composta por "mendigos" e "pedintes". De acordo com a pesquisa, apenas 16% dessas pessoas pedem dinheiro para sobreviver. Além disso, 59% afirmaram ter profissão, principalmente relacionada à construção civil, ao comércio, ao trabalhado doméstico e ao serviço de mecânica. Dos entrevistados, 48% disseram que nunca tiveram a carteira de trabalho assinada.

Quanto aos vínculos familiares, a pesquisa também traz uma surpreendente informação: 52% dos entrevistados declararam que têm algum parente na cidade onde vivem. Deles, 34% mantêm contatos freqüentes com a sua família e 39% classificam como boa essa relação. Foi detectado também que 46% sempre viveram no município em que moram atualmente.

Outro dado relevante verificado pela pesquisa é a posse de documentação. Dos entrevistados, 75% têm pelo menos um documento, sendo que a maioria (59%) porta carteira de identidade. Grande parte, 88,5%, não é atendida por programas governamentais. A aposentadoria, o Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC) atingem, no máximo, pouco mais de 3% desta população.

Durante a divulgação, a ministra interina do Desenvolvimento Social, Arlete Sampaio, anunciou que o governo federal definiu uma política nacional de inclusão das pessoas em situação de rua e também afirmou que já existem uma séria de ações voltadas a essa população, como os investimentos na geração de trabalho e renda aos catadores de material reciclável. "Vamos adequar as nossas ações a essa realidade apresentada pela pesquisa, inclusive com a retirara das ruas daqueles em que é possível, e criar mecanismos de assistência para aqueles que não têm condições de sair das ruas", esclareceu.

A secretária nacional de Assistência Social do MDS, Ana Lígia Gomes, explicou que "essa é a primeira iniciativa nacional de identificação dos problemas e das dificuldades da população que vive em situação de rua. Com base nos resultados da pesquisa, ao que diz respeito ao âmbito federal, pretendemos aprimorar a proposta de política nacional voltada para esse público, articulando ações juntamente com outros ministérios." Ana Líga informou ainda que o Ministério já investiu R$ 8,2 milhões em projetos de inclusão produtiva, além de repasse de R$ 1,6 milhão a municípios para atender essa população e estruturação de abrigos.

Mais homens e alfabetizados - A pesquisa ouviu pessoas em situação de rua que vivem em calçadas, praças, rodovias, parques, viadutos, postos de gasolina, praias,barcos, túneis, depósitos, prédios abandonados, becos, lixões e ferro-velho ou passam a noite em instituições (albergues, abrigos, igrejas e casas de passagem e apoio).

O levantamento identificou uma predominância masculina (82%) entre as pessoas em situação de rua. A maior parte, 53%, situa-se na faixa etária de 25 a 44 anos. Nesta população, 30% se declararam negros, índice bem acima da média nacional, que é de 6,2%. Já o percentual dos que se consideram brancos é de 29,5% ( esse índice é de 54% entre o conjunto dos brasileiros).

Em relação à freqüência à escola, o levantamento mostra que 95% não estudam atualmente. Do universo pesquisado, 74% sabem ler e escrever, mas 63,5% não concluíram o ensino fundamental. A renda, na maioria dos casos, varia de R$ 20 a R$ 80 semanais.
Os problemas causados pelo alcoolismo e as drogas são apontados, pelos entrevistados, como o principal motivo para passar a viver na rua: 35,5% fizeram esta afirmação. O desemprego, com 30% das citações, e os conflitos familiares, com 29%, compõem o quadro de razões que os levam a viver nas ruas.

Dos pesquisados, 70% costumam dormir na rua e 22% em albergues, mas 46,5% preferem passar a noite na rua, principalmente por causa da liberdade, e 44% manifestaram preferência pela instituição, por temer a violência. Quase metade (48%) dos entrevistados que participaram do levantamento está há mais de dois anos dormindo na rua ou em alberque.

Alimentação - Segundo os resultados da pesquisa, 80% das pessoas em situação de rua fazem pelo menos um refeição por dia, sendo que 27% utilizam o próprio dinheiro para comprar comida. Em relação às condições de saúde, 30% afirmaram ter algum problema, como hipertensão, distúrbio mental e Aids, e 19% fazem uso de medicamentos.

Os principais locais para higiene são a própria rua (33%), os albergues(31%) e os banheiros públicos (14%). Estes também são os lugares mais utilizados para fazer as necessidades fisiológicas. Sobre discriminação, as principais queixas se referem à entrar em estabelecimentos comerciais e transporte coletivo.

"Quando entramos nos ônibus, por exemplo, as pessoas nos olham como se não fôssemos gente. Como se não fôssemos humanos", contou Anderson Lopes Miranda, representante do Movimento Nacional da População de Rua. "A expectativa é que a pesquisa chame a atenção principalmente para a questão dos direitos humanos, que são violados o tempo todo", completa Sebastião Nicomedis de Oliveira, também do Movimento.

No levantamento, não foram incluídas três capitais que realizaram pesquisas semelhantes recentemente. São elas São Paulo (SP), com 10.399 pessoas em situação de rua, Recife (PE), 1.390, e Belo Horizonte (MG), 916. Pelo mesmo motivo, Porto Alegre (RS) também não participou da pesquisa, mas o MDS ainda não teve acesso aos dados.
 
A aplicação da pesquisa foi uma das decisões do I Encontro Nacional sobre População em Situação de Rua, promovido em 2005. O MDS investiu R$ 1,5 milhão neste levantamento, feito pela Meta Instituto de Pesquisas de Opinião Ltda - empresa contratada por meio de licitação.

A secretária de Avaliação e Gestão de Informação do MDS, Laura da Veiga, destacou que a pesquisa reúne o esforço de vários setores e de grupos importantes para a formulação de políticas públicas voltadas ao público que vive em situação de rua Para realizar o levantamento, o Ministério contou com a parceria das secretarias municipais de Assistência Social; do Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social (Congemas); do Fórum Nacional de Secretários de Estado de Assistência Social (Fonseas); do Movimento Nacional da População de Rua, da Pastoral do Povo da Rua e da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco).

João Luiz Mendes


Informações para a imprensa
Ana Soares / Rogéria de Paula / Aline Menezes/ Ismália Afonso/ Súsan Faria
(61) 3433-1051 / 3433-1105 / 3433-1065 / 3433-1061 / 3433-1098
ASCOM / MDS

------------------------------------------------------

2008/4/29 Organizaçao de Auxílio Fraterno <oafsp@uol.com.br>:
É impressionante como a midia usa o termo situação de mendicância numa matéria de pesquisa que revela que a grande maioria não pede esmolas! A impressão é de que eles não leem o que eles mesmos escrevem.
 
É de uma inocência impar ou desconhecimento absoluto do tema dizer que a população de rua goza de saúde.
Tivemos informações que os pesquisadores estavam totalmente despreparados para o trabalho.
 
As causas da ida para a rua é sempre uma questão complexa. As vezes trabalhamos anos com uma pessoa para que um dia ela nos conte sua história real. Não é uma pergunta eficiente para uma pesquisa rápida.
 
São Paulo e Belo Horizonte ficaram fora da pesquisa por terem contagem recente e para possibilitar espaço para outra cidade ainda sem dados.
um abraço
Edy / OAF
 
----- Original Message -----
Sent: Tuesday, April 29, 2008 2:55 PM
Subject: Re: [centrovivo] UOL - Notícias por e-mail

http://noticias.uol.com.br/ultnot/2008/04/29/ult23u2075.jhtm

29/04/2008 - 10h10
Morador de rua brasileiro é homem, alfabetizado e tem parentes que moram na mesma cidade, revela pesquisa

Da Redação
Em São Paulo

Uma pesquisa encomendada pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e divulgada nesta terça-feira (29), em Brasília, revela o perfil dos moradores de rua brasileiros. Os pesquisadores escolheram cidades com mais de 300 mil habitantes e saíram a campo entrevistando moradores de rua com mais de 18 anos de idade. A principal conclusão do estudo é que as pessoas em situação de mendicância são em sua maioria homens alfabetizados e jovens, que abandonaram suas casas por problemas com álcool ou drogas ou por terem perdido o emprego.

Uma equipe formada por 1.479 pesquisadores e assistentes sociais saiu a campo para entrevistar pessoas que habitam calçadas, praças, rodovias, parques, viadutos, postos de gasolina, praias, barcos, túneis, depósitos e prédios abandonados, becos, lixões, ferro-velho ou que pernoitam em instituições como albergues e abrigos. No total, foram ouvidos 31.922 pessoas, espalhadas por cidades médias e por quase todas as capitais brasileiras, com exceção de São Paulo, Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre.
Folha Imagem
Mendigo dorme no Largo São Francisco, no centro de São Paulo
MAIORIA TEM DOCUMENTO E RENDA
MAIS NOTÍCIAS DESTA 3ª FEIRA
Cada entrevistado respondeu a um questionário com cerca de 20 perguntas. A análise dos dados recolhidos revela que 82% da população de rua é formada por homens. Mais da metade (52%), têm entre 25 e 44 anos de idade. Quanto à raça, 39,1% se declararam pardos, 29,5% se disseram brancos e 27,9% se identificaram como negros.

Do total de indivíduos pesquisados, 48,4% estão fora de casa há mais de dois anos. Dois em cada três (69,6%) dormem na rua, enquanto 22% costumam dormir em albergues ou outras instituições. Outros 8,3% costumam alternar, ora dormindo na rua, ora dormindo em albergues.

Surpreendentemente, as pessoas em situação de mendicância se revelaram escolarizadas. Do total, 74% sabiam ler e escrever e quase a metade (48,4%) disseram ter completado o ensino fundamental.

Os principais motivos pelos quais essas pessoas passaram a viver e morar na rua se referem aos problemas de alcoolismo e/ou drogas (35,5%); desemprego (29,8%) e desavenças com familiares (29,1%).

A pesquisa põe em xeque a noção de que moradores de rua são pessoas que abandonaram suas cidades de origem e não mantêm nenhum vínculo familiar. Uma parte considerável (58%) se disse originária da mesma cidade em que se encontra ou de locais próximos. E mais: 51,9% dos entrevistados afiramaram possuir algum parente que residindo no mesmo município onde se encontram.

Entre os que já moraram em outras cidades, 45,3% se deslocaram em busca de novas oportunidades de trabalho. O segundo principal motivo foram as desavenças familiares (18,4%).

Questionados sobre o que fazem para sobreviver, 70,9% dos entrevistados disseram exercer alguma atividade remunerada. Apenas 15,7% revelaram que a sua principal fonte de renda são as esmolas.

A pesquisa revelou que os moradores de rua em geral são pessoas saudáveis. Apenas um terço deles afirmou ter algum problema de saúde. A doença mais freqüente é hipertensão (10,1%), seguida por problemas psiquiátricos (6,1%) e HIV/aids (5,1%).

Questionados sobre que tipo de discriminação sofrem por viver em situação de rua, os entrevistados disseram que freqüentemente são impedidos de entrar em certos locais, tais como lojas, shopping centers e meios de transporte coletivo.

Com base nos dados levantados nessa pesquisa, o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome diz que pretende elaborar políticas públicas para lidar com o problema da mendicância. A idéia é estabelecer um plano nacional para ajudar as cidades médias e grandes a combaterem o problema, e quem sabe reintegrar essas pessoas à sociedade. Em cada uma das 71 cidades pesquisadas, o total de pessoas em situação de rua gira em torno de 0,061% da população local.




Escrito por nicomedesoliveira às 11h17
[] [envie esta mensagem
]





 
SPTV 2ª Edição visite o site visite o site
 


Assista Agora
SPTV 2ª Edição
Virada Cultural agita São Paulo

Começou às 18h deste sábado (26) a 4ª edição da Virada Cultural. São 24 horas de shows, espetáculos de dança, teatro, em mais de 60 pontos. Mais cedo, os ensaios atraíram a atenção do público.
26/04/08 00:03:55
__._,_.___


Escrito por nicomedesoliveira às 02h21
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]