Arquivos
 04/06/2017 a 10/06/2017
 14/05/2017 a 20/05/2017
 01/01/2017 a 07/01/2017
 09/10/2016 a 15/10/2016
 07/08/2016 a 13/08/2016
 29/05/2016 a 04/06/2016
 23/08/2015 a 29/08/2015
 14/06/2015 a 20/06/2015
 10/05/2015 a 16/05/2015
 05/04/2015 a 11/04/2015
 08/03/2015 a 14/03/2015
 01/02/2015 a 07/02/2015
 14/12/2014 a 20/12/2014
 21/09/2014 a 27/09/2014
 14/09/2014 a 20/09/2014
 07/09/2014 a 13/09/2014
 17/08/2014 a 23/08/2014
 10/08/2014 a 16/08/2014
 13/07/2014 a 19/07/2014
 27/04/2014 a 03/05/2014
 16/02/2014 a 22/02/2014
 09/02/2014 a 15/02/2014
 05/01/2014 a 11/01/2014
 29/12/2013 a 04/01/2014
 15/12/2013 a 21/12/2013
 08/12/2013 a 14/12/2013
 18/08/2013 a 24/08/2013
 11/08/2013 a 17/08/2013
 04/08/2013 a 10/08/2013
 28/07/2013 a 03/08/2013
 21/07/2013 a 27/07/2013
 14/07/2013 a 20/07/2013
 30/06/2013 a 06/07/2013
 23/06/2013 a 29/06/2013
 16/06/2013 a 22/06/2013
 09/06/2013 a 15/06/2013
 26/05/2013 a 01/06/2013
 19/05/2013 a 25/05/2013
 07/04/2013 a 13/04/2013
 24/03/2013 a 30/03/2013
 17/03/2013 a 23/03/2013
 10/03/2013 a 16/03/2013
 03/03/2013 a 09/03/2013
 17/02/2013 a 23/02/2013
 03/02/2013 a 09/02/2013
 13/01/2013 a 19/01/2013
 06/01/2013 a 12/01/2013
 30/12/2012 a 05/01/2013
 16/12/2012 a 22/12/2012
 09/12/2012 a 15/12/2012
 02/12/2012 a 08/12/2012
 25/11/2012 a 01/12/2012
 18/11/2012 a 24/11/2012
 11/11/2012 a 17/11/2012
 04/11/2012 a 10/11/2012
 28/10/2012 a 03/11/2012
 14/10/2012 a 20/10/2012
 30/09/2012 a 06/10/2012
 16/09/2012 a 22/09/2012
 26/08/2012 a 01/09/2012
 12/08/2012 a 18/08/2012
 05/08/2012 a 11/08/2012
 22/07/2012 a 28/07/2012
 15/07/2012 a 21/07/2012
 08/07/2012 a 14/07/2012
 01/07/2012 a 07/07/2012
 24/06/2012 a 30/06/2012
 10/06/2012 a 16/06/2012
 03/06/2012 a 09/06/2012
 27/05/2012 a 02/06/2012
 20/05/2012 a 26/05/2012
 06/05/2012 a 12/05/2012
 15/04/2012 a 21/04/2012
 08/04/2012 a 14/04/2012
 01/04/2012 a 07/04/2012
 25/03/2012 a 31/03/2012
 18/03/2012 a 24/03/2012
 04/03/2012 a 10/03/2012
 26/02/2012 a 03/03/2012
 19/02/2012 a 25/02/2012
 12/02/2012 a 18/02/2012
 05/02/2012 a 11/02/2012
 15/01/2012 a 21/01/2012
 08/01/2012 a 14/01/2012
 01/01/2012 a 07/01/2012
 18/12/2011 a 24/12/2011
 27/11/2011 a 03/12/2011
 13/11/2011 a 19/11/2011
 30/10/2011 a 05/11/2011
 23/10/2011 a 29/10/2011
 16/10/2011 a 22/10/2011
 18/09/2011 a 24/09/2011
 31/07/2011 a 06/08/2011
 17/07/2011 a 23/07/2011
 26/06/2011 a 02/07/2011
 19/06/2011 a 25/06/2011
 05/06/2011 a 11/06/2011
 22/05/2011 a 28/05/2011
 15/05/2011 a 21/05/2011
 08/05/2011 a 14/05/2011
 24/04/2011 a 30/04/2011
 17/04/2011 a 23/04/2011
 10/04/2011 a 16/04/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 20/03/2011 a 26/03/2011
 20/02/2011 a 26/02/2011
 06/02/2011 a 12/02/2011
 16/01/2011 a 22/01/2011
 09/01/2011 a 15/01/2011
 02/01/2011 a 08/01/2011
 26/12/2010 a 01/01/2011
 12/12/2010 a 18/12/2010
 05/12/2010 a 11/12/2010
 28/11/2010 a 04/12/2010
 21/11/2010 a 27/11/2010
 14/11/2010 a 20/11/2010
 07/11/2010 a 13/11/2010
 31/10/2010 a 06/11/2010
 24/10/2010 a 30/10/2010
 17/10/2010 a 23/10/2010
 10/10/2010 a 16/10/2010
 03/10/2010 a 09/10/2010
 26/09/2010 a 02/10/2010
 12/09/2010 a 18/09/2010
 22/08/2010 a 28/08/2010
 15/08/2010 a 21/08/2010
 08/08/2010 a 14/08/2010
 01/08/2010 a 07/08/2010
 25/07/2010 a 31/07/2010
 18/07/2010 a 24/07/2010
 11/07/2010 a 17/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 13/06/2010 a 19/06/2010
 06/06/2010 a 12/06/2010
 30/05/2010 a 05/06/2010
 23/05/2010 a 29/05/2010
 16/05/2010 a 22/05/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 02/05/2010 a 08/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 04/04/2010 a 10/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 14/03/2010 a 20/03/2010
 07/03/2010 a 13/03/2010
 28/02/2010 a 06/03/2010
 21/02/2010 a 27/02/2010
 14/02/2010 a 20/02/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 24/01/2010 a 30/01/2010
 20/12/2009 a 26/12/2009
 13/12/2009 a 19/12/2009
 06/12/2009 a 12/12/2009
 29/11/2009 a 05/12/2009
 22/11/2009 a 28/11/2009
 15/11/2009 a 21/11/2009
 08/11/2009 a 14/11/2009
 01/11/2009 a 07/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 18/10/2009 a 24/10/2009
 11/10/2009 a 17/10/2009
 04/10/2009 a 10/10/2009
 27/09/2009 a 03/10/2009
 20/09/2009 a 26/09/2009
 13/09/2009 a 19/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 05/07/2009 a 11/07/2009
 14/06/2009 a 20/06/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 17/05/2009 a 23/05/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 26/04/2009 a 02/05/2009
 19/04/2009 a 25/04/2009
 12/04/2009 a 18/04/2009
 05/04/2009 a 11/04/2009
 29/03/2009 a 04/04/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 08/02/2009 a 14/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 25/01/2009 a 31/01/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog de nicomedesoliveira
 


 

Homem sem país

PARTE 2
Na continuação da conversa com Tião Nicomedes, o ex-morador de rua comenta a repressão na USP e em Pinheirinho, “A forma como o Estado se mostra é complicado”, fala sobre o processo de expulsão dos trabalhadores sem-teto na Luz e relação da questão com as drogas. Quando o assunto é política, não poupa os partidos, e até Lula é alvejado por suas palavras.
 Alexandre Benoit e Rodrigo Antonio
CM: Quando a peça Diário de carroceiro estourou?
TN: 2006. Era um barato. Eu saía, aí de noite chegava, tava lá com o pessoal assistindo televisão,  de repente: 'corre aí, é o Tião!'.  A gente assistia a matéria e depois  conseguia bater um papo no albergue. Foi gerando um outro campo de relações, comecei a participar de fóruns, até que chegamos à fundação do movimento Nacional de População de Rua.
CM: Então a arte ajudou na militância política?
TN: Sim, sem dúvida.
CM: E você milita ainda hoje lá?
TN: Milito. Mas hoje as coisas estão um pouco diferentes. Quando a gente fundou,
 era uma luta pura. Hoje já tá mais institucionalizado. Hoje num dá pro Tião chegar  lá e... fazer acontecer. 'Não, peraí.' Tem que ser deliberado, tem quem faz, tem quem fala, tem representantes em todos os Estados.
CM: Mas você acha que burocratizou?
TN: Ah, eu acho. Tudo que burocratiza complica, né? Eu acho que o próprio movimento se distanciou da realidade da rua. Quando você institucionaliza, passa a discutir lá em Brasília, passa a discutir com Palácio do Governo, passa a discutir com não sei quem... Migra pra carreira política. São vários fatores também que determinam. Quem vai participar, aonde, quando, em que Estado? Qual é a nossa pauta lá, o que vamos discutir? E isso faz com que, claro, automaticamente as lideranças se distanciem mesmo. Ficam com uma agenda... fica parecendo cantor sertanejo: mais fácil você achar ele no avião, do que acampado.
CM: E vocês reivindicavam o quê?
TN: Meu, era coisa mínima... queríamos sair do albergue, queríamos sair da rua, ir trabalhar. Era coisas mínimas que todo mundo pede. E era um sonho conseguir isso.
CM: E vocês faziam ato?
TN: Nossa, ato era um atrás do outro. Até disseram pra mim que eu ganhei o bolsa-aluguel como um cala-a-boca. 'Mas por que um cala-a-boca?' Porque eu era muito baderneiro, agitador. Não tinha muito meio-termo. 'Tem 40 pessoas aqui na Sé, no Anhangabaú, e hoje tá frio, vai chover, e o pessoal não conseguiu vaga no albergue. Bom, vamos todo mundo pra lá!' Pega lata, pega pau, aí nós chegávamos fazendo barulho. Escândalo pra secretária, secretário... em pleno centrão. 'Que é que esses caras tão fazendo, que é esse barulho todo?'. Eles queriam acabar com aquilo. Aí descia e falava 'que ceis querem?'. 'Meu, hoje vai fazer tantos graus...' E arrumavam vaga na hora.
CM: Você se envolveu com partido político?
TN: Ah, não.
CM: Se manteve independente?
TN: Eu fui chamado pra ser candidato. Eu não me envolvi com partido não.
CM: Por quê? Você não confia neles?
TN: Ah, eu não sei cara, acho que esse lado meu meio de artista, de gostar de escrever, atrapalha um pouco para ser político, né? Se eu quisesse me arrumar, dava.  Eu já fui convidado pra sair candidato e para as assessorias também. Tanto tucano, como esquerda, direita,  tudo... fui chamado pra apoiar.
CM: Trazendo nossa conversa um pouco pra atualidade. Na virada do ano teve a ação lá da polícia na Luz. Como é que você vê isso?
TN: Chegou um ponto ali que o pessoal foi deixando a Luz virar o esconderijo, o reduto. 'Deixa eles que eles vão pra lá'. Você tá livrando a São João, tá livrando a Sé... 'Então vai, deixa ir pra lá'. Mas aí não resolve o problema. Quando a coisa começou a complicar e começou a aparecer, que a sociedade começou a notar, que a Luz foi ganhando conservatórios musicais e tal então todo mundo viu a sujeira debaixo do tapete.
CM: E pela tua experiência,  descer o cassete não é forma de resolver o problema.
TN: Ali não tava tendo uma rebelião dentro de uma cadeia! Eles trataram como se tivesse uma rebelião na cadeia. Qual que é o processo? Choque, pancada, barulho, e botar eles pra apavorar. E essa metodologia que usaram aí, do sufoco né? Não sufocou traficante. Sufocou as pessoas. Não é assim. Você chega nas casas de convivência, elas já estão superlotadas de pessoas que frequentam, comem lá. Se vem dois, três a mais, não é todo mundo que come. Não pensaram nessa estrutura.
Então ali tinha que ter pensado: 'bom, nós queremos tirar esse pessoal daqui, ou queremos que eles tenham uma atitude de sair, ou de mudar, ou de sei lá, alguma coisa a gente quer fazer aqui', tinha que ter entrado primeiro com o serviço de assistência e saúde. Mas chegou com a polícia, atropelou o processo! Como é que você vai punir quem já tá punido, castigado pela vida? Que diferença vai fazer? Nenhuma! Não produz nenhum resultado positivo.
CM: E logo depois da Luz teve o caso lá do Pinheirinho, lá em São José, que foi a mesma coisa.
TN: É, Pinheirinho me lembrou a Plínio Ramos.  Foi pra mostrar quem manda, e quem tem que obedecer. Não foi nada mais do que isso que eles mostraram ali. 'Quem manda é a gente, e vocês não vão sair? Tá bom. A polícia tira.’
CM: E quando você vê essas coisas isso te indigna?
TN: Pra dizer a verdade, eu fiquei analisando quanta gente já morreu. Amigos meus, mais velhos e mais novos, quem morreu matado quem morreu de frio, quem morreu naturalmente. E eu acho que só to vivo porque no meu sangue ainda pulsa essa revolta, se não já era... eu não tenho mais nada, to fazendo hora extra.
Eu acho injusto tirar aquele tanto de família que o governo tirou de um terreno dum cara picareta pra caramba, que deve pra caramba, matou gente pra caramba, fez prédio de areia do mar. Era mais fácil fazer casas populares ali.
CM – Tião, como você recebeu o convite de ir falar para os calouros da maior e mais importante universidade pública da América Latina (Tião compôs a mesa sobre a Repressão na Calourada Unificada da USP a convite do Comando de greve dos estudantes)?
TN – Eu nem me dei conta. Perguntaram “você topa?”, e eu disse “eu topo”. E eu apresentei uma peça, Um homem sem país, um monólogo, em várias faculdades. Então me acostumei também com essa situação.
CM – Você chegou a acompanhar, sabe que os estudantes lá estão em greve contra a entrada da Polícia[a entrevista foi feita em fevereiro do a greve ainda era mantida], tem mais de 80 estudantes indiciados e tal. Você chegou a acompanhar essa questão?
TN – Eu acompanho tudo.
CM – O que você acha da luta dos estudantes?
TN – É o Estado, ué! É a Polícia. Do mesmo jeito que tá pra gente, tá lá. É isso mesmo, borracha, preconceito.   A forma como o Estado se mostra é complicado, ele pode pegar uma pessoa sem nenhum crime nas costas, sem nenhuma passagem, e simplesmente levar ele por desacato à autoridade. Pronto, “temos um crime, desacato à autoridade”.
CM – Agora Tião, você acha que dá pra fazer uma mudança radical desse estado de coisas?
TN – O problema é que o final de tudo é disputar o governo, disputar o poder. Aí você vai ter que eleger um, e quando ele sentar lá  não vai ser mais igual a todo mundo. Aí a merda volta pra trás. Então aquela ilusão toda que tinha e “quando o povo chegar no poder vai mudar”, isso já acabou pra mim. Chega lá e não governa só aquele partido. Muito pelo contrário, você ajudou a eleger e tem PMDB, PSDB, trocentos partidos que brigam um contra o outro. Aí você tem um Congresso, que pra votar um projeto tem que ter um doce, tem que ter um agrado, um dinheirinho, um benefício. 
CM – E a luta fica comprometida?
TN – Tudo o que a gente criou pra ser favorável tá sendo usado contra a gente.  Criamos os conselhos, uma forma da sociedade civil se organizar, de lutar pelos seus direitos, aí quando você vai fazer um ato, leva 20 mil pessoas aí o prefeito fala “mande um representante de vocês”, então sobem sei lá, da habitação, disso, daquilo, ficam três horas lá conversando e o pessoal acaba indo embora. Eu acho difícil mudar isso.
CM – Por quê?
TN –  Olha, é triste falar isso, mas a Era dos movimentos sociais tá perdendo pra Era das ONGs e dos institutos. Hoje tudo tem que ter um convênio, tem que ter uma grana, tem que ter um proponente, um captador de recursos, e aí... cortam a verba, “chama o movimento pra gente brigar por causa da dotação orçamentária”, depois você não pode participar da reunião porque a plenária é fechada, porque isso, porque aquilo... Então eu pergunto, pra que é que servem os movimentos todos? Vê lá a Luz. Eu gosto do Lula, ele é meu amigo até... mas aí o bendito Instituto Lula pega toda aquela área para fazer um raio de um museu pro Lula. A gente tá brigando pros caras colocarem uma casa de acolhida lá, uma casa de convivência, um hotel social, um tratamento de dependência química, colocar um consultório, e aí não, eles falam que lá vai ser um museu! Toda aquela área enorme pela qual a gente brigou vai virar um museu! 
CM – Em os sem-teto, como ficam?
TN –  Tem que lutar pelo mínimo, pelo direito de existir, de ser, a rua hoje tá lutando por isso, pelo direito de existir, de permanecer, de ser e estar, porque o direito de ir e vir já tinha conquistado, perdemos. Você pode andar pela rua e o segurança diz “pode ir circulando”, “você não pode ficar aqui”, esse é o direito de ir e vir, “você não pode ficar deitado aqui não”, mas direito de existir não tenho. Direito de ter paz, não tenho. Não sei como é que as coisas poderiam mudar mais. Nesse ponto estou descrente, descrente mesmo. E o crack cada vez crescendo mais, ganhando espaço, não sei quem ganha com isso, porque é uma droga barata e mata o freguês E eu to aqui na vontade, pelo menos o teatro te dá isso, pelo menos no personagem, de sonhar e se iludir que a coisa tá acontecendo, e esse livro que eu quero lançar agora, eu to sonhando que vai ser impactante. Aí eu falo assim “vai acontecer igual à Revolução dos bichos”. 
http://contra-mare.org/index.php/posts/96
 

 



Escrito por nicomedesoliveira às 15h42
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]