Arquivos
 04/06/2017 a 10/06/2017
 14/05/2017 a 20/05/2017
 01/01/2017 a 07/01/2017
 09/10/2016 a 15/10/2016
 07/08/2016 a 13/08/2016
 29/05/2016 a 04/06/2016
 23/08/2015 a 29/08/2015
 14/06/2015 a 20/06/2015
 10/05/2015 a 16/05/2015
 05/04/2015 a 11/04/2015
 08/03/2015 a 14/03/2015
 01/02/2015 a 07/02/2015
 14/12/2014 a 20/12/2014
 21/09/2014 a 27/09/2014
 14/09/2014 a 20/09/2014
 07/09/2014 a 13/09/2014
 17/08/2014 a 23/08/2014
 10/08/2014 a 16/08/2014
 13/07/2014 a 19/07/2014
 27/04/2014 a 03/05/2014
 16/02/2014 a 22/02/2014
 09/02/2014 a 15/02/2014
 05/01/2014 a 11/01/2014
 29/12/2013 a 04/01/2014
 15/12/2013 a 21/12/2013
 08/12/2013 a 14/12/2013
 18/08/2013 a 24/08/2013
 11/08/2013 a 17/08/2013
 04/08/2013 a 10/08/2013
 28/07/2013 a 03/08/2013
 21/07/2013 a 27/07/2013
 14/07/2013 a 20/07/2013
 30/06/2013 a 06/07/2013
 23/06/2013 a 29/06/2013
 16/06/2013 a 22/06/2013
 09/06/2013 a 15/06/2013
 26/05/2013 a 01/06/2013
 19/05/2013 a 25/05/2013
 07/04/2013 a 13/04/2013
 24/03/2013 a 30/03/2013
 17/03/2013 a 23/03/2013
 10/03/2013 a 16/03/2013
 03/03/2013 a 09/03/2013
 17/02/2013 a 23/02/2013
 03/02/2013 a 09/02/2013
 13/01/2013 a 19/01/2013
 06/01/2013 a 12/01/2013
 30/12/2012 a 05/01/2013
 16/12/2012 a 22/12/2012
 09/12/2012 a 15/12/2012
 02/12/2012 a 08/12/2012
 25/11/2012 a 01/12/2012
 18/11/2012 a 24/11/2012
 11/11/2012 a 17/11/2012
 04/11/2012 a 10/11/2012
 28/10/2012 a 03/11/2012
 14/10/2012 a 20/10/2012
 30/09/2012 a 06/10/2012
 16/09/2012 a 22/09/2012
 26/08/2012 a 01/09/2012
 12/08/2012 a 18/08/2012
 05/08/2012 a 11/08/2012
 22/07/2012 a 28/07/2012
 15/07/2012 a 21/07/2012
 08/07/2012 a 14/07/2012
 01/07/2012 a 07/07/2012
 24/06/2012 a 30/06/2012
 10/06/2012 a 16/06/2012
 03/06/2012 a 09/06/2012
 27/05/2012 a 02/06/2012
 20/05/2012 a 26/05/2012
 06/05/2012 a 12/05/2012
 15/04/2012 a 21/04/2012
 08/04/2012 a 14/04/2012
 01/04/2012 a 07/04/2012
 25/03/2012 a 31/03/2012
 18/03/2012 a 24/03/2012
 04/03/2012 a 10/03/2012
 26/02/2012 a 03/03/2012
 19/02/2012 a 25/02/2012
 12/02/2012 a 18/02/2012
 05/02/2012 a 11/02/2012
 15/01/2012 a 21/01/2012
 08/01/2012 a 14/01/2012
 01/01/2012 a 07/01/2012
 18/12/2011 a 24/12/2011
 27/11/2011 a 03/12/2011
 13/11/2011 a 19/11/2011
 30/10/2011 a 05/11/2011
 23/10/2011 a 29/10/2011
 16/10/2011 a 22/10/2011
 18/09/2011 a 24/09/2011
 31/07/2011 a 06/08/2011
 17/07/2011 a 23/07/2011
 26/06/2011 a 02/07/2011
 19/06/2011 a 25/06/2011
 05/06/2011 a 11/06/2011
 22/05/2011 a 28/05/2011
 15/05/2011 a 21/05/2011
 08/05/2011 a 14/05/2011
 24/04/2011 a 30/04/2011
 17/04/2011 a 23/04/2011
 10/04/2011 a 16/04/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 20/03/2011 a 26/03/2011
 20/02/2011 a 26/02/2011
 06/02/2011 a 12/02/2011
 16/01/2011 a 22/01/2011
 09/01/2011 a 15/01/2011
 02/01/2011 a 08/01/2011
 26/12/2010 a 01/01/2011
 12/12/2010 a 18/12/2010
 05/12/2010 a 11/12/2010
 28/11/2010 a 04/12/2010
 21/11/2010 a 27/11/2010
 14/11/2010 a 20/11/2010
 07/11/2010 a 13/11/2010
 31/10/2010 a 06/11/2010
 24/10/2010 a 30/10/2010
 17/10/2010 a 23/10/2010
 10/10/2010 a 16/10/2010
 03/10/2010 a 09/10/2010
 26/09/2010 a 02/10/2010
 12/09/2010 a 18/09/2010
 22/08/2010 a 28/08/2010
 15/08/2010 a 21/08/2010
 08/08/2010 a 14/08/2010
 01/08/2010 a 07/08/2010
 25/07/2010 a 31/07/2010
 18/07/2010 a 24/07/2010
 11/07/2010 a 17/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 13/06/2010 a 19/06/2010
 06/06/2010 a 12/06/2010
 30/05/2010 a 05/06/2010
 23/05/2010 a 29/05/2010
 16/05/2010 a 22/05/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 02/05/2010 a 08/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 04/04/2010 a 10/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 14/03/2010 a 20/03/2010
 07/03/2010 a 13/03/2010
 28/02/2010 a 06/03/2010
 21/02/2010 a 27/02/2010
 14/02/2010 a 20/02/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 24/01/2010 a 30/01/2010
 20/12/2009 a 26/12/2009
 13/12/2009 a 19/12/2009
 06/12/2009 a 12/12/2009
 29/11/2009 a 05/12/2009
 22/11/2009 a 28/11/2009
 15/11/2009 a 21/11/2009
 08/11/2009 a 14/11/2009
 01/11/2009 a 07/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 18/10/2009 a 24/10/2009
 11/10/2009 a 17/10/2009
 04/10/2009 a 10/10/2009
 27/09/2009 a 03/10/2009
 20/09/2009 a 26/09/2009
 13/09/2009 a 19/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 05/07/2009 a 11/07/2009
 14/06/2009 a 20/06/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 17/05/2009 a 23/05/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 26/04/2009 a 02/05/2009
 19/04/2009 a 25/04/2009
 12/04/2009 a 18/04/2009
 05/04/2009 a 11/04/2009
 29/03/2009 a 04/04/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 08/02/2009 a 14/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 25/01/2009 a 31/01/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog de nicomedesoliveira
 



                                            RODAPIÃO
 
                                     De pequeno   tinha sonhos
                                     Ser pedreiro de mão cheia 

                                           Seguir os passos do Pai
                                           Um dia casar ,ter filhos
                                           Ir embora pra São Paulo 

                                          
                                           Fez tudo igual seu herói
                                           Pedreiro na cidade grande
                                           Dinheiro pra casa pelo  correio
                                           Distancia do filho querido
                                           Saudades da mulher amada
                                          
                                            São Paulo lugar de gente louca
                                            Toda noite,todo dia
                                            Noticias na televisão
                                            Dolar em alta,dolar em baixa
                                            Bolsa  cai,bolsa que sobe

                                               Cimento subiu bem mais alto
                                               Que  edifícios  erguidos 
                                               Clientela inadimplente,
                                               Todo mundo despedido
                                                Foi a firma que faliu                                                 
                                            
                                               Morando sempre em obras
                                               Desde que saiu de casa
                                               Perdido na selva de pedras
                                               O menino espelhado do pai
                                               Desamprendeu a viver                                               
 
                                                                                            
                                             
                                            Em   volta do mercadão
                                            Sacia fome de dia                                              
                                            Catando frutas caidas
                                            A noite espera sopa
                                            Maldito,vadio,mendigo
                                                                                            
                                             O tempo passou tão depressa
                                              Vestes em sacos  de lixo
                                              Colher de pau na mão
                                               Ao marco zero da Sé
                                               O então pedreiro indigente
                                               Constrói paredes ao vento.
 
                                     WWW.DIARIOTIAO.ZIP.NET



Escrito por nicomedesoliveira às 19h00
[] [envie esta mensagem
]





FW: II Prêmio Carrano de Luta Antimanicomial e Direitos Humanos‏
De:Offline sebastiao nicomedes de oliveira (tiaonicomedes@hotmail.com)
Enviada:segunda-feira, 10 de maio de 2010 21:20:47
Para:degalvani@gmail.com

  Gato Seco – Nos Telhados da Loucura

 

Apresenta

 

II PRÊMIO “CARRANO” DE LUTA ANTIMANICOMIAL E DIREITOS HUMANOS

 

Dia 27 de maio completa-se dois anos da morte de Austregésilo Carrano Bueno, dramaturgo, militante da luta antimanicomial e autor do livro “Canto dos Malditos”, que originou o filme “Bicho de sete cabeças”, que junto com o livro revolucionou a história da Reforma Psiquiátrica no Brasil. Carrano se destacou como o principal militante pela Luta Antimanicomial em nosso país. Eleito em congresso na cidade de Xerém-RJ, atuou nos últimos anos como representante dos usuários na Comissão Nacional de Reforma Psiquiátrica do Ministério da Saúde, chegando a receber, em 2003, uma homenagem das mãos do presidente da república Luís Inácio Lula da Silva, por seu empenho na Reforma Psiquiátrica. Além das torturas sofridas nos “chiqueiros psiquiátricos” – como dizia – Carrano sofreu vários processos judiciais por sua militância, principalmente por parte dos familiares dos médicos responsáveis pelos “tratamentos” recebidos nas passagens pelos locais onde foi internado, confinado e torturado. Carrano continuou militando até seus últimos dias no Movimento da Luta antimanicomial, mesmo com a saúde debilitada, no dia 18 de maio de 2008, participou do Dia Nacional de Luta Antimanicomial em Belo Horizonte.

 

O Prêmio - Para que a sua voz não se cale e seu nome continue vivo no Movimento de Luta Antimanicomial, criamos em 2009, o Prêmio CARRANO de Luta Antimanicomial e Direitos Humanos. O Prêmio tem como o objetivo dar continuidade a sua luta por uma mudança nas condições de tratamento de pessoas em sofrimento mental,  fazendo valer a Lei nº 10.216/2001 da reforma Psiquiátrica no Brasil, da qual foi um dos defensores e críticos. O prêmio será entregue anualmente a pessoas de ações e atitudes importantes nestas áreas, mas principalmente, denunciar quaisquer violações dos Direitos Humanos, especialmente no que se refere a pessoas nas condições de sofrimento mental. Fizemos em 2009, na Semana do Dia Nacional de Luta Antimanicomial, o lançamento do Prêmio, com uma entrega simbólica a Carlos Eduardo Ferreira, mas conhecido como Maicon, usuário e militante da Luta, que esteve em vários momentos ao lado de Carrano, também foi entregue um prêmio a família de Carrano.

 

A criação do prêmio foi uma iniciativa de alguns amigos de Carrano: Lobão integrante do Movimento 1daSul e Sarau do Cooperifa, Edson Lima coordenador do projeto O Autor na Praça, Erton Moraes escritor e músico do Movimento TrokaosLixo, Adriano “Mogli” Vieira da AEUSP, Associação dos Educadores da USP, Paloma Kliss escritora e contamos com o apoio do Movimento Nacional e Fórum Paulista de Luta Antimanicomial, Conselho Regional de Psicologia de São Paulo e militantes do movimento. A entrega do II Prêmio Carrano será na semana do dia nacional de Luta Antimanicomial, dia 15 de maio (data de nascimento de Carrano em 1957). Neste ano criamos o coletivo Gato Seco – Nos telhados da Loucura, que tem o papel da organização do Prêmio. O coletivo é formado pelo projeto O Autor na Praça,  Movimento Trokaoslixo, Literatura Nômade, grupo Encontro de Utopias, Lobão, agitador e grande amigo de Carrano, a escritora e produtora Paloma Kliss, a psiquiatra Patrícia Villas-Bôs, a poeta Tula Pilar, o músico e compositor Léo Dumont outros amigos de Carrano. Trata-se de um grupo aberto e convidamos a pessoas e instituições que quiserem participar e colaborar com esta iniciativa. Além da entrega do prêmio haverá uma tarde poética sobre a Literatura e Loucura, organizada pelo pintor e poeta Júlio Bittar e o grupo Encontro de Utopias. Também acontece performance com o coreógrafoa Marcos Abranches e apresentações musicais com a participação do músico e compositor Léo Dumont e outros convidados.

 

Para o II Prêmio Carrano foram indicadas 13 pessoas e instituições:

Casa do Saci (Espaço criado e adminstrado por usuários da rede substitutiva aos manicômios)

Senador Eduardo Suplicy

Grife Dasdoida (criada pela psiquiatra Julia Catunda e usuários do CAPS Itapeva)

Grupo Tortura Nunca Mais

Luciano Santos, advogado e integrante do Movimento de Combate a Corrupção Eleitoral

Magrão, amigo de Carrano

Marcelo Rubens Paiva, escritor e dramaturgo

Marcos Abranches, Coréografo

Paulo Amarante, Psiquiatra e escritor

Revista Ocas – Organização Civil de Ação Social (Maria Alice Vassimon)

Sebastião Nicomedes, escritor e coordenador da oficina de sonhos Casa Restaura-me de apoio a pessoas em situação de rua

Toninho Rodrigues, diretor e ator de teatro

 

Na ocasião também serão homenageadas 13 personalidades que, de alguma forma, muito contribuiram para Luta Antimanicomial e Direitos Humanos:

Antonin Artaud

Arthur Bispo do Rosário

João Cândido, o Mestre sala dos mares

Itamar Assumção, músico e compositor

Lima Barreto, escritor

Machado de Assis, escritor

Maria Conceição Aciolly (Ceça), Atriz e Bonequeira

Nise da Silveira, Psicóloga

Nivaldo Santana (ator e artista plástico)

Paulo Leminski, escritor

Plínio Marcos, dramaturgo

Roberto Freire, escritor e criador da Somaterapia

Sérgio Sampaio, Músico e compositor

 

Serviço:

Entrega do II Prêmio Carrano de Luta Animanicomial e Direitos Humanos

Data: dia 15 de maio de 2010, a partir das 14h

Local: Espaço Plínio Marcos (Tenda na Feira de Artes da Praça Benendito Calixto, Pinheiros)

Realização: coletivo Gato Seco – Nos telhados da Loucura

Apoio: Fórum Paulista de Muta Antimanicomial, Movimento Nacional de Luta Antimanicomial, CRP-SP, Grupo Tortura Nunca Mais, AEUSP – Associação dos Educadores da USP e outras entidades e instituições a serem acrescentados

 



Escrito por nicomedesoliveira às 18h23
[] [envie esta mensagem
]





Segunda-feira, 10 de maio de 2010 - 06:53
http://www.diariosp.com.br/Noticias/Dia-a-dia/5054/Drama+nas+ruas

Drama nas ruas

Família que há três gerações mora sob viaduto dá a volta por cima. Mas nem todos têm a mesma sorte

 
CRISTINA CHRISTIANO
cristinamc@diariosp.com.br

Há 11 anos a cozinheira Sonia Aparecida Matias, de 53, não tem endereço fixo. Ela morou em várias regiões de São Paulo, chegou a ter casa no interior, emprego, mas após a morte do marido perdeu tudo. Com três filhos pequenos e sem ter como sobreviver, a única alternativa foi a rua. Em princípio, achou que seria algo passageiro. Mas o tempo passou, a família cresceu, vieram mais filhos, neto, e ela, já com saúde debilitada, continua à espera de um teto.

Sonia e a família fazem parte de uma pequena população de desabrigados que vivem nas ruas da cidade. Marginalizados por parte da sociedade, acabam se adaptando à truculência do momento para sobreviver. E quanto mais tempo passa, mais difícil resgatar a vida perdida.

Na edição de domingo, o DIÁRIO ouviu especialistas e obteve respostas para 31 das dúvidas mais frequentes envolvendo moradores de rua. A história de Sonia faz parte de alguns mitos criados em torno dessa população. Por diversas vezes, ela teve chance de mudar o rumo de sua vida, mas, sem estrutura, retornava ao ponto de partida.

Sonia foi para a rua pela primeira vez aos 13 anos. Sofreu muito e algum tempo depois retornou ao convívio famíliar. Sua vida voltou ao normal até o dia em que o marido morreu.

“A rua é muito violenta. Várias vezes tentaram roubar meus filhos ou fomos vítimas de violência. Uma vez, os vizinhos estavam incomodados com a nossa presença no bairro. Durante a madrugada, alguém jogou gasolina na nossa ‘casa’ e tentou pôr fogo. Só não morremos porque uma pessoa gritou e o criminoso fugiu”, conta Sonia. Depois disso, ela e os filhos passaram a se revezar para dormir.

Essa tensão fez a filha do meio, Fernanda Daniela Matias, de 21 anos, crescer com claustrofobia (medo de local fechado). Fernanda estudou só até a quarta série do ensino fundamental, mas apreendeu sozinha a fazer artesanato. A venda desse material já matou a fome da família em muitas ocasiões.

“Nunca tive amigas, por causa da minha condição. Quando via outras crianças brincando as admirava, mas nunca invejei suas bonecas. Tudo o que sonhava era ter casa e poder dormir sem medo”, diz Fernanda, que agora realiza esse sonho.

Mãe de Pablo, de 2 anos, Fernanda vai morar com o namorado, que dirige um hotel no Brás. A mãe e o irmão Izael Matias Leonel, de 32 anos, ainda continuarão mais algum tempo morando sob um viaduto no bairro. Eles estão inscritos no programa da Prefeitura bolsa-aluguel e aguardam ser chamados. “O problema é que para receber o benefício é preciso estar trabalhando. E para trabalhar tenho que ter endereço”, diz.

Os próprios moradores de rua dizem que, se mãe e filho aceitassem ir para um albergue, poderiam declarar o local como domicílio. A maioria faz isso.

Apesar das dificuldades, a saga da família que há três gerações vive nas ruas parece estar com os dias contados. Com a ajuda de ex-moradores como Sebastião Nicomedes de Oliveira, Izael ganhou uma bolsa-salário para participar de um curso profissionalizante. Com o dinheiro poderá pagar pensão para ele e a mãe até se reestruturarem totalmente. Ele tem mais dois irmãos, que moram com os avós. “O segredo para vencer é confiar nas pessoas e nunca perder a esperança”, ensina Fernanda, que se considera vitoriosa.

‘Foi Deus que me segurou’
A trajetória de Sebastião Nicomedes de Oliveira, o Tião, de 41 anos, é um dos raros casos de final feliz. Após morar quatro meses nas ruas e quatro anos em albergues, Tião descobriu o dom de escrever e fez uma peça de teatro contando a vida dos moradores de rua. Um grupo leu o material em 2003, gostou, comprou os direitos autorais e a encenou. O sucesso desse trabalho permanece até hoje.

“Descobri esse talento ao escrever uma carta para um colega de albergue. Ele me falou: ‘cara, você pode sair dessa vida com isso’. Aí vi que tinha razão e comecei a escrever”, conta Tião, que considera esse companheiro um ‘anjo’. “Só sei que ele se chamava Joaquim e sumiu depois de me dar a dica”, observa.

Tião foi parar nas ruas por causa de um acidente de trabalho. Ele havia acabado de montar uma oficina de letreiros, com seis funcionários, quando caiu de um andaime e fraturou o braço direito. Passou 10 dias internado. Nesse período, os empregados se apoderaram das máquinas, entregaram o imóvel ao proprietário, dizendo que o patrão havia morrido, e fugiram com tudo. “Tive tudo e de repente perdi tudo. Aí pirei”, diz.

Nas ruas, Tião diz que o mais difícil foi enfrentar o preconceito. “Uma vez, fui com dinheiro a um bar comprar comida e a dona jogou um balde d’água em mim. Foi Deus que me segurou e não me deixou fazer loucura.” Hoje, ele trabalha para tentar tirar outras pessoas das ruas.

Novatos ficam assustados
O sonho de se tornar patrão transformou-se em pesadelo para o vendedor desempregado André Inácio de Jesus, de 28 anos. Ele tentou montar um negócio próprio e, convencido de que se daria bem, vendeu seu barraco e investiu o capital. Perdeu tudo. Desiludido, sem dinheiro e passando necessidades, viu na rua a última esperança de sobrevivência. Ele emendou várias caixas de papelão para fazer uma espécie de colchão de campanha e todas as noites o estende em algum trecho da Avenida Paulista para poder dormir.

“Escolhi a Paulista porque acho que é o local mais seguro para um morador de rua. Aqui passa gente o tempo todo”, diz.

A necessidade financeira também foi o motivo que levou para as ruas José (nome fictício), de 37 anos, há seis meses. A história dele, contudo, é bem diferente. Condenado a 18 anos de reclusão, por envolvimento em dois latrocínios (roubos seguidos de morte) e 29 assaltos a bancos e a joalherias, cumpriu 17 anos da pena no Cadeião de Ribeirão Preto, no interior, e saiu em liberdade condicional. Incentivado pela namorada, usuária de crack, experimentou a droga e tornou-se viciado.

“Consumia 40 pedras por dia e precisava cada vez mais. Fiquei tão alucinado que vendi uma casa, herança de família, por R$ 25 mil e gastei tudo em crack. Hoje, faço tratamento e a dependência já está diminuindo”, comemora.


Comentários

 



Escrito por nicomedesoliveira às 18h13
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]